Cerebrovital

(3 avaliações de clientes)

45,00 

Complexo de Plantas, Fósforo e Magnésio
Suplemento alimentar com: Fósforo, Geleia Real, Magnésio, Salva, Guaraná, Segurelha, Serpão, Cola, Eleuterococo, Genciana e Gérmen de Trigo.

Principais características dos ingredientes:
✔ Acção energizante e tonificante
✔ Fósforo: contribui para a produção de energia

⚠️ Atenção: Contém: Trigo
⚠️ Atenção: Contém derivados apícolas.

Apresentação: caixa com 20 ampolas bebíveis de 10 ml.

REF: F302009 Categorias: ,
IngredientesToma Diária: 1 ampola
Tomas por embalagem: 20
%VRN
Fósforo250mg**
Geleia Real200mg**
Magnésio196.1mg**
Salva100mg**
Guaraná100mg**
Segurelha50mg**
Serpão50mg**
Cola50mg**
Eleuterococo50mg**
Genciana50mg**
Gérmen de Trigo2mg**
*VRN estabelecida pelo Regulamento (UE) Nº 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Outubro de 2011. **VRN (valor de referência nutricional não estabelecida)

Informações Complementares

Uma a duas ampolas por dia, simples ou diluídas num pouco de Água, antes das refeições (utilizar utensílios de plástico ou vidro). Deixar na boca um minuto antes de engolir.

Água Purificada; Sacarose; Glicerofosfato de Magnésio; Geleia Real; Salvia officinalis, Salva (Folhas); Paullinia cupana, Guaraná (Sementes); Satureja hortensis, Segurelha (Folhas e Flores); Thymus serpyllum, Serpão (Sumidades Floridas); Cola acuminata, Cola (Sementes); Eleutherococcus senticosus, Eleuterococo (Raiz); Gentiana lutea, Genciana (Raiz); Triticum aestivumTrigo (Gérmen); Conservante: Sorbato de Potássio, Benzoato de Sódio.

✔ O fósforo e o magnésio contribuem para o normal metabolismo produtor de energia.
✔ O fósforo contribui para o normal funcionamento das membranas celulares.
✔ O magnésio contribui para a redução do cansaço e da fadiga.
✔ O magnésio contribui para o normal funcionamento do sistema nervoso.
✔ O magnésio contribui para uma normal função psicológica.

Agitar antes de tomar. Não exceder a toma diária recomendada. O seu consumo excessivo pode ter efeitos laxativos. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. É importante um regime alimentar equilibrado e um modo de vida saudável. Devido à inexistência de estudos que confirmem a segurança de utilização em caso de gravidez e aleitamento, este suplemento não deve ser utilizado nestas situações, salvo indicação médica. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade, alergia e quando estejam descritas interações de outro produto com qualquer um dos constituintes da formulação. Preservar ao abrigo da luz, do calor e da humidade. Conservar em local seco na embalagem original e a temperatura inferior a 25ºC. Manter fora do alcance e da visão das crianças. Contém derivados apícolas. O seu consumo excessivo pode ter efeitos laxativos.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorrecções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

O termo fósforo deriva das palavras gregas “phôs” que significa luz e “phoros” que significa portador, pois este elemento peculiar brilha no escuro e não é encontrado livre na natureza, uma vez que é altamente reativo. Bioquimicamente, é a base e sustentação para toda a vida no planeta, encontrando-se maioritariamente nos ossos e dentes, ADN, ATP (principal portador de energia nas células), e fosfolípidos constituintes das membranas celulares.⁠ É um mineral essencial em alguns processos biológicos importantes, como a regulação ácido-base do organismo, a produção de energia para manutenção das funções celulares, a mineralização óssea, a sinalização intercelular através de reações de fosforilação e a ativação hormonal.

Dado seu amplo papel em quase todas as funções celulares e moleculares, as anomalias nos níveis séricos de fosfato podem ser altamente impactantes.⁠ A deficiência neste mineral é rara devido à sua reabsorção renal, sendo constantemente reciclado, no entanto, em pessoas com elevada excreção urinária, problemas renais ou problemas na sua absorção intestinal, a diminuição do fósforo no sangue resulta em desmineralização óssea, com a saída de cálcio do osso, podendo levar a longo prazo a osteomalacia e fraturas ósseas.

Por outro lado, o alto teor de fósforo no sangue, que poderá ocorrer devido a doença renal crónica, também pode causar reações adversas, nomeadamente na saúde óssea, bem como levar ao aumento da probabilidade de incidência de demência. A fisiopatologia dos distúrbios psiquiátricos continua indeterminada, por isso a melhor forma de tratamento requer deteção e intervenção precoces. Neste sentido, as alterações metabólicas das vias energéticas, incluindo na homeostase do fósforo, têm sido amplamente estudadas por estarem sinalizadas como uma das características fisiológicas das doenças mentais.

Bibliografia

1. Ashley K, Cordell D, Mavinic D. A brief history of phosphorus: From the philosopher’s stone to nutrient recovery and reuse. Chemosphere. 2011;84:737-746. doi:10.1016/j.chemosphere.2011.03.001
2. Elser JJ. Phosphorus: A limiting nutrient for humanity? Curr Opin Biotechnol. 2012;23:833-838. doi:10.1016/j.copbio.2012.03.001
3. Takeda E, Yamamoto H, Yamanaka-Okumura H, Taketani Y. Dietary phosphorus in bone health and quality of life. Nutr Rev. 2012;70(6):311-321. doi:10.1111/j.1753-4887.2012.00473.x
4. Castro. SSMFHD. Hypophosphatemia. Natl Cent Biotechnol Information, US Natl Libr Med. Published online 2019.
5. Vorland CJ, Stremke ER, Moorthi RN, Hill Gallant KM. Effects of Excessive Dietary Phosphorus Intake on Bone Health. Curr Osteoporos Rep. Published online 2017. doi:10.1007/s11914-017-0398-4
6. Moe SM. Disorders Involving Calcium, Phosphorus, and Magnesium. Prim Care – Clin Off Pract. Published online 2008. doi:10.1016/j.pop.2008.01.007
7. Li T, Xie Y, Bowe B, Xian H, Al-Aly Z. Serum phosphorus levels and risk of incident Dementia. PLoS One. Published online 2017. doi:10.1371/journal.pone.0171377
8. Zuccoli GS, Saia-Cereda VM, Nascimento JM, Martins-de-Souza D. The energy metabolism dysfunction in psychiatric disorders postmortem brains: Focus on proteomic evidence. Front Neurosci. Published online 2017. doi:10.3389/fnins.2017.00493

A geleia real é um produto de secreção das abelhas com importância a nível da suplementação, pois além de ser funcional, promove muitos benefícios de saúde. A sua utilização em suplementos alimentares e produtos cosméticos tem crescido consistentemente, por ter demonstrado várias ações benéficas como atividade antibacteriana, anti-inflamatória, atividades vasodilatadoras e hipotensoras, ação desinfetante, antioxidante e antitumoral. Esta ação farmacológica, está associada à sua composição rica em proteínas com elevada atividade fisiológica e à presença de ácidos hidroxílicos como o 10-HDA.

As propriedades antimicrobianas da geleia real são da responsabilidade de um dos seus componentes, o própolis, destacando-se a sua ação sobre Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes e Candida, além de muitos outros microorganismos. A sua ingestão oral mostrou-se também capaz de aumentar os níveis de grupos sulfidrila (GSH), assim como aumentar a atividade da enzima glutationa peroxidase (GSH-Px). Ambas as substâncias atuam na expressão da COX-2, diminuindo a sua ação, o que lhe confere o efeito anti-inflamatório.

Bibliografia

1. Fausto PF, Martins DDS, Oliveira CS, Saraiva KMN, Cruz LT, Sousa MNA de. Propriedades terapêuticas da geleia real. J Med Heal Promot. 2019;4(3):1160-1169. http://www.elsevier.com/locate/scp
2. Pinto Ms, Faria Je De, Message D, Cassini Sta, Pereira Cs, Gioso Mm. Efeito de extratos de própolis verde sobre bactérias patogênicas isoladas do leite de vacas com mastite. Brazilian J Vet Res Anim Sci. 2001;38(6):278-283. doi:10.1590/s1413-95962001000600006
3. Cho JY, Chi SG, Chun HS. Oral administration of docosahexaenoic acid attenuates colitis induced by dextran sulfate sodium in mice. Mol Nutr Food Res. 2011;55(2):239-246. doi:10.1002/mnfr.201000070

O Magnésio é o segundo eletrólito mais prevalente, ao nível intracelular, no corpo humano, sendo que uma pessoa saudável (de aproximadamente 70 kg), apresenta cerca de 24g de Magnésio, distribuído pelos ossos, mús­culos, tecidos moles e fluídos corporais.

Este, tal como outros minerais, não é produzido pelo organismo, por isso deve ser fornecido através de alimentos ou suplementos alimentares. Também é utilizado em alguns medicamentos, nomeadamente antiácidos e laxantes. Ainda assim, a alimentação global atual, rica em alimentos processados, e a utilização de fertilizantes não favorece a ingestão deste mineral. Por este motivo, a sua deficiência é comum em países desenvolvidos, causando o aumento da pressão sanguínea, a redução da tolerância à glicose e excitação neural.

Quando suplementado, para atenuar esta deficiência, atua como sedativo, reduzindo a pressão sanguínea e melhorando a sensibilidade à insulina.

A deficiên­cia de Magnésio (hipomagnesémia), é comum em pacientes hospitalizados1, mas também pode ocorrer em pessoas com doenças gastrointestinais, diabetes mellitus tipo 2, alcoolismo crónico, em idosos ou pacien­tes medicados com diuréticos a longo prazo.

O défice neste mineral poderá resultar em diversos processos inflamatórios como hipertensão, diabetes mellitus tipo 2 e síndrome metabólica, para além do aparecimento de sintomas como cãibras musculares, irritabilidade e vasoespasmos.

Como interfere na regulação de outros minerais, a carência severa de Magnésio poderá levar, ainda, à ocorrência de níveis baixos de cálcio e potássio, por alteração da homestasia mineral.

A ingestão adequada de Magnésio é fundamental para manter a homeostasia do nosso organismo e um estado de saúde ótimo. Este mineral é cofator em aproximadamente 300 reações enzimáticas que regulam diversas reações bioquímicas e, portanto, é essencial para muitas funções fisiológicas do nosso organismo, como regulação da função muscular, pois é responsável pelo transporte ativo de cálcio e potássio, processo importante na contração muscular; regulação da função nervosa, controlo da gli­cémia, da pressão arterial, ritmo cardíaco e do tónus vascular; assegura o desenvolvimento estrutural ósseo, regula a produção de energia e a síntese de proteínas.

Para além de ter vários benefícios para a saúde ao nível físico, este mineral também desempenha um papel importante nas funções do sistema nervoso central e poderá atuar como neuroprotetor, por modular a regulação da permeabilidade da barreira hematoencefálica.

Estudos têm demonstrado uma relação entre uma variedade de sintomas psiquiátricos e neuromusculares como depressão, manifestações de reações de stress (ansiedade, disfunção autonómica e dificuldade de adaptação) com a deficiência de Magnésio. Tanto o stress físico como mental causam aumento da eliminação de Magnésio e sua insuficiência, por sua vez, aumenta a res­posta ao stress, agravando as sequelas. Assim sendo, o Magnésio apresenta-se como mineral essencial para a manutenção de uma boa saúde psicológica.

Como a sua absorção intestinal varia de acordo com a quantidade de Magnésio necessária para o corpo, isto é, o corpo absorverá apenas o necessário, não foram demonstrados até ao momento efeitos secundários da sua suplementação.

Em súmula, a ingestão e o aporte adequado de Magnésio contribui para a manutenção de ossos e dentes normais, para a síntese normal das proteínas, energia e o normal funcionamento muscular e neuronal. Este mineral contribui ainda para o equilíbrio dos eletrólitos, para o processo de divisão celular e para a redução do cansaço e da fadiga. Demonstrando-se essencial para otimizar o desempenho cognitivo e físico.

Bibliografia

1. Jahnen-Dechent W, Ketteler M. Magnesium basics. CKJ Clin Kidney J. 2012;5(1):i3-i14. doi:10.1093/ndtplus/sfr163
2. K. Patel. Magnesium. https://examine.com/supplements/magnesium/. Published 2019. Accessed February 24, 2020.
3. Barbagallo M, Dominguez L. Magnesium and Aging. Curr Pharm Des. 2010;16:832-839. doi:10.2174/138161210790883679
4. Gröber U. Magnesium and Drugs. Int J Mol Sci. 2019;20(2094):1-14. doi:10.3390/ijms20092094
5. Watson RR, Preedy VR, Zibadi S. Magnesium in Human Health and Disease.; 2013. doi:10.1007/978-1-62703-044-1
6. Outhoff K. Magnesium: effects on physical and mental performance. South African Pharm Assist. 2018;60(4):32-34.
7. Gröber U, Schmidt J, Kisters K. Magnesium in prevention and therapy. Nutrients. 2015:8199-8226. doi:10.3390/nu7095388
8. National Institutes of Health NIH. Magnesium – Health Professional Fact She. Fact Sheet Heal Prof. 2018.
9. Serefko A, Szopa A, Wlaź P, et al. Magnesium in depression. Pharmacol Reports. 2013;65:547-554. doi:10.1016/S1734-1140(13)71032-6
10. Tarasov EA, Blinov D V., Zimovina U V., Sandakova EA. Magnesium deficiency and stress: Issues of their relationship, diagnostic tests, and approaches to therapy. Ter Arkh. 2015;9:114-122. doi:10.17116/terarkh2015879114-122
11. Wang J, Um P, Dickerman BA, Liu J. Zinc, magnesium, selenium and depression: A review of the evidence, potential mechanisms and implications. Nutrients. 2018;10(584):1-19. doi:10.3390/nu10050584
12. Saris NEL, Mervaala E, Karppanen H, Khawaja JA, Lewenstam A. Magnesium: An update on physiological, clinical and analytical aspects. Clin Chim Acta. 2000;294:1-26. doi:10.1016/S0009-8981(99)00258-2

O uso do guaraná remonta há já vários séculos, documentado pela primeira vez durante uma expedição Jesuíta à Amazónia, onde era utilizado no tratamento da dor de cabeça, febre e cãibras. Desde então, este extrato tem sido muito utilizado no mercado de suplementos dietéticos pela sua ação estimulante, energizante e na perda de peso. O guaraná, cujo nome científico é Paullinia cupana, contém diversos constituintes com propriedades bioativas: as metilxantinas (cafeína, teobromina, teofilina) e os taninos (catequinas e epicatequinas, procianidinas), entre outros.⁠ As suas propriedades estimulantes estão relacionadas com o seu teor em xantinas, como a cafeína, que atuam sobre o sistema nervoso central e que lhe conferem ação anti-fadiga, tónica e energizante por aumento de glicose circulante. Esta ação proporciona uma melhoria do estado de alerta, ou seja, reduz o tempo de reação otimiza do processamento da informação. Para além dos compostos estimulantes, os taninos presentes parecem estar relacionados com a proteção dos efeitos amnésicos da escopolamina, protegendo a memória e melhorando a performance cognitiva.⁠

O uso de guaraná está também fortemente associado à perda de peso, devido ao seu efeito estimulante, às suas propriedades diuréticas e de inibição do apetite. No caso deste último, a redução da secreção de ácido gástrico e consequente aumento do tempo da taxa de esvaziamento gástrico, traduz-se numa maior saciedade e controlo sobre a ingestão alimentar. A sua atividade diurética relaciona-se com o seu teor em teobromina e teofilina, metabolitos com efeito reconhecido. Estas propriedades, a par do aumento da taxa metabólica em repouso (metabolismo basal) e do gasto energético induzidas pelas xantinas, auxiliam na manutenção da perda de peso a longo prazo.

A nível da pele, a evidência sugere que a matriz rica em catequinas e alcalóides modula diferentes estados inflamatórios e processos de envelhecimento, exibindo ainda efeitos diuréticos, detergentes, adstringentes e antioxidantes. O Guaraná, devido ao efeito redutor da celulite das metilxantinas, promove a lipólise, reduzindo desta forma o tamanho e volume de adipócitos, o que se traduz numa diminuição da tensão no tecido conjuntivo circundante e numa melhoria a aparência clínica de pregas.

Bibliografia

1. Hamerski L, Somner G V, Tamaio N. Paullinia cupana Kunth (Sapindaceae): a review of its ethnopharmacology, phytochemistry and pharmacology. J Med Plants Res. 2013;7(30):2221-2229.
2. Schimpl FC, Da Silva JF, Gonçalves JFDC, Mazzafera P. Guarana: Revisiting a highly caffeinated plant from the Amazon. J Ethnopharmacol. 2013;150(1):14-31. doi:10.1016/j.jep.2013.08.023
3. Schimpl FC, Kiyota E, Mayer JLS, Gonçalves JFDC, Da Silva JF, Mazzafera P. Molecular and biochemical characterization of caffeine synthase and purine alkaloid concentration in guarana fruit. Phytochemistry. 2014;105:25-36. doi:10.1016/j.phytochem.2014.04.018
4. Marques LLM, Ferreira EDF, Paula MN de, Klein T, Mello JCP de. Paullinia cupana: a multipurpose plant – a review. Brazilian J Pharmacogn. 2019;29:77-110. doi:10.1016/j.bjp.2018.08.007
5. Maldaner DR, Pellenz NL, Barbisan F, et al. Interaction between low-level laser therapy and Guarana (Paullinia cupana) extract induces antioxidant, anti-inflammatory, and anti-apoptotic effects and promotes proliferation in dermal fibroblasts. J Cosmet Dermatol. 2020;19(3):629-637. doi:10.1111/jocd.13055
6. Gabarra Almeida Leite M, Maia Campos PMBG. Correlations between sebaceous glands activity and porphyrins in the oily skin and hair and immediate effects of dermocosmetic formulations. J Cosmet Dermatol. Published online 2020:1-7. doi:10.1111/jocd.13370
7. Funasaki M, Barroso H dos S, Fernandes VLA, Menezes IS. Amazon Rainforest Cosmetics: Chemical Approach For Quality Control. Quim Nova. Published online 2016. doi:10.5935/0100-4042.20160008

A segurelha (ou satureja) é muito utilizada no tratamento de problemas gastrointestinais, mas também é famosa como tempero, especialmente na culinária francesa e da região mediterrânea.

Também, possui propriedades afrodisíacas (que afloram a libido) e medicinais, que podem ajudar no tratamento de aftas, feridas, picadas de insetos, problemas intestinais, diarreia e dor de garganta.

A planta aromática possui em sua composição propriedades de ação digestiva, expectorante, bem como antisséptica. Ainda, é uma planta afrodisíaca, ou seja, que estimula a libido.

Se aplicada sobre a pele, a segurelha pode ajudar na cicatrização, acelerando o processo. Além disso, ajuda a evitar infecções e inflamações cutâneas.

Ela pode proteger a saúde bucal, pois promove efeito antisséptico. Ou seja, ajuda a evitar o acúmulo de agentes bactericidas que poderiam causar malefícios para a saúde da boca, bem como dos dentes.

Em resumo, seu poder de antissepsia deve-se ao alto teor de carvacrol que contém em sua composição. Basicamente, o carvacrol inibe o crescimento de bactérias.

Bibliografia:

1. Mihajilov-Krstev T., Radnović D., Kitić D., Zlatković B., Ristić M., Branković S. Chemical composition and antimicrobial activity of Satureja hortensis L. essential oil. Open Life Sci. 2009;4:411–416.
2. Estaji A., Roosta H.R., Rezaei S.A., Hosseini S.S., Niknam F. Morphological, physiological and phytochemical response of different Satureja hortensis L. accessions to salinity in a greenhouse experiment. J. Appl. Res. Med. Aromat. Plants. 2018;10:25–33.
3. Fathi A., Sahari M., Barzegar M., Naghdi Badi H. Antioxidant activity of Satureja hortensis L. essential oil and its application in safflower oil. J. Med. Plants. 2013;1:51–67.
4. Saharkhiz M.J., Zomorodian K., Rezaei M.R., Saadat F., Rahimi M.J. Influence of growth phase on the essential oil composition and antimicrobial activities of Satureja hortensis. Nat. Prod. Commun. 2011;6:1173–1178.
5. Hajhashemi V., Zolfaghari B., Yousefi A. Antinociceptive and anti-inflammatory activities of Satureja hortensis seed essential oil, hydroalcoholic and polyphenolic extracts in animal models. Med. Princ. Pract. 2012;21:178–182.

Da família das Labiadas, esta espécie de tomilho selvagem é originária de toda a Europa, inclusivamente da Grã-Bretanha, Suécia, Hungria e Roménia.

Trata-se de uma erva aromática sempre verdejante, normalmente rasteira, embora possa crescer até uma altura de 30 cm. É resistente ao frio e floresce na primavera. É importante como planta atraente de insectos polinizadores. É também muito utilizada em jardins rochosos como planta ornamental.

Do ponto de vista medicinal, esta erva possui propriedades antisépticas, sendo benéfica para o sistema digestivo, inclusivamente no combate a afecções da boca. É muito utilizada no tratamento de doenças respiratórias, como a bronquite, devido ao seu efeito expectorante.

A evidência demonstra que possui efeitos positivos no alívio de dores menstruais, cólicas, dores reumáticas e no tratamento do alcoolismo.

Bibliografia:

1. Jarić S, Mitrović M, Pavlović P. Review of ethnobotanical, phytochemical, and pharmacological study of Thymus serpyllum L. Evid Based Complement Alternat Med. 2015;2015:101978.
2. Aziz S. Studies on the chemical constituents of Thymus serpyllum. Turk J Chem. 2008;32:605–14.
3. Mihailovic-Stanojevic N, Belščak-Cvitanović A, Grujić-Milanović J, Ivanov M, Jovović Dj, Bugarski D, et al. Antioxidant and antihypertensive activity of extract from Thymus serpyllum L. In experimental hypertension. Plant Foods Hum Nutr. 2013;68:235–40.
4. Farrukh R, Zargar MA, Akhtar A, Tasduq SA, Surjeet S, Nissar UA, et al. Antibacterial and antifungal activity of Thymus serpyllum. Bot Res Int. 2012;5:36–9.
5. Rasooli I, Mirmostafa SA. Antibacterial properties of Thymus pubescens and Thymus serpyllum essential oils. Fitoterapia. 2002;73:244–50.

A Cola é nativa da floresta tropical de África, onde existem mais de 140 espécies desta planta, sendo a Cola nitida e a Cola acuminata, as duas espécies comercialmente mais importantes. 

As suas nozes têm uma história social e cultural entre as populações indígenas africanas. Sendo mastigada devido às suas propriedades estimulantes do sistema nervoso central e inibidoras do apetite, com potencial benefício na redução de peso corporal. Outras utilizações desta noz devem-se às suas propriedades afrodisíacas, ansiolíticas, no alívio da debilidade nervosa e da depressão e como estimulante cardíaco.

A nozes de Cola também são vastamente usadas no fabrico de vinho, chocolates e como agentes aromatizantes de bebidas. Desde o século XIX, esta planta tem sido vastamente usada nos Estados Unidos, em refrigerantes com sabor a Cola, nomeadamente a Coca-Cola e a Pepsi, consumidas mundialmente.

O extrato de noz de Cola, contém níveis elevados de cafeína, teobromina e compostos fenólicos (flavonoides, antocianinas e taninos). Para além de ser rico em aminoácidos como o glutamato e o aspartato, particularmente importantes na neurotransmissão e no tratamento de depressão e fadiga, respetivamente. Preparações com esta planta têm sido usadas em situações de fadiga física e mental, principalmente pelo seu conteúdo em cafeína, para além disto, a cafeína apresenta grande poder antioxidante. Como tal, geralmente acredita-se que a cafeína é o principal, mas não único, ativo responsável pelas ações benéficas da Cola.

Atualmente existe um interesse crescente nas nozes de Cola, como fonte de compostos ativos devido ao seu conteúdo elevado em fitonutrientes, como os carotenoides e os compostos fenólicos, ativos promotores de saúde que atuam contra doença cardiovascular e cancro. Os compostos fenólicos têm demonstrado atividades antioxidantes potentes, atuando ainda, como analgésicos, anti-diabéticos, anti-carcinogénicos, anti-inflamatórios, antimicrobianos, anti-obesidade, hipotensores, cardio e neuroprotetores. 

Em suma, atualmente a Cola é usada principalmente na produção de refrigerantes, mas também como composto ativo em suplementos alimentares, devido às suas importantes funções benéficas no organismo. Devido ao seu elevado conteúdo em cafeína, as nozes de Cola têm ação antioxidante e poder estimulante do sistema nervoso central, por isso são usadas no tratamento de fadiga física e mental e depressão. Também são inibidoras do apetite, portanto, poderão representar uma vantagem em programas de perda de peso, através da supressão da fome.

Bibliografia

1. Nyadanu D, Lowor ST, Akpertey A, et al. Genetic variability of bioactive compounds and selection for nutraceutical quality in kola [Cola nitida (Vent) Schott. And Endl.]. PLoS One. 2020. doi:10.1371/journal.pone.0242972
2. Burdock GA, Carabin IG, Crincoli CM. Safety assessment of kola nut extract as a food ingredient. Food Chem Toxicol. 2009. doi:10.1016/j.fct.2009.04.019
3. Umoren EB, Osim EE, Udoh PB. The comparative effects of chronic consumption of kola nut (Cola nitida) and caffeine diets on locomotor behaviour and body weights in mice. Niger J Physiol Sci. 2009. doi:10.4314/njps.v24i1.46387
4. Atawodi SEO, Pfundstein B, Haubner R, Spiegelhalder B, Bartsch H, Owen RW. Content of polyphenols compounds in the Nigerian stimulants Cola nitida ssp. alba, Cola nitida ssp. rubra A. Chev, and Cola acuminata Schott & Endl and their antioxidant capacity. J Agric Food Chem. 2007. doi:10.1021/jf0721038

Eleutherococcus senticosus comummente conhecido como Ginseng Siberiano é uma raiz com capacidade adaptogénica, usada extensivamente na medicina tradicional em sintomas de astenia, como fadiga e fraqueza, e na melhoria do desempenho físico e mental.

É um arbusto espinhoso indígena no sudeste da Rússia, norte da China, Coreia e Japão, utilizado por indivíduos saudáveis para aumentar os níveis de energia e capacidade de lidar com o stress físico e mental do dia-a­-dia e também para reduzir a fadiga e debilidade durante a convalescença, como tónico.

Pesquisas preliminares, in vitro e em animais, sugerem que a sua suplementação pode fornecer uma variedade de efeitos protetores da cognição, o que significa que pode proteger o cérebro de danos.

A sua raiz é, então, indicada como moduladora das respostas de stress, intensificadora da capacidade de trabalho e de energia, nomeadamente durante exercício físico intenso, preventiva de infeções respiratórias (imunomoduladora e antiviral), ergogénica, anticoagulante e no anti-envelhecimento.

Enquanto adaptogénico utilizado para aumentar a vitali­dade e energia, o Ginseng Siberiano pode atuar de diferentes formas durante o stress, dependendo do estágio em que se encontra. Os seus constituintes, os eleuterósi­dos, também demonstraram melhorar o metabolismo dos hidratos de carbono, além de aumentarem a síntese de proteínas e ácidos nucleicos, fatores que em teoria poderão auxiliar na prevenção do estágio de exaustão da resposta ao stress.

O Ginseng Siberiano poderá ainda exercer atividade neuroprotetora, hepatoprotetora e cardioprotetora, configurando-se como um bom exemplo de características holísticas de uma planta – um adaptogénico que também contribui para a proteção dos órgãos vitais.

Bibliografia

1. Mahady GB, Gyllenhaal C, Fong HHS FN. Ginsengs: A Review of Safety and Efficacy. Nutr Clin Care. 2000.
2. Panossian AG. Adaptogens in Mental and Behavioral Disorders. Psychiatr Clin North Am. 2013. doi:10.1016/j.psc.2012.12.005
3. Oates L. Siberian ginseng eleutherococcus senticosus. J Complement Med. 2008.
4. Bleakney T. Deconstructing an adaptogen: Eleutherococcus senticosus. Holist Nurs Pr. 2008.
5. Edwards SE, Rocha I da C, Williamson EM, Heinrich M. Ginseng, Siberian. In: Phytopharmacy. ; 2015. doi:10.1002/9781118543436.ch48
6. Provino R. The role of adaptogens in stress management. Aust J Med Herbal. 2010.

As raízes da Gentiana lutea, uma planta com flor amarela nativa das regiões montanhosas da Europa central e do sul, são muito utilizadas para situações de estômago e como um componente em preparações indicadas para patologias do fígado e da vesícula biliar.

Esta planta mostra-se bastante eficaz no aumento do apetite, uma vez que existem dois mecanismos farmacologicamente ativos em que os constituintes amargos impactam a digestão (ao atuarem em recetores ao longo do trato digestivo, estimulam a ação do estômago e das glândulas salivares). Os glicosídeos esteróides gentiopicrosido e amarogentina são os constituintes amargos mais importantes da genciana, tendo diferentes atividades farmacológicas. A amarogentina e a amarosverina têm um efeito gastroprotetor, enquanto que a gentiopicrina e a isogenticina xantona têm um efeito antimicrobiano demonstrado.

As suas atividades hepatoprotetoras estão relacionadas com os constituintes severosido, severtiamarina e gentiopicrina, presentes na raiz. Estudos demonstraram que estas substâncias diminuem os níveis serológicos das enzimas hepáticas AST e ALT e os níveis hepáticos de triglicéridos. Devido à sua composição em flavonóides, a genciana apresenta também atividade anti-inflamatória, anti-tumural e antioxidante.

Além disso, é também composta por gentiamina, um alcalóide monoterpeno, com atividade antidiabética comprovada, ao regular a expressão do gene PPAR-ɤ,GLUT-4 e da adiponectina. Além disso, possui ação anti-inflamatória, anti-pirética, sedativa e diurética.

Bibliografia

1. Šavikin K, Menković N, Zdunić G, Stević T, Radanović D, Jankovic T. Antimicrobial activity of Gentiana lutea L. extracts. Zeitschrift fur Naturforsch – Sect C J Biosci. 2009;64(5-6):341-342. doi:10.1515/znc-2009-5-606
2. Mirzaee F, Hosseini A, Jouybari HB, Davoodi A, Azadbakht M. Medicinal, biological and phytochemical properties of Gentiana species. J Tradit Complement Med. 2017;7(4):400-408. doi:10.1016/j.jtcme.2016.12.013

Contendo ácidos gordos oleicos e linoleicos, ómega 3, o trigo é benéfico ao organismo porque diminui o colestrol, ajuda no tratamento de artrites e inflamações generalizadas. É rico em vitamina A, B e E, ajuda no combate aos radicais livres e previne o envelhecimento da pele. Muito utilizado em massagens desportivas e dores musculares.

Bibliografia:
1. Adom, K. K. , Sorrells M. E., and Liu R. H.. 2003. Phytochemical profiles and antioxidant activity of wheat varieties. J. Agric. Food Chem. 51:7825–7834.
2. Antoine, C. , Peyron S., Mabille F., Lapierre C., Bouchet B., Abecassis J., et al. 2003. Individual contribution of grain outer layers and their cell wall structure to the mechanical properties of wheat bran. J. Agric. Food Chem. 51:2026–2033.
3. Beta, T. , Nam S., Dexter J. E., and Sapirstein H. D.. 2005. Phenolic content and antioxidant activity of pearled wheat and roller‐milled fractions. Cereal Chem. 82:390–393.

3 avaliações de Cerebrovital

  1. Laura D. (proprietário verificado)

  2. Cidalia Dias (proprietário verificado)

  3. Cidalia Dias (proprietário verificado)

Adicionar uma avaliação
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Cerebrovital
45,00 
Scroll to Top