Dark Chocolate Mousse 500 Ml

Exclusivo Profissionais de Estética

Uma mousse suave para compressas de chocolate doce e envolvimentos quentes. Durante a aplicação, o seu intenso aroma de chocolate estimula a produção de endorfinas – os hormônios do bem-estar – para amplificar o efeito de emagrecimento e tonificação da cafeína e teobromina e os efeitos antioxidantes e vasoprotetores dos polifenóis e flavonóides. Após a conclusão do tratamento, uma profunda sensação de bem-estar e relaxamento total é acompanhada por um resultado estético evidente: pele firme, hidratada e flexível.

Quantidade: 500 ml

Informações Complementares

A mousse deve ser aquecida a 39 ou 40 graus. Neste ponto, é aplicado no corpo do cliente diretamente da tigela, derramando o líquido quente através efeito de ritual. Depois de distribuí-lo cuidadosamente, enrole o cliente num lençol de envolvimentos e aplique uma termossauna. Remova o excesso de produto e complete a limpeza com um banho rápido.

Aqua, Ethylhexyl palmitate, Glyceryl stearate, Theobroma cacao, Cetyl alcohol, Ceteareth-25, Clycerin, Ceteareth-3, Bentonite, Aluminum silicate, Dimethicone, Citrus amara, Piper nigrum, Hydroxyethylcellulose, Potassium, sorbate, Sodium benzoate, Citral, Limonene, Linalool, Benzyl benzoate, Coumarin, Parfum.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorrecções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de cosméticos e suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer directamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

O cacau é um dos melhores antioxidantes naturais existentes. Isso quer dizer que ele é eficiente no combate aos radicais livres, substâncias tóxicas às células e que prejudicam a saúde da pele.

Esse é um ativo rico em vitaminas como A, B1 e E, e minerais importantes como Ferro, Magnésio e Zinco, por isso contribui tanto para a nutrição dos tecidos cutâneos e consequentemente para a saúde e a vitalidade da pele e cabelos.

Por fim, é também um ativo anti-inflamatório, motivo pelo qual auxilia também no tratamento do couro cabeludo. No rosto, age ainda como hidratante e relaxante, podendo trazer benefícios reais para a pele do corpo todo, que ganha maciez e suavidade.

Esse conjunto de benefícios faz do Cacau um ativo de sucesso quando o assunto é uma pele rejuvenescida, prevenida contra o envelhecimento e com aspecto mais jovem.

Bibliografia:

1. Nieto K.H., Mendoza N.V., Campos-Vega R. Cocoa by-products. In: Campos-Vega R., Oomah D., Vergara-Castañeda H.A., editors. Food Wastes and by-Products: Nutraceutical and Health Potential. John Wiley & Sons Ltd.; Pondicherry, India: 2020. pp. 373–411.
2. Abdul Karim A., Azlan A., Hashim P., Abd Gani S.S., Zainudin B.H., Abdullah N.A. Efficacy of cocoa pod extract as antiwrinkle gel on human skin surface. J. Cosmet. Derm. 2016;15:283–295. doi: 10.1111/jocd.12218.

A Pimenta Preta (Piper nigrum L.) pertencente à família Piperaceae, é considerada como o “rei das especiarias” devido à sua enorme quota comercial no mercado global.

Além dos seus usos culinários, a utilização de P. nigrum é bem reconhecido na medicina popular em vários países, podendo ser considerada como potencial agente nutracêutico e farmacêutico.

O perfil biológico desta planta e os seus potenciais benefícios na saúde têm sido amplamente estudado pela comunidade científica.

A piperina é um alcaloide pungente presente nas sementes da Pimenta Preta, sendo considerado o seu principal princípio ativo e conferindo-lhe o seu sabor picante, além de lhe conferir alguns dos seus efeitos fisiológicos.

A literatura atual revela um vasto espetro de atividades biológicas da piperina, uma vez que estimula as enzimas digestivas do pâncreas, ajuda a inibir as reações de oxidação causados por radicais livres e aumenta a biodisponibilidade de uma série de drogas terapêuticas. Além disso, a piperina demonstrou ter atividades anti-inflamatórias em várias doenças inflamatórias, tais como a doença inflamatória intestinal, artrite, diabetes tipo 1 e cancro.

A piperina é capaz de modificar o metabolismo de suplementos e drogas, e também inibe as enzimas desintoxicantes de drogas. Isto aumenta tipicamente a biodisponibilidade de qualquer composto que normalmente seria destruído por estas enzimas. Isto pode ser benéfico para favorecer os efeitos positivos de alguns compostos como a curcumina ou o resveratrol.

A piperina tem muitos benefícios potenciais na prática clínica, sendo que vários estudos foram relatados na literatura sobre os efeitos da piperina em doenças crónicas, especialmente em animais. Estudos in vitro mostraram efeitos protetores da piperina contra danos oxidativos através da inibição dos radicais livres e redução da peroxidação lipídica, além de influenciar vantajosamente moléculas e enzimas antioxidantes em situações de stress oxidativo.

A Pimenta Preta e piperina também afetam o sistema gastrointestinal, apresentando efeito sobre a motilidade intestinal, propriedade antidiarreica, além de melhorar a capacidade de absorção de nutrientes.

Embora inicialmente existissem algumas controvérsias sobre a segurança de utilização da Pimenta Preta, estudos recentes estabeleceram a sua segurança em aditivos alimentares.

Em suma, a P. nigrum e os seus compostos bioativos parecem possuir importantes propriedades farmacológicas, incluindo antimicrobiana, antioxidante, anticancerígena, analgésica, anticonvulsiva, neuroprotetora, hipoglicemiante, hipolipidémica e anti-inflamatória.

Bibliografia

1. Takooree, H., Aumeeruddy, M. Z., Rengasamy, K. R. R., Venugopala, K. N., Jeewon, R., Zengin, G., & Mahoomodally, M. F. (2019). A systematic review on black pepper (Piper nigrum L.): from folk uses to pharmacological applications. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 1–34. doi:10.1080/10408398.2019.1565489
2. Srinivasan, K. (2007). Black Pepper and its Pungent Principle-Piperine: A Review of Diverse Physiological Effects. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 47(8), 735–748. doi:10.1080/10408390601062054
3. Derosa, G., Maffioli, P., & Sahebkar, A. (2016). Piperine and Its Role in Chronic Diseases. Anti-Inflammatory Nutraceuticals and Chronic Diseases, 173–184. doi:10.1007/978-3-319-41334-1_8

A laranja-amarga é uma planta medicinal, da espécie Citrus aurantium, muito utilizada como um suplemento dietético para auxiliar no tratamento da obesidade, pois é rica em p-sinefrina, que ajuda a diminuir o apetite e aumentar o metabolismo.

Tem uma forte ação antioxidante que ajuda no reparo da pele danificada, rugas e cicatrizes. Essa ação faz com que, apesar de que o processo natural de envelhecimento ocorra para que a sua pele obter um ar mais jovem uma vez que também ajuda a equilibrar a produção de sebo e atua como um suave e eficaz antisséptico.

Bibliografia

1. McKay DL, Blumberg JB. “The role of tea in human health: an update.” J Am Coll Nutr. 2002;21(1):1-13.
2. Higdon JV, Frei B. “Tea catechins and polyphenols: health effects, metabolism, and antioxidant functions.” Crit Rev Food Sci Nutr. 2003;43(1):89-143.
3. Elmets CA, Singh D, Tubesing K, et al. “Cutaneous photoprotection from ultraviolet injury by green tea polyphenols.” J Am Acad Dermatol. 2001;44(3):425-32.
4. Chung JH, Han JH, Hwang EJ, et al. “Dual mechanisms of green tea extract (EGCG)-induced cell survival in human epidermal keratinocytes.” FASEB J. 2003;17(13):1913-5.
5. Fujimura Y, Ueda C, Yuan Y, et al. “Comparison of short-term repeated application and long-term dietary supplementation of sunscreen agent, Polypodium leucotomos extract, and green tea extract on the minimal erythema dose.” J Dermatol Sci. 2012;66(1):54-60.
6. Hsu S. “Green tea and the skin.” J Am Acad Dermatol. 2005;52(6):1049-59.

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Dark Chocolate Mousse 500 Ml”
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Scroll to Top