Artroplus

38,00 

Suplemento alimentar com: Vidoeiro, Cavalinha, Açafrão-das-Índias, Aipo, Garra do Diabo, Salgueiro Branco, Úlmária, Levedura de Cerveja, Cobre, Magnésio, Manganês, Iodo e Zinco.

Principais características dos ingredientes:
✔ Manutenção de articulações saudáveis.
✔ Manutenção de ossos saudáveis

⚠️ Contém: Aipo

Apresentação: contém 30 ampolas bebíveis de 10 ml.

IngredientesToma Diária: 1 ampola
Tomas por embalagem: 30
%VRN
Vidoeiro35mg**
Cavalinha35mg**
Açafrão-das-Índias35mg**
Aipo35mg**
Garra-do-Diabo35mg**
Salgueiro Branco (casca)35mg**
Ulmária35mg**
Levedura de Cerveja10mg**
Cobre1,1mg110%
Magnésio1,1mg**
Manganês0,88mg44%
Iodo0,06mg40%
Zinco0,05mg0,5%
*VRN estabelecida pelo Regulamento (UE) Nº 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Outubro de 2011. **VRN (valor de referência nutricional não estabelecida)

Informações Complementares

Tomar uma ampola (10 ml) por dia.

Água Purificada; Gelificante: Glicerina; Glucose; Betula alba, Vidoeiro (folha); Equisetum arvense, Cavalinha (partes aéreas); Curcuma longa (rizoma); Apium graveolensAipo (folha); Harpagophytum procumbens, Harpago (raiz); Salix alba, Salgueiro Branco (casca); Filipendula ulmaria, Ulmaria (planta); Conservantes: Sorbato de Potássio, Benzoato de Sódio; Levedura de Cerveja; Regulador de acidez: Ácido Cítrico; Cloreto de Magnésio; Sulfato de Cobre; Sulfato de Manganês; Sulfato de Zinco; Iodeto de Potássio.

✔ O magnésio contribui para a redução do cansaço e da fadiga.
✔ O magnésio contribui para o equilíbrio dos eletrólitos.
✔ O magnésio, o manganês, o iodo e o cobre contribuem para o normal metabolismo produtor de energia.
✔ O magnésio contribui para o normal funcionamento do sistema nervoso.
✔ O magnésio contribui para o normal funcionamento muscular.
✔ O magnésio contribui para a síntese normal das proteínas.
✔ O magnésio, o zinco e o manganês contribuem para a manutenção de ossos normais.
✔ O magnésio contribui para a manutenção de dentes normais.
✔ O magnésio contribui para o processo de divisão celular.
✔ O cobre contribui para a manutenção dos tecidos conjuntivos normais.
✔ O cobre, o zinco e o manganês contribuem para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.
✔ O manganês contribui para a normal formação de tecidos conjuntivos.

Agitar antes de tomar. Não exceder a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. É importante um regime alimentar equilibrado e um modo de vida saudável. Devido à inexistência de estudos que confirmem a segurança de utilização em caso de gravidez e aleitamento, este suplemento não deve ser utilizado nestas situações, salvo indicação médica. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade, alergia e quando estejam descritas interações de outro produto com qualquer um dos constituintes da formulação. Preservar ao abrigo da luz, do calor e da humidade. Conservar em local seco na embalagem original e a temperatura inferior a 25ºC. Manter fora do alcance e da visão das crianças. Contém açúcar. Contém salicilatos.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorrecções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

Árvores e arbustos do género Betula, da famíla Betulaceae, habitam vários ecossistemas em zonas de clima temperado do hemisfério norte. As propriedades curativas da casca de Bétula e dos seus extratos são conhecidas há muito tempo na medicina tradicional em diferentes partes do mundo. Várias espécies desta família têm sido tradicionalmente usadas no tratamento de doenças inflamatórias, incluindo artrite.

O Vidoeiro, também conhecido como Betula alba, é uma planta amplamente utilizada em sistemas de medicina tradicional como Ayurveda e Unani, contendo flavonoides, saponinas, taninos, óleos essenciais, vitaminas, esteróis e betulina em diferentes partes e exibindo atividades farmacológicas como anti-inflamatória, antimicrobiana, anticancerosa, antimalárica, etc. As suas propriedades medicinais são aplicadas em artrite, febre, problemas renais, cefaleias e eczemas.

 As suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias são reconhecidas e estão documentadas, desempenhando uma ação importante sobre o funcionamento renal. A sua riqueza em flavonoides, confere um notável efeito diurético e depurador, potenciando a capacidade natural do organismo eliminar líquidos retidos no organismo (edemas), especialmente em caso de insuficiência renal ou cardíaca; e toxinas, como o ácido úrico, sendo por isso o seu consumo benéfico em situações de cálculos renais ou gota. De um modo geral a Bétula é usada pela medicina tradicional como uma ajuda natural para o tratamento de cólicas e cálculos renais, gota, reumatismo, sendo que os óleos essenciais são ainda comummente usados para tratar afeções da pele, como eczema e psoríase.

A betulina encontrada abundantemente na casca da Bétula é um triterpeno que exibe um amplo espetro de propriedades biológicas e farmacológicas, entre as quais a atividade anticancerígena e quimopreventiva. Atuando especificamente nas células cancerosas com baixa citotoxicidade em relação às células normais, o que tem gerado bastante interesse por parte da comunidade científica. Embora o mecanismo de ação antineoplásico da betulina ainda não seja bem compreendido, um número de estudos crescente tem suportado esta atividade.

Bibliografia

1. Rastogi,S., Pandey, M., Rawat A. Medicinal plants of the genus Betula—Traditional uses and a phytochemical–pharmacological review. J Ethnopharmacol. 2015.
2. Vinod M, Singh M, Pradhan M, et al. Phytochemical constituents and pharmacological activities of betula alba linn.- A review. Int J PharmTech Res. 2012.
3. Król, S. et al. Comprehensive Review on Betulin as a Potent Anticancer Agent. Biomed Research International. 2015.

A Cavalinha, Equisetum arvense, é uma planta bem conhecida e disseminada no hemisfério norte, com uma longa tradição no tratamento dos distúrbios in­flamatórios, respiratórios, renais e urinários, como hemostático em hemorragias nasais, pulmonares, gástricas e mens­truais, no tratamento e prevenção de unhas frágeis e queda de cabelo, doen­ças reumáticas, gota, edema, cicatrização, fraturas e frieiras. A Cavalinha contém flavonoides, alcaloides, minerais, saponinas e fitosteróis como principais compostos bioativos.

Também tem sido adicionada a preparações cosméticas, por ser rica em silício, um mineral que desempenha um papel estratégico na regulação da estrutura e elasticidade dérmica, contribuindo para a forma, resistência e flexibilidade de todos os tecidos conjuntivos – além de outros sais minerais (Ca, Mg, Se, Fe, K, Zn, etc.), vitaminas (C, E, K, Bs), saponósidos e flavonoides que contêm benefícios adicionais na pele, contribuindo para a eficácia geral do cosmético.

A literatura tem descrito diferentes efeitos biológicos da Cavalinha desde a sua ação antioxidante, anti-inflama­tória, diurética, antidiabética, antimicrobiana, anticonvulcionante, relaxante muscular, sedativo, ansiolítico, analgésico, antiagregante plaquetar, neuro e cardioprotetora ou propriedades antiprolifera­tivas e anticancerígenas. Os investigadores têm interligado o teor em sílica da Cavalinha às suas propriedades antibacterianas, antisépticas e adstringentes. Aquando de um processo de emagrecimento, torna-se bastante relevante esta ação anti-inflamatória e diurética, potenciando a redução do edema e volume, através da eliminação da retenção de líquidos intersticiais em excesso.

Bibliografia

1. Al-Snafi PDAE. The pharmacology of Equisetum arvense- A review. IOSR J Pharm. 2017;07(02):31-42. doi:10.9790/3013-0702013142
2. Jinous Asgarpanah. Phytochemistry and pharmacological properties of Equisetum arvense L. J Med Plants Res. 2012;6(21):3689-3693. doi:10.5897/jmpr12.234
3. Mimica-Dukic N, Simin N, Cvejic J, Jovin E, Orcic D, Bozin B. Phenolic compounds in field horsetail (Equisetum arvense L.) as natural antioxidants. Molecules. 2008;13:1455-1464. doi:10.3390/molecules13071455
4. Cetojević-Simin DD, Canadanović-Brunet JM, Bogdanović GM, et al. Antioxidative and antiproliferative activities of different horsetail (Equisetum arvense L.) extracts. J Med Food. 2010;13(2):452-459. doi:10.1089/jmf.2008.0159
5. Benaiges A, Marcet P, Armengol R, Betes C, Gironés E. Study of the refirming effect of a plant complex. Int J Cosmet Sci. 1998;20(4):223-233. doi:10.1046/j.1467-2494.1998.176608.x
6. Šauperl O, Zemljič LF, Valh JV, Tompa J. Textile cosmetic pads based on psyllium and protein colloid in combination with the horsetail extract. Ind Textila. 2019;70(1):21-24. doi:10.35530/it.070.01.1479
7. Al-Snafi PDAE. The pharmacology of Equisetum arvense- A review. IOSR J Pharm. 2017;7(2):31-42. doi:10.9790/3013-0702013142
8. Holzhüter G, Narayanan K, Gerber T. Structure of silica in Equisetum arvense. Anal Bioanal Chem. 2003:512-517. doi:10.1007/s00216-003-1905-2

Curcuma longa, também conhecida como Açafrão-das-Índias, é membro da família do gengibre, nativa do sudoeste da Índia. O seu rizoma é fonte de uma especiaria e pigmento amarelo vivo, resultante da presença de curcuminoides, entre eles a curcumina. Esta substância apresenta importantes propriedades farmacológicas como a atividade antioxidante, antineoplásica, antimicrobiana, anti-inflamatória, antidiabética, anticoagulante, imunoestimulante, cardio, neuro e hepatoprotetor. O Açafrão-das-Índias figura na medicina tradicional como estimulante, estomáquico, utilizado para distúrbios hepáticos, biliares, artríticos e musculares, reumáticos e metabólicos. Assim como em casos de icterícia, anorexia, tosse, feridas diabéticas e sinusite. Tem ainda atividade terapêutica promissora contra o cancro, infeções, níveis de colesterol elevados e diabetes mellitus. Para além disto, possui ação antidiarreica, diurética, antiescorbútica, antiespasmódica, anticonvulsiva e sedativa.

O Açafrão é comummente usado como condimento na culinária e Indústra Alimentar, e o seu pigmento é também bastante usado na Indústria Têxtil, para conferir coloração aos tecidos. Mas é na área da cosmética que este composto tem despertado um interesse mais recente, uma vez que a composição fitoquímica da curcumina – com considerável teor de compostos polifenólicos, a torna estruturalmente semelhante a filtros UV orgânicos, exercendo atividade fotoprotetora (FPS elevado) estável e não mutagénica.

Bibliografia

1. Omosa LK, Midiwo JO, Kuete V. Curcuma longa. Medicinal Spices and Vegetables from Africa. 2017: 425-435.
2. Witkin J, Li X. Curcumin, an active constiuent of the ancient medicinal herb Curcuma longa L.: some uses and the establishment and biological basis of medical efficacy. CNS Neurol Disord – Drug Targets. 2013; 12:487-497.
3. Kocaadam B, Şanlier N. Curcumin, an active component of turmeric (Curcuma longa), and its effects on health. Crit Rev Food Sci Nutr. 2017: 2889-2895.
4. Shishodia S., Chaturvedi M., Aggarwal B. Role of Curcumin in cancer therapy. Curr Probl Cancer. 2007; 31:243-305.
5. Marchi P., Tedesco L., Melo C., et al. Curcuma Longa L., O açafrão da terra, e seus benefícios medicinais. Arq Ciências da Saúde da UNIPAR. 2016; 20(3):189-194.
6. Araújo C., Leon L. Biological activities of Curcuma longa L. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2001; 96(5): 723-728.
7. Fialho C., Souza R., Braz L., et al. Curcuma: planta medicinal, condimentar e de outros usos potenciais. Ciência Rural. 2000; 30(1):171-175.
8. Yuan T., Du G. Curcumin. Nat Small Mol Drugs from Plants. 2018: 679-684.
9. Menon P., Sudheer R. Antioxidant and anti-inflammatory properties of curcumin. Adv Exp Med Biol. 2007:105-125.
10. Kaur C., Saraf S. Topical vesicular formulations of Curcuma longa extract on recuperating the ultraviolet radiation-damaged skin. J Cosmet Dermatol. 2011; 10:260-265.
10. Kaur CD, Saraf S. Topical vesicular formulations of Curcuma longa extract on recuperating the ultraviolet radiation-damaged skin. J Cosmet Dermatol. 2011;10:260-265.
11. Gopinath H, Karthikeyan K. Turmeric: a condiment, cosmetic and cure. Indian J Dermatol Venereol Leprol. 2018.
12. Rasheed A, Shama SN, Mohanalakshmi S, et al. Formulation, characterization and in vitro evaluation of herbal sunscreen lotion. Orient Pharm Exp Med. 2012.

O Aipo pertence à família das cenouras e, esta a planta selvagem, era já utilizada para fins medicinais, centenas de anos antes da sua utilização alimentar. Valorizado pelo seu conteúdo vitamínico e mineral, constituindo uma excelente fonte de fibras dietéticas, minerais como molibdénio, manganês, cálcio, magnésio, fósforo e ferro e vitaminas, nomeadamente, A, B1, B2, B6, B9 e C. Contém compostos anti-inflamatórios, com utilidade na gota e outros problemas artríticos, bem como efeito diurético que ajuda na eliminação de uratos e outros, reduzindo a acidez global no organismo. Devido a compostos como ácido cafeico, cumarínico e ferúlico, apigenina, luteolina, taninos, saponinas e campferol, apresenta características antioxidantes poderosas e com potencial utilidade no tratamento de doenças cardiovasculares, hepáticas, urinárias e reumáticas. Utilizada também na pré-diabetes, por ter sido identificado e proposto um potencial efeito na redução da glicémia e da pressão arterial.

Bibliografia

1. Malhotra SK. Celery. Handb Herbs Spices Second Ed. 2012; 2:249-267.
2. Kooti W, Daraei N. A Review of the Antioxidant Activity of Celery (Apium graveolens L). J Evidence-Based Complement Altern Med. 2017; 22(4):1029-1034.
3. WebMD: Celery [Internet]. Available from: https://www.webmd.com/vitamins/ai/ingredientmono-882/celery

Popularmente apelidada de garra-do-diabo, o harpagófito trata-se de um extrato obtido da raiz de Harpagophytum procumbens, membro da família do sésamo encontrada no sul de África. As principais substâncias ativas da planta são os glicosídeos iridóides (entre eles, harpagosidos), que compreendem aproximadamente 3% do material vegetal total. Estas substâncias conferem-lhe um elevado potencial no tratamento de condições artríticas crónicas e dolorosas.

O harpagosido tem demonstrado diminuir a expressão da ciclooxigenase (COX-2), bloquear a produção de mediadores inflamatórios como a prostaglandina E2 e dimininuir a indução do óxido nítrico sintase (iNOS), efeitos estes que lhe conferem uma potente ação anti-inflamatória.⁠ Como tal, tem sido utilizado em condições reumáticas degenerativas, incluindo osteoartrite e artrite reumatóide, e em situações de gota e dor de costas. Além disso, tem também propriedades condroprotetoras, atribuídas ao seu efeito no aumento da metaloproteinase-2 matricial.

Bibliografia

1. Brien S, Lewith GT, McGregor G. Devil’s Claw (Harpagophytum procumbens) as a treatment for osteoarthritis: A review of efficacy and safety. J Altern Complement Med. Published online 2006. doi:10.1089/acm.2006.12.981
2. Mncwangi N, Chen W, Vermaak I, Viljoen AM, Gericke N. Devil’s Claw – A review of the ethnobotany, phytochemistry and biological activity of Harpagophytum procumbens. J Ethnopharmacol. Published online 2012:755-771. doi:10.1016/j.jep.2012.08.013
3. A.Williams C. Specialized dietary supplements. In: Equine Applied and Clinical Nutrition. ; 2013:351-366.
4. Sarah Brien, Ph.D., George T. Lewith, M.A., D.M., F.R.C.P., M.R.G.C.P., 1 and Gerry McGregor PD. Devil’s Claw (Harpagophytum procumbens) as a Treatment for Osteoarthritis: A Review of Efficacy and Safety. 2006;12(10):981-993.

O extrato da casca de Salix alba, comumente conhecido como Salgueiro Branco (família Salicaceae), tem sido usado há milhares de anos, inicialmente na região do Mediterrânico, como anti-inflamatório, antipirético e analgésico, para condições associadas à dor, inflamação (aguda ou crónica) e febre. O primeiro relatório médico sobre os efeitos antipiréticos do extrato da casca de Salgueiro Branco remontam ao século XVIII. Historicamente também tem sido usada no tratamento de infeções e doenças de pele.

O seu efeito analgésico pode traduzir-se em efeitos positivos em situações como dores articulares ou nos joelhos, lombalgia aguda (boa evidência científica), cefaleia, dores menstruais, tendinite e sintomas gripais como febre e dor generalizada, não apresentando efeitos adversos em estudos prévios. Para além disto, os seus efeitos anti-inflamatórios poderão ser vantajosos no tratamento de osteoartrite e artrite reumatóide.

As suas propriedades e efeitos terapêuticos têm sido associados à sua composição, sendo o seu principal componente a salicina, um análogo percursor do ácido acetilsalicílico (após metabolização no fígado), conhecido por ser um potente medicamento anti-inflamatório. Para além disto, também contém antioxidantes protetores como polifenóis e flavonoides. Os seus flavonoides e taninos também poderão ser associados aos seus efeitos analgésicos e anti-inflamatórios.

Apesar de não existir evidência científica direta da sua utilização em programas de perda de peso ou em produtos destinados a desportistas, alguns estudos envolvendo produtos combinados com extrato de Salix alba, têm demonstrado efeitos positivos.

Bibliografia

1. Shara M, Stohs SJ. Efficacy and Safety of White Willow Bark (Salix alba) Extracts. Phytotherapy Research. 2015.
2. Vlachojannis J. E., Cameron M., Chrubasik S. A Systematic Review on the Effectiveness of Willow Bark for Musculoskeletal Pain. Phytotherapy Research.2009; 23: 897-900
3. Edson Luis Maistro, Peterson Menezes Terrazzas, Fábio Ferreira Perazzo, Isabel O’Neill De Mascarenhas Gaivão, Alexandra Christinie Helena Frankland Sawaya & Paulo Cesar Pires Rosa (2020): Salix alba (white willow) medicinal plant presents genotoxic effects in human cultured leukocytes, Journal of Toxicology and Environmental Health, Part A, DOI: 10.1080/15287394.2019.1711476
4. Gagnier, J. J., van Tulder, M. W., Berman, B., & Bombardier, C. (2007). Herbal Medicine for Low Back Pain. Spine, 32(1), 82–92. doi:10.1097/01.brs.0000249525.70011.fe

A ulmária, também conhecida por erva-ulmeira, rainha-dos-prados ou erva-das-abelhas, é uma planta medicinal utilizada para resfriado, febre, doenças reumáticas, doenças dos rins e bexiga, cãibras, gota e alívio de enxaquecas.

A ulmária é uma planta da família das rosáceas com altura entre os 50 e os 200 cm, com flores amarelas ou esbranquiçadas e o seu nome científico é Filipendula ulmária.

A presença de salicilato de metilo confere à planta propriedades antipiréticas, anti-inflamatórias, anti-reumática e anti-agregante plaquetária, os flavonoides e hetrósidos aumentam a atividade anti-inflamatória e diaforética. Os taninos que esta variedade botânica integra têm uma ação adtringente.

Em fitoterapia, a planta funciona melhor como um todo do que os seus componentes isolados. A presença de taninos e de mucilagem ajuda a combater os efeitos adversos dos salicilatos isolados que podem causar irritações gástricas. Daí ser muito aconselhada para problemas de hiper-acidez do estômago.

É também recomendada para outros problemas tais como:

• aparelho digestivo como flatulência;
• problemas de fígado;
• úlceras gástricas;
• mau hálito;
• refluxo gástrico;
• ainda cistite.
• febres e gripes;
• pedra na bexiga;
• celulite;
• reumatismo;
• arterite;
• dores menstruais;
• dores de cabeça;
• edema;
• diurese e ureia.

Bibliografia:

1. Halkes S.B.A. Ph.D. Thesis. University of Utrecht; Utrecht, The Netherlands: 1998. Filipendula ulmaria—A Study on the Immunomodulatory Activity of Extracts and Constituents.
2. emereshina O.N., Gusev N.F., Surovyatkina T.N., Filippova A.V. Analysis of the content of antioxidants in the aboveground part of Filipendula Ulmaria (L.) Maxim. of the steppe zone of the Orenburg region. Proc. Orenbg. State Agrar. Univ. 2020;6:70–76.
3. Sayfulina N.A., Kozhina I.S. Composition of essential oils from the flowers of Filipéndula ulmaria (L.) Maxim., Filipéndula denudata (Presl) Fritsch and Filipéndula stepposa Juz. Plant Resour. 1975;11:542–544.
4. Barros L., Alves C.T., Dueñas M., Silva S., Oliveira R., Carvalho A.M., Henriques M., Santos-Buelga C., Ferreira I.C.F.R. Characterization of phenolic compounds in wild medicinal flowers from Portugal by HPLC-DAD-ESI/MS and evaluation of antifungal properties. Ind. Crop. Prod. 2013;44:104–107. doi: 10.1016/j.indcrop.2012.11.003.
5. Kruglova Y.V., Khanina M.A. The study of essential oils from the aerial parts of Filipendula ulmaria (L.) Maxim. Med. Educ. Sib. 2011;5:7.

A levedura Saccharomyces cerevisiae é um fungo unicelular associada à fermentação de cerveja, vinho e produtos de panificação. Como microorganismo vivo com benefícios de saúde quando administrado, apresenta efeito probiótico. A única levedura utilizada como um produto farmacologicamente ativo na prevenção e tratamento de doenças intestinais é a S. cerevisiae var. Boulardi, mas é muito provável que outras variantes desta espécie tenham também efeitos probióticos.

Além de reduzir a inflamação durante as infeções bacterianas ao interferir com as vias de sinalização das células do hospedeiro, a S. cerevisiae var. Boulardii também estimula a expressão de recetores do peroxisoma (PPAR-γ) em colonócitos humanos e reduz a resposta das células do cólon às citocinas pro-inflamatórias. Há vários estudos que indicam ainda que existe uma estimulação da imunidade do hospedeiro, tanto inata como adquirida, por parte desta levedura, o que lhe confere um efeito imunomodulador.⁠

O seu uso em ensaios clínicos tem demonstrado resultados promissores em doenças causadoras de diarreia, sendo eficaz em doentes imunocomprometidos e com doenças intestinais, como doença de Chron, assim como na diarreia associada à toma de antibióticos. Produz ainda pigmentos e outros metabolitos secundários bioativos que exibem propriedades neuroprotetoras, antidiabéticas, antimaláricas e antitumorais. Pode também ser utilizada como fonte dietética de folato, pois produz elevados níveis desta vitamina B.

Bibliografia

1. Farid F, Sideeq O, Khan F, Niaz K. Saccharomyces cerevisiae. In: Nonvitamin and Nonmineral Nutritional Supplements. ; 2018. doi:10.1016/B978-0-12-812491-8.00066-7
2. Moslehi-Jenabian S, Pedersen LL, Jespersen L. Beneficial effects of probiotic and food borne yeasts on human health. Nutrients. 2010;2(4):449-473. doi:10.3390/nu2040449

O cobre é um mineral considerado essencial para o organismo. Ele é um oligoelemento, elemento químico essencial para os seres vivos encontrado em baixa concentração nos organismos, porém de fundamental importância biológica.

O corpo humano não consegue produzir o cobre, ele é obtido por meio da alimentação. O cobre ajuda na formação de algumas células sanguíneas, hormônios e enzimas antioxidantes, também contribui para a síntese de neurotransmissores, formação da bainha de mielina e regulação da expressão gênica. O cobre ainda ajuda a regular a quantidade de ferro no organismo e na formação de tecidos conjuntivos.

O cobre é bom para a pele por alguns motivos. Ele é importante para a formação de melanina, que desempenha um papel na pigmentação da pele, cabelos e olhos, impedindo, por exemplo, a formação de manchas de pele, melasma.

A lisil oxidase, é uma enzima dependente de cobre responsável pela ligação cruzada de colágeno e elastina, que são essenciais para a formação de tecido conjuntivo forte e flexível. Por fim, a ação antioxidante que o cobre proporciona por meio das enzimas antioxidantes também irá contribuir para uma pele mais saudável e bonita.

Muitas cuproenzimas, enzimas dependentes de cobre, são responsáveis por diversas reações essenciais para a função normal do cérebro e do sistema nervoso. Estas enzimas dependentes de cobre são responsáveis pela síntese de neurotransmissores.

O cobre é essencial para que as pessoas tenham um bom aproveitamento da vitamina C. Esta vitamina aumenta a produção de glóbulos brancos, células que fazem parte do sistema imunológico e que tem a função de combater microorganismo e estruturas estranhas ao corpo. A vitamina C também aumenta os níveis de anticorpos no organismo. Assim, ela ajuda a fortalecer o sistema imunológico, deixando nosso corpo menos suscetível a doenças. A poderosa ação antioxidante que o cobre proporciona indiretamente também age de forma positiva na imunidade.

Bibliografia:

1. Collins JF. Copper. In: Ross AC, Caballero B, Cousins RJ, Tucker KL, Ziegler TR, eds. Modern Nutrition in Health and Disease. 11th ed. Baltimore, MD: Lippincott Williams & Wilkins; 2014:206-16.
2. Allen KG, Klevay LM. Copper: an antioxidant nutrient for cardiovascular health. Curr Opin Lipidol 1994;5:22-8.
3. Institute of Medicine, Food and Nutrition Board. Dietary Reference Intakes for Vitamin A, Vitamin K, Arsenic, Boron, Chromium, Copper, Iodine, Iron, Manganese, Molybdenum, Nickel, Silicon, Vanadium, and Zinc. Washington, DC: National Academies Press; 2001.
4. Owen CAJ. Biochemical Aspects of Copper: Copper Proteins, Ceruloplasmin, and Copper Protein Binding. Park Ridge, NJ: Noyes Publications; 1982.

O Magnésio é o segundo eletrólito mais prevalente, ao nível intracelular, no corpo humano, sendo que uma pessoa saudável (de aproximadamente 70 kg), apresenta cerca de 24g de Magnésio, distribuído pelos ossos, mús­culos, tecidos moles e fluídos corporais.

Este, tal como outros minerais, não é produzido pelo organismo, por isso deve ser fornecido através de alimentos ou suplementos alimentares. Também é utilizado em alguns medicamentos, nomeadamente antiácidos e laxantes. Ainda assim, a alimentação global atual, rica em alimentos processados, e a utilização de fertilizantes não favorece a ingestão deste mineral. Por este motivo, a sua deficiência é comum em países desenvolvidos, causando o aumento da pressão sanguínea, a redução da tolerância à glicose e excitação neural.

Quando suplementado, para atenuar esta deficiência, atua como sedativo, reduzindo a pressão sanguínea e melhorando a sensibilidade à insulina.

A deficiên­cia de Magnésio (hipomagnesémia), é comum em pacientes hospitalizados1, mas também pode ocorrer em pessoas com doenças gastrointestinais, diabetes mellitus tipo 2, alcoolismo crónico, em idosos ou pacien­tes medicados com diuréticos a longo prazo.

O défice neste mineral poderá resultar em diversos processos inflamatórios como hipertensão, diabetes mellitus tipo 2 e síndrome metabólica, para além do aparecimento de sintomas como cãibras musculares, irritabilidade e vasoespasmos.

Como interfere na regulação de outros minerais, a carência severa de Magnésio poderá levar, ainda, à ocorrência de níveis baixos de cálcio e potássio, por alteração da homestasia mineral.

A ingestão adequada de Magnésio é fundamental para manter a homeostasia do nosso organismo e um estado de saúde ótimo. Este mineral é cofator em aproximadamente 300 reações enzimáticas que regulam diversas reações bioquímicas e, portanto, é essencial para muitas funções fisiológicas do nosso organismo, como regulação da função muscular, pois é responsável pelo transporte ativo de cálcio e potássio, processo importante na contração muscular; regulação da função nervosa, controlo da gli­cémia, da pressão arterial, ritmo cardíaco e do tónus vascular; assegura o desenvolvimento estrutural ósseo, regula a produção de energia e a síntese de proteínas.

Para além de ter vários benefícios para a saúde ao nível físico, este mineral também desempenha um papel importante nas funções do sistema nervoso central e poderá atuar como neuroprotetor, por modular a regulação da permeabilidade da barreira hematoencefálica.

Estudos têm demonstrado uma relação entre uma variedade de sintomas psiquiátricos e neuromusculares como depressão, manifestações de reações de stress (ansiedade, disfunção autonómica e dificuldade de adaptação) com a deficiência de Magnésio. Tanto o stress físico como mental causam aumento da eliminação de Magnésio e sua insuficiência, por sua vez, aumenta a res­posta ao stress, agravando as sequelas. Assim sendo, o Magnésio apresenta-se como mineral essencial para a manutenção de uma boa saúde psicológica.

Como a sua absorção intestinal varia de acordo com a quantidade de Magnésio necessária para o corpo, isto é, o corpo absorverá apenas o necessário, não foram demonstrados até ao momento efeitos secundários da sua suplementação.

Em súmula, a ingestão e o aporte adequado de Magnésio contribui para a manutenção de ossos e dentes normais, para a síntese normal das proteínas, energia e o normal funcionamento muscular e neuronal. Este mineral contribui ainda para o equilíbrio dos eletrólitos, para o processo de divisão celular e para a redução do cansaço e da fadiga. Demonstrando-se essencial para otimizar o desempenho cognitivo e físico.

Bibliografia

1. Jahnen-Dechent W, Ketteler M. Magnesium basics. CKJ Clin Kidney J. 2012;5(1):i3-i14. doi:10.1093/ndtplus/sfr163
2. K. Patel. Magnesium. https://examine.com/supplements/magnesium/. Published 2019. Accessed February 24, 2020.
3. Barbagallo M, Dominguez L. Magnesium and Aging. Curr Pharm Des. 2010;16:832-839. doi:10.2174/138161210790883679
4. Gröber U. Magnesium and Drugs. Int J Mol Sci. 2019;20(2094):1-14. doi:10.3390/ijms20092094
5. Watson RR, Preedy VR, Zibadi S. Magnesium in Human Health and Disease.; 2013. doi:10.1007/978-1-62703-044-1
6. Outhoff K. Magnesium: effects on physical and mental performance. South African Pharm Assist. 2018;60(4):32-34.
7. Gröber U, Schmidt J, Kisters K. Magnesium in prevention and therapy. Nutrients. 2015:8199-8226. doi:10.3390/nu7095388
8. National Institutes of Health NIH. Magnesium – Health Professional Fact She. Fact Sheet Heal Prof. 2018.
9. Serefko A, Szopa A, Wlaź P, et al. Magnesium in depression. Pharmacol Reports. 2013;65:547-554. doi:10.1016/S1734-1140(13)71032-6
10. Tarasov EA, Blinov D V., Zimovina U V., Sandakova EA. Magnesium deficiency and stress: Issues of their relationship, diagnostic tests, and approaches to therapy. Ter Arkh. 2015;9:114-122. doi:10.17116/terarkh2015879114-122
11. Wang J, Um P, Dickerman BA, Liu J. Zinc, magnesium, selenium and depression: A review of the evidence, potential mechanisms and implications. Nutrients. 2018;10(584):1-19. doi:10.3390/nu10050584
12. Saris NEL, Mervaala E, Karppanen H, Khawaja JA, Lewenstam A. Magnesium: An update on physiological, clinical and analytical aspects. Clin Chim Acta. 2000;294:1-26. doi:10.1016/S0009-8981(99)00258-2

O Manganês é um nutriente mineral que não ocorre naturalmente no estado puro, essencial para man­ter a regulação e função adequada de reações bioquímicas e celulares.

É necessário para desenvolvi­mento e crescimento, e desempenha um papel na resposta imune, homeostasia da glicémia, regulação de ATP, reprodução e digestão, sendo componente de numerosas metaloenzimas.

Para além de componente essencial de enzimas e proteínas, é cofator necessário para a bios­síntese de sulfato de condroítina e superóxido dismutase mitocondrial, que inibe danos oxidativos nos tecidos e desempenha um papel na síntese de mucopolissacarídeos e na ativação de glicosiltransferases com ligação ao colagénio.

Estudos indicam efeitos positivos nas resposta inflamatória com a suple­mentação com Manganês, embora a forma exata como os minerais a modulam seja desconhecida.

Existem 3 isoen­zimas da superóxido dismutase – CuZnSOD, FeSOD e MnSOD que é a defesa primária contra espécies reativas de oxigénio na mitocôndria e que desempenha um papel importante na prevenção do de­senvolvimento de doenças degenerativas tardias, estando os seus polimorfismos associados a várias doenças como artrite psoriática.

O Manganês contribui para a normal formação dos tecidos conjuntivos e produção de energia manutenção de ossos normais e previne oxidações indesejáveis.

Bibliografia

1. Milatovic D, Gupta RC, Yin Z, Zaja-Milatovic S, Aschner M. Manganese. Elsevier Inc.; 2017. doi:10.1016/B978-0-12-804239-7.00032-9
2. Son EW, Lee SR, Choi HS, et al. Effects of supplementation with higher levels of manganese and magnesium on immune function. Arch Pharm Res. 2007;30(6):743-749. doi:10.1007/BF02977637
3. Kehl-Fie TE, Skaar EP. Nutritional immunity beyond iron: a role for manganese and zinc. Curr Opin Chem Biol. 2010;14:218-224. doi:10.1016/j.cbpa.2009.11.008
4. Shingu M, Takahashi S, Ito M, et al. Anti-inflammatory effects of recombinant human manganese superoxide dismutase on adjuvant arthritis in rats. Rheumatol Int. 1994;14(2):77-81. doi:10.1007/BF00300251
5. Yen JH, Tsai WC, Lin CH, Ou TT, Hu CJ, Liu HW. Manganese superoxide dismutase gene polymorphisms in psoriatic arthritis. Dis Markers. 2003;19:263-265. doi:10.1155/2004/734242

O iodo é um oligoelemento naturalmente presente em alguns alimentos, que pode ser adicionado a alguns tipos de sal e que está disponível como suplemento alimentar. Esta substância é um componente essencial das hormonas tiroideias (tiroxina e triiodotironina). Estas hormonas regulam reações biológicas importantes, como a síntese proteica ou a atividade enzimática, sendo ainda determinantes na atividade metabólica. Caso a tiroide não tenha iodo suficiente disponível para a produção das hormonas, esta glândula vai aumentar de tamanho, de modo a tentar captar o máximo de iodo possível, o que vai dar origem ao aparecimento de bócio.

Outra consequência da deficiência em iodo, que por sua vez implica a diminuição dos níveis de hormonas tiroideias, é a inibição da ovulação, o que pode levar à infertilidade em mulheres. Pode originar também uma doença autoimune da tiroide e aumentar o risco de incidência de cancro da tiroide. Alguns estudos sugerem também que, além do cancro da tiroide, pode aumentar a incidência de outros tipos de cancros, como o da próstata, da mama, dos ovários e do endométrio.

Durante a gravidez, baixos níveis de iodo representam também riscos bastante elevados, tanto para a mãe como para o bebé, já que pode levar a hipertensão no caso da mãe, e no caso do bebé pode comprometer o desenvolvimento do SNC.⁠ Além disso, o iodo tem ainda ação antimicrobiana e cicatrizante, sendo por vezes utilizado em situações de inflamação cutânea.

O consumo de iodo em excesso pode também ser prejudicial, já que vai provocar uma sobreatividade da tiroide. Como tal, a sua ingestão não deve exceder as doses diárias recomendadas.

Bibliografia

1. National Research Council. Health Implications of Perchlorate Ingestion. Washington, DC Natl Acad Press. Published online 2005:1-260. doi:10.17226/11202
2. Institute of Medicine F and NB. Dietary Reference Intakes for Vitamin A, Vitamin K, Arsenic, Boron, Chromium, Copper, Iodine, Iron, Manganese, Molybdenum, Nickel, Silicon, Vanadium, and Zinc.; 2001.
3. WebMD. Iodine. https://www.webmd.com/vitamins/ai/ingredientmono-35/iodine
4. Fournel I, Tiv M, Soulias M, Hua C, Astruc K, Glélé LSA. Meta-analysis of intraoperative povidone-iodine application to prevent surgical-site infection. Br J Surg Soc. Published online 2010.

O Zinco é um oligoelemento essencial, o que significa que não é produzido pelo organismo, sendo ne­cessário ingeri-lo na dieta ou através de suplementação alimentar para manter o seu aporte adequado e prevenir doenças inerentes ao seu défice. Este elemento é necessário por aproximadamente 300 enzimas no metabolismo celular – como a superóxido dismutase, com função antioxidante intracelular. Os seus efeitos anti-inflamatórios estão bem documentados e por outro lado, a inflamação, aguda ou crónica, induz alterações metabólicas e fisiológicas deste mineral.

Tem particular interesse, também, pela sua contribuição para o crescimento, desenvolvimento, cicatrização de feridas, função imune e síntese de colagénio, entre ou­tras funções, não se conhecendo o mecanismo do seu efeito no folículo capilar.

O Zinco está associado a múltiplos aspetos do sistema imunitário, sendo crucial para o normal desen­volvimento e função das células da imunidade inata. Tem ainda capacidade antioxidante e estabilizadora de membranas, sugerindo um papel na prevenção de danos oxidativos em processos inflamatórios. De facto, estudos apontam para os benefícios da suplementação com Zinco nas doenças infeciosas, reduzindo a in­cidência e duração de diarreias e infeções do trato respiratório inferior como as constipações.

A capacidade cicatrizante do Zinco também é bastante reconhecida. Apresentando-se como um aliando importante na cicatrização de tecidos como o epitélio (tecido intestinal, importante cicatrizar em doentes com doença de Crohn), gástrico (tecido do estômago, em doentes com úlceras ou gastrites), tecido pulmonar (importante em fumadores) ou em pessoas pós-cirurgia para promover a cicatrização do tecido invadido. Assim sendo, a suplementação oral com Zinco pode ser benéfica no tratamento de pessoas com úlceras, por potenciar a multiplicação celular.

Este mineral também parece ter importância ao nível da visão. A córnea tem a maior concentração de Zinco de todos os tecidos do organismo onde poderá desempe­nhar um papel protetor. Estudos da doença ocular relacionada com a idade (AREDS) concluíram que pacientes suplementados com Zinco apresentam uma redução na probabilidade de desenvolvimen­to de degeneração macular e redução na progressão da doença. Para além disto, a deficiência em Zinco poderá causar cegueira noturna, edema da córnea com possível progressão para opacidade da córnea, assim como conjuntivite seca que poderá progredir para secura ocular (xe­roftalmia) e queratomalácia.

A deficiência de Zinco é um grande pro­blema para a saúde e afeta o crescimento do cabelo e unhas, sendo que a alopécia se apresenta como sinal de carência deste mineral, com melhorias após suplementação oral. Para além disto, resulta em sintomas como dermatite, perda de peso, diarreia, infeções e disfunção imunológica, hipogonadismo e problemas de cicatrização de úlceras.

Estudos mostram que doentes que so­frem de Alzeimer, Esclerose Lateral Amiotrófica, Lesão Cerebral, Depressão, Esquizofrenia e Parkinson apresentam níveis inferiores de Zinco, pelo que, a sua suplementação deve ser tida em conta nestas situações.

A suplementação com Zinco também parece reduzir o risco de aterosclerose e proteger contra o enfarte do mio­cárdio e lesão isquémica.

Resumidamente, o aporte adequado de Zinco contribui para o normal funcionamento do sistema imu­nitário, para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis, para o normal metabolismo dos hidratos de carbono, lípidos e proteínas, para a regene­ração celular e manutenção da pele, cabelo, unhas, visão e ossos normais, para a manutenção de níveis normais de testosterona no sangue e para uma fertilidade, reprodução e função cognitiva normais.

Bibliografia

1. Silverio Amancio OM, Alves Chaud DM, Yanaguibashi G, Esteves Hilário MO. Copper and zinc intake and serum levels in patients with juvenile rheumatoid arthritis. Eur J Clin Nutr. 2003. doi:10.1038/sj.ejcn.1601601
2. Milanino R, Marrella M, Gasperini R, Pasqualicchio M, Velo G. Copper and zinc body levels in inflammation: An overview of the data obtained from animal and human studies. Agents Actions. 1993:195-209. doi:10.1007/BF01998974
3. Sahebari M, Ayati R, Mirzaei H, et al. Serum Trace Element Concentrations in Rheumatoid Arthritis. Biol Trace Elem Res. 2016. doi:10.1007/s12011-015-0501-6
4. Xin L, Yang X, Cai G, et al. Serum Levels of Copper and Zinc in Patients with Rheumatoid Arthritis: a Meta-analysis. Biol Trace Elem Res. 2015. doi:10.1007/s12011-015-0325-4
5. Goldberg LJ, Lenzy Y. Nutrition and hair. Clin Dermatol. 2010;28:412-419. doi:10.1016/j.clindermatol.2010.03.038
6. Prasad AS. Zinc in human health: Effect of zinc on immune cells. Mol Med. 2008;14(5-6):353-357. doi:10.2119/2008-00033.Prasad
7. Choi S, Liu X, Pan Z. Zinc deficiency and cellular oxidative stress: Prognostic implications in cardiovascular diseases review-article. Acta Pharmacol Sin. 2018. doi:10.1038/aps.2018.25
8. McCusker MM, Durrani K, Payette MJ, Suchecki J. An eye on nutrition: The role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataract. Clin Dermatol. 2016;34:276-285. doi:10.1016/j.clindermatol.2015.11.009
9. Whatham A, Bartlett H, Eperjesi F, et al. Vitamin and mineral deficiencies in the developed world and their effect on the eye and vision. Ophthalmic Physiol Opt. 2008;28(1):1-12. doi:10.1111/j.1475-1313.2007.00531.x
10. Haneke E, Baran R. Micronutrients for hair and nails. In: Nutrition for Healthy Skin: Strategies for Clinical and Cosmetic Practice. ; 2011. doi:10.1007/978-3-642-12264-4_14
11. Muhamed PK VS. Zinc is the most important trace element. Ugeskr laeger. 2014.
12. Portbury SD, Adlard PA. Zinc signal in brain diseases. Int J Mol Sci. 2017. doi:10.3390/ijms18122506

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Artroplus”
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Artroplus
38,00 
Scroll to Top