Defatigante de Pernas

(3 avaliações de clientes)

38,00 

Um creme leve e fresco capaz de reduzir a sensação de cansaço e peso das pernas. Um produto precioso e calmante já que proporciona uma imediata sensação de alívio. Possui uma ação anti-inflamatória e anti-edema, apresentando-se como um estimulante circulatório ideal para varizes, derrames, fragilidade capilar, flebites.

Apresentação: frasco airless de 150 ml

REF: 201116.SP Categorias: ,

Informações Complementares

Aplicar todos os dias e em dias de calor aplicar duas vezes, sobre as pernas com massagem no sentido linfático, do pé para o joelho e do joelho para a virilha.

Aqua, Caprylic/Capric Triglyceride, Mentha Arvensis Leaf Oil, Glycerin, Sodium Polyacrylate, Rosmarinus Officinalis Oil, Hamamelis Virginiana, Leaf Water, Thymus Vulgaris Oil, Lavandula Angustifolia Herb Oil, Ruscus Aculeatus Root Extract, Citrus Limon Peel Oil, Escin, Menthol, Propylene, Phenoxyethanol, Limonene, Linalool, Ethylhexylglycerin, Glycol, Citronellol.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorreções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de cosméticos e suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

O alecrim é uma erva aromática que pode melhorar o funcionamento do sistema nervoso, proteger o fígado, atuar como antioxidante, aliviar a dor, melhorar a circulação sanguínea, favorecer a digestão dos alimentos e proteger o fígado.

Esse efeitos do alecrim na saúde acontecem porque essa planta possui propriedades tônicas, antioxidantes, estimulantes, antissépticas, diuréticas, cicatrizantes e antimicrobianas.

O alecrim ajuda a melhorar o funcionamento do sistema nervoso, já que estimula a circulação e o sistema nervoso, sendo útil em casos de esgotamento mental devido ao excesso de trabalho, por exemplo, uma vez que é capaz de melhorar a memória, a concentração e o raciocínio, e ajuda a prevenir e tratar problemas como depressão e ansiedade.

O alecrim possui propriedades anti-inflamatórias e analgésicas, além de melhorar a circulação sanguínea de forma geral, podendo ser usada para complementar o tratamento de varizes, dor de cabeça, enxaqueca, artrite e gota.

Além disso, o alecrim ajuda a melhorar os sintomas da TPM, como cólicas abdominais, a regular a menstruação e a reduzir o sangramento excessivo durante a menstruação.

O alecrim possui propriedade descongestionante e febrífuga, de forma que pode ajudar no tratamento da gripe e do resfriado, diminuindo a febre, diluindo o muco e aliviando a dor de garganta.

Bibliografia:

1. Nieto, Gema et al.. Antioxidant and Antimicrobial Properties of Rosemary (Rosmarinus officinalis, L.): A Review. MDPI – Medicines. Vol.5, n.98. 2018.
2. UROPEAN MEDICINES AGENCY. Assessment report on Rosmarinus officinalis L., aetheroleum and Rosmarinus officinalis L., folium. 2010.
3. Andrade, Joana M. et al. Rosmarinus officinalis L.: an update review of its phytochemistry and biological activity. Future Sci OA. Vol.4(4). FSO283, 2018.
4. De Aquino Eronita. Nutrição & Fitoterapia: Tratamento alternativo através das plantas. 2º. Brasil: Vozes, 2011. 34-36.

O Castanheiro-da-Índia (Aesculus hippocastanum), nativo desse país asiático, foi introduzido na Europa como planta medicinal. O extrato da sua semente é muito utilizado no tratamento disenteria, bronquite, hemorroidas e problemas venosos, como insuficiência venosa crónica, edema venoso e veias varicosas. Foi demonstrada a sua capacidade de melhorar a função e o tónus venoso, inibir a vasodilatação (vasoconstritor), modular a inflamação (anti-inflamatório), reduzir a permea­bilidade vascular, aumentar a velocidade do fluxo sanguíneo venoso e atuar como antioxidante, reduzindo, desta forma, os sintomas associados a doença venosa, como a dor, fadiga/ sensação de pernas pesadas, tensão, edema e prurido.

O principal mecanismo fisiológico da insuficiência venosa crónica é a acumulação e subsequente ativação dos leucócitos nos membros afetados. O extrato da semente de Castanheiro-da-índia, contém um composto ativo, uma mistura de saponinas triperpénicas, que tem demonstrado ser inibitória de atividade enzimática, prevenindo, desta forma, a ativação dos leucócitos. Portanto, parece que a sua eficácia se deve, em grande parte, a um efeito inibitório na quebra catalítica de proteoglicanos da parede capilar, que possivelmente ocorre através de uma ação protetora sobre a membrana lisossomal (local de liberação de enzimas).

Apesar do seu mecanismo de ação ainda não ser totalmente conhecido, parece que o extrato da semente de Castanheiro-da-índia poderá ser um coadjuvante no tratamento desta patologia. 

Para além do seu composto ativo contém, ainda, flavonoides, esteróis, óleos essenciais e amido.

As preparações com este extrato demonstraram ser seguras e bem toleradas e os seus efeitos positivos foram comprovados, tanto após ingestão, como após aplicação tópica na zona afetada.

A sua combinação com a Centelha Asiática poderá atuar sinergicamente na prevenção ou cicatrização de úlceras venosas.

Bibliografia

1. Abascal K, Yarnell E. Botanicals for chronic venous insufficiency. Altern Complement Ther. 2007. doi:10.1089/act.2007.13609
2. Siebert U, Brach M, Sroczynski G, Überla K. Efficacy, routine effectiveness, and safety of horsechestnut seed extract in the treatment of chronic venous insufficiency. A meta-analysis of randomized controlled trials and large observational studies. Int Angiol. 2002.
3. Pittler MH, Ernst E. Horse-chestnut seed extract for chronic venous insufficiency: A criteria-based systematic review. Arch Dermatol. 1998. doi:10.1016/s0965-2299(99)80137-x
4. Suter A, Bommer S, Rechner J. Treatment of patients with venous insufficiency with fresh plant horse chestnut seed extract: A review of 5 clinical studies. Adv Ther. 2006. doi:10.1007/BF02850359

A hamamélia (Hamamelis virginiana) é um arbusto proveniente da América do Norte, rica em taninos e flavonoides. A presença destas substâncias conferem-lhe importantes propriedades ao nível do tratamento dos distúrbios circulatórios. Os taninos são responsáveis pela ação venotónica, ou seja, ativam o fluxo sanguíneo devido ao aumento da contração dos vasos, veias e capilares. A presença de flavonoides explica os efeitos vasoprotetores sobre a microcirculação, sendo responsáveis pelo aumento da resistência de pequenas veias e capilares e pela diminuição da permeabilidade capilar, da qual resulta o edema e inflamação.⁠

Os extratos e destilados da casca da hamamélia são extensamente utilizados em dermocosmética, no tratamento de eczema atópico, pele irritada e queimadura solar e na promoção da cicatrização via efeito anti-inflamatório. As folhas e casca de hamamélia contêm cerca de 10% de taninos que contribuem para as suas propriedades adstringentes e demonstram efeito em lesões oxidativas induzidas por radicais.

Os polifenóis da planta demonstraram ainda ter elevada atividade antioxidante e efeito inibitório de determinadas enzimas, com potencial benefício no processo de cicatrização de feridas e na proteção da parede das veias e capilares.

Bibliografia

1. Narayana KR, Reddy MS, Chaluvadi MR, Krishna DR. Bioflavonoids classification, pharmacological, biochemical effects and therapeutic potential. Indian J Pharmacol. 2001;33(1):2-16.
2. Deters A, Dauer A, Schnetz E, Fartasch M, Hensel A. High molecular compounds (polysaccharides and proanthocyanidins) from Hamamelis virginiana bark: Influence on human skin keratinocyte proliferation and differentiation and influence on irritated skin. Phytochemistry. 2001;58:949-958. doi:10.1016/S0031-9422(01)00361-2
3. Thring TS, Hili P, Naughton DP. Antioxidant and potential anti-inflammatory activity of extracts and formulations of white tea, rose, and witch hazel on primary human dermal fibroblast cells. J Inflamm. 2011;8:1-7. doi:10.1186/1476-9255-8-27
4. Daz-Gonzlez M, Rocasalbas G, Francesko A, Tourio S, Torres JL, Tzanov T. Inhibition of deleterious chronic wound enzymes with plant polyphenols. In: Biocatalysis and Biotransformation. ; 2012. doi:10.3109/10242422.2012.646676

É uma planta medicinal, da espécie Lavandula angustifolia, muito utilizada para auxiliar no tratamento da ansiedade, depressão, má digestão ou até picadas de inseto, devido às suas propriedades relaxantes, calmantes, antiespasmódicas, analgésicas e antidepressivas.

Esta planta, também conhecida como lavanda ou lavândula, pode ser usada para o preparo do chá ou banhos, mas também seu óleo essencial pode ser utilizado na aromaterapia ou para passar na pele.

A alfazema é rica em óleos voláteis que ajudam a diminuir a ansiedade e a agitação, pois têm ação calmante e sedativa, e por isso, pode ser usada para complementar o tratamento médico.

A alfazema, na forma de óleo essencial, quando usada em aromaterapia pode ajudar a reduzir a pressão arterial. Desta forma, a alfazema pode ser usada para ajudar no tratamento médico da pressão alta.

A alfazema pode ajudar a diminuir a febre lentamente, pois possui a propriedade de reduzir a temperatura corporal.

Além disso, devido suas propriedades calmantes e sedativas, a alfazema pode ajudar a dormir melhor quando se tem febre.

Devido suas propriedades cicatrizantes, anti-inflamatórias e analgésicas, a alfazema ajuda a estimular a cicatrização de aftas, além de reduzir a dor, a inflamação, irritação e o tamanho das aftas.

Devido suas propriedades analgésicas, a alfazema pode ajudar a reduzir a enxaqueca e a dor de cabeça, aliviando sintomas como náuseas, vômitos ou aumento da sensibilidade à luz.

Desta forma, a alfazema pode ser usada para ajudar a aliviar a crise de enxaqueca aguda, mas não deve ser usada como tratamento para prevenir crises, pois nesse caso ela pode desencadear a crise.

A alfazema possui propriedades calmantes e sedativas, que promovem o relaxamento do corpo, além de reduzir a ansiedade.

A alfazema ajuda a melhorar a qualidade e a duração do sono e a combater a insônia, por ter ação calmante que melhoraram o relaxamento do corpo e reduzem a agitação.

A lavanda ajuda a reduzir o estresse, pois possui propriedades calmantes, sedativas e relaxantes.

Devido suas propriedades ansiolíticas e antidepressivas, a alfazema pode ajudar no tratamento da depressão e da ansiedade, pois promove o relaxamento do corpo e acalma, além de melhorar a qualidade do sono.

Bibliografia

1. Kim, I-H.; et al. Essential Oil Inhalation on Blood Pressure and Salivary Cortisol Levels in Prehypertensive and Hypertensive Subjects. Evid Based Complement Alternat Med. 2012. 984203, 2012
2. Sasannejad, P.; et al. Lavender essential oil in the treatment of migraine headache: a placebo-controlled clinical trial. Eur Neurol. 67. 5; 288-91, 2012
3. Kajjari, S.; et al. The Effects of Lavender Essential Oil and its Clinical Implications in Dentistry: A Review. Int J Clin Pediatr Dent. 15. 3; 385–388, 2022
4. Iburg, A. O guia das plantas medicinais: ingredientes, efeitos medicinais e aplicações. 1.ed. Caracter, 2010. 142-143.
5. Lari, Z. N.; et al. Efficacy of inhaled Lavandula angustifolia Mill. Essential oil on sleep quality, quality of life and metabolic control in patients with diabetes mellitus type II and insomnia. J Ethnopharmacol. 251. 112560, 2020
6. Velasco-Rodríguez, R.; et al. The effect of aromatherapy with lavender (Lavandula angustifolia) on serum melatonin levels. Complement Ther Med. 47. 102208, 2019
7. Kim, M.; et al. Effects of Lavender on Anxiety, Depression, and Physiological Parameters: Systematic Review and Meta-Analysis. Asian Nurs Res (Korean Soc Nurs Sci). 15. 5; 279-290, 2021
8. Rai, V. K.; et al. Anti-psoriatic effect of Lavandula angustifolia essential oil and its major components linalool and linalyl acetate. J Ethnopharmacol. 261. 113127, 2020
9. Firoozeei, T. S.; et al. The antidepressant effects of lavender (Lavandula angustifolia Mill.): A systematic review and meta-analysis of randomized controlled clinical trials. Complement Ther Med. 59. 102679, 2021
10. Donelli, D.; et al. Effects of lavender on anxiety: A systematic review and meta-analysis. Phytomedicine. 65. 153099, 2019
11. Ghavami, T.; et al. The effect of lavender on stress in individuals: A systematic review and meta-analysis. Complement Ther Med. 68. 102832, 2022
12. López, V.; et al. Exploring Pharmacological Mechanisms of Lavender (Lavandula angustifolia) Essential Oil on Central Nervous System Targets. Front Pharmacol. 8. 280, 2017

A Menta é uma planta com um amplo espectro de efeitos farmacológicos, particularmente devido ao seu odor. Quando aplicado na pele, apresenta efeito anestésico ou analgésico local e rubefaciente tanto na pele, como nas membranas mucosas, sendo um importante excipiente e ingrediente ativo de preparações de uso externo. É bem conhecido pelo seu efeito ou sensação refrescante quando inalado, mastigado, consumido ou aplicado na pele, devido à sua capacidade de atuar nos recetores termo sensitivos e por aumentar a penetração na pele de outros ativos. O mecanismo exato pelo qual produz analgesia ainda não é bem conhecido, mas parece aumentar a circulação sanguínea cutânea no local de aplicação. Esta vasodilatação resulta no aumento da temperatura da pele, pelo que é possível que parte do seu efeito analgésico seja mediado por terapia de calor superficial.

Bibliografia

1. Zhao Y, Du L Da, Du GH. Menthol. Natural Small Molecule Drugs from Plants. 2018.
2. Kamatou GPP, Vermaak I, Viljoen AM, Lawrence BM. Menthol: a simple monoterpene with remarkable biological properties. Phytochemistry. 2013.
3. Patel T, Ishiuji Y, Yosipovitch G. Menthol: a refreshing look at this ancient compound. Journal of the American Academy of Dermatology. 2007.
4. Macpherson LJ, Hwang SW, Miyamoto T, et al. More than cool: promiscuous relationships of menthol and other sensory compounds. Mol Cell Neurosci. 2006.

De nome científico Ruscus aculeatus, ou Gilbarbeira, é uma planta nativa de África e zona mediterrânica cuja raiz é utilizada na medicina tradicional. Os ingredientes ativos principais são as saponinas esteróides ruscogenina e neo-ruscogenina, sendo que outros constituintes também têm sido isolados, como é o caso de saponinas e sapogeninas esteróides, triterpenos, flavenóides, cumarina e ácido glicólico.

Estudos demonstraram que reduz a permeabilidade vascular e exibe atividade vasoconstritora e anti-elastase, o que explica a sua utilidade na insuficiência venosa crónica. Está listada pelas autoridades na Alemanha, como planta protetora de edema, oferecendo alívio de sintomas como prurido, pernas pesadas e cansadas, sensação de tensão e dor. Demonstra eficácia a nível do aumento do tónus venoso, e tem efeito anti-inflamatório, de impermeabilização da parede capilar e diurético.⁠  A sua aplicação tópica resulta  na diminuição do inchaço, assim como acelera a recuperação de lesões como contusões e entorses e tem um efeito analgésico.⁠ É ainda utilizada como ingrediente ativo na melhoria da microcirculação e vasculite, como agente antimicrobiano e agente fleboterapêutico, pelas suas propriedades vasoconstritoras, venotónicas e antitrombóticas.

Tem também um uso tradicional no alívio de distúrbios urinários (nefrite, cálculos renais), eczema e outros problemas de pele (verrugas, frieiras), artrite, hemorróidas, aterosclerose, colite, diarreia, dor abdominal e como leve laxante.

Bibliografia

1. Review AM, Reserved AR, Reprint N, Written W. Monograph Ruscus aculeatus (Butcher ’ s Broom). Altern Med Rev. Published online 2001.
2. Vanscheidt W, Jost V, Wolna P, et al. Efficacy and safety of a Butcher’s broom preparation (Ruscus aculeatus L. extract) compared to placebo in patients suffering from chronic venous insufficiency. Arzneimittel-Forschung/Drug Res. 2002;52(4):243-250. doi:10.1055/s-0031-1299887
3. Mari A, Napolitano A, Perrone A, Pizza C, Piacente S. An analytical approach to profile steroidal saponins in food supplements: The case of Ruscus aculeatus. Food Chem. 2012;134:461-468. doi:10.1016/j.foodchem.2012.02.099
4. Masullo M, Pizza C, Piacente S. Ruscus Genus: A Rich Source of Bioactive Steroidal Saponins. Planta Med. Published online 2016. doi:10.1055/s-0042-119728

O tomilho (Thymus vulgaris) é uma erva aromática que apode ser usada para dar sabor e aroma às receitas e que também possui propriedades relaxantes, anti-inflamatórias, antioxidantes, expectorantes e bactericidas, sendo por isso, usada para melhorar o humor e tratar situações como tosse e acne.

O tomilho é rico em compostos orgânicos com ação anti-inflamatória, expectorante e antitussígena, como carvacrol e γ-terpineno, que ajudam a eliminar o excesso de catarro das vias respiratórias e combater a tosse causada por resfriados, bronquite, asma e inflamação na garganta.

Alguns estudos mostram que os óleos essenciais presentes no tomilho, como limoneno, carvacrol e linalol, ajudam a combater a ansiedade e o estresse por aumentarem a atividade de neurotransmissores no cérebro, como o GABA, promovendo relaxamento, bem-estar e tranquilidade, e diminuindo a agitação e o nervosismo.

Os terpenóides presentes no tomilho, como timol e α-terpineol, são compostos orgânicos com ação anti-hipertensiva que agem controlando a pressão arterial, sendo muito útil para evitar a pressão alta.

Além disso, os compostos orgânicos presentes no tomilho também têm ação antioxidante e anti-inflamatória, que ajudam a manter a saúde das artérias e facilitam a circulação de sangue, regulando a pressão arterial.

Auxilia no combate ao envelhecimento da pele e por ter uma ação antioxidante e antibacteriana, o tomilho contribui para impedir a ação dos radicais livres e na proliferação de células cancerígenas. Ele também previne o stress oxidativo, o que torna o tomilho um grande aliado no combate ao envelhecimento da pele.

Bibliografia:

1. Lorenzo, S, Jose et al. Understanding the potential benefits of thyme and its derived products for food industry and consumer health: From extraction of value-added compounds to the evaluation of bioaccessibility, bioavailability, anti-inflammatory, and antimicrobial activities. Critical Reviwes in Food Science and Nutrition. Vol.59. 18.ed; 2879-2895 , 2019.
2. European Medicines Agency. Assessment report on Thymus vulgaris L., Thymus zygis L., aetheroleum . 2017.
3. Patil, S. M.; et al. A systematic review on ethnopharmacology, phytochemistry and pharmacological aspects of Thymus vulgaris Linn. Heliyon. 7. 5; e07054, 2021.
4. Khazdair, M. R.; et al. Neuroprotective potency of some spice herbs, a literature review. J Tradit Complement Med. 9. 2; 98-105, 2018.

3 avaliações de Defatigante de Pernas

  1. Personal Vending Lda

    O Defatigante é um creme extraordinário para quem tem varizes ou mesmo apenas pernas cansadas. Elimina a comichão, o calor e melhora a circulação de retorno. ótimo, sem dúvida!

  2. Personal Vending Lda

    O Defatigante é um creme extraordinário para quem tem varizes ou mesmo apenas pernas cansadas. Elimina a comichão, o calor e melhora a circulação de retorno. ótimo, sem dúvida!

  3. Personal Vending Lda

    O Defatigante é um creme extraordinário para quem tem varizes ou mesmo apenas pernas cansadas. Elimina a comichão, o calor e melhora a circulação de retorno. ótimo, sem dúvida!

Adicionar uma avaliação
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Defatigante de Pernas
38,00 
Scroll to Top