Drena Fit

38,00 

Suplemento alimentar com: Bétula, Cerejeira, Chá de Java, Alcachofra, Videira Vermelha, Zimbro, Hibisco, Boldo e Garcinia.

Apresentação: frasco com 500 ml

Esgotado

Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
REF: 202110.SP Categorias: ,
Ingredientes Drena FitToma Diária: 50 ml
Tomas por embalagem: 10
%VRN*
FOS1500 mg**
Extrato hidrofílico Betula alba, Bétula1250 mg**
Extrato hidrofílico Prunus avium, Cerejeira1000 mg**
Orthosiphon stamineus, Chá de Java1000 mg**
Extrato hidrofílico Cynara scolymus, Alcachofra1000 mg**
Extrato hidrofílico Vitis vinifera, Videira Vermelha750 mg**
Extrato hidrofílico Juniperus communis, Zimbro750 mg**
Extrato hidrofílico Hibiscus sabdariffa, Hibisco750 mg**
Extrato hidrofílico Peumus Boldus, Boldo500 mg**
Extrato seco Garcinia camboja, Garcinia200 mg**
Ácido Hidroxicitrico120 mg**
Colina150 mg**
Vinagre de Maçã50 mg**
L-Cisteína17 mg**
*VRN estabelecida pelo Regulamento (UE) Nº 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Outubro de 2011. **VRN (valor de referência nutricional não estabelecida)

Informações Complementares

Diluir 25 ml em meio litro de água e beber ao longo da manhã preferencialmente fora das refeições. Diluir 25 ml em meio litro de água e beber ao longo da tarde preferencialmente fora das refeições.

Agente de Volume: Água Purificada; FOS; Extrato Hidrofílico Betula alba, Bétula – Folhas; Extrato Hidrofílico Prunus avium, Cerejeira – Pedúnculos; Extrato Seco Orthosiphon stamineus, Chá de Java – Folhas ratio 5:1; Extrato Hidrofílico Cynara scolymus, Alcachofra – Folhas; Extrato Hidrofílico Vitis vinifera, Videira Vermelha – Folhas; Extrato Hidrofílico Juniperus communis, Zimbro – Bagas; Extrato Hidrofílico Hibiscus sabdariffa, Hibisco – Flor; Extrato Hidrofílico Peumus boldus, Boldo – Folhas; Extrato Seco Garcinia camboja, Garcinia – Fruto 60% HCA; Aroma; Bitartarato de Colina; Vinagre de Maçã; Intensificador de Sabor: Ácido Málico; Conservantes: Benzoato de Sódio, Sorbato de Potássio; Regulador de Acidez: Ácido Cítrico; L- Cisteína; Edulcorante: Glicosídeos de Esteviol; Picolinato de Crómio (Crómio).

✔ A colina contribui para o normal metabolismo da homocisteína.
✔ A colina contribui para o normal metabolismo dos lípidos.
✔ A colina contribui para a manutenção de uma função hepática normal.

Agitar antes de tomar. Produto sujeito a depósito. Não exceder a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. É importante um regime alimentar equilibrado e um modo de vida saudável. Não se recomenda a utilização deste produto em caso de gravidez e aleitamento. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade, alergia e quando estejam descritas interações de outro produto com qualquer um dos constituintes da formulação. Preservar ao abrigo da luz, do calor e da humidade. Conservar em local seco na embalagem original e a temperatura inferior a 25ºC. Manter fora do alcance e da visão das crianças.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorreções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

Os Fruto-oligossacarídeos são um dos prebióticos mais estudados, sendo hidrossolúveis e baixos em calorias. Estes vão auxiliar na redução dos níveis de colesterol, inibir o crescimento de bactérias putrefactivas prejudiciais e melhorar a absorção de minerais, como o Cálcio e Magnésio, no intestino. São uma fonte de carbono preferencial para probióticos, aumentando o crescimento da microbiota intestinal benéfica e sendo por isso utilizados como prebióticos funcionais em suplementos alimentares.

Além de efeitos bifidogénicos, a ingestão regular e adequada de FOS apresenta mais valias em problemas associados a distúrbios gastrointestinais, cardiovasculares, obesidade, diarreia, osteoporose, arterosclerose e diabetes tipo 2. Adicionalmente, promove a digestão e o metabolismo da lactose, a reciclagem de substâncias como o estrogénio e a síntese de vitaminas do complexo B e de imunoestimulantes com atividade anti-tumoral.

São conhecidos por estimular a absorção de água e eletrólitos na mucosa intestinal e reduzir a formação de genotoxinas e enzimas que formam carcinogénios no intestino. Atribui-se assim ao seu consumo, a redução do potencial de risco de várias patologias associadas a um elevado nível de bactérias intestinais patogénicas, como as doenças auto-imunes, cancro, acne, cirrose, obstipação, intoxicação alimentar, alergias e intolerâncias alimentares.1–3⁠

Bibliografia:

1. Singh SP, Jadaun JS, Narnoliya LK, Pandey A. Prebiotic Oligosaccharides: Special Focus on Fructooligosaccharides, Its Biosynthesis and Bioactivity. Appl Biochem Biotechnol. 2017;183:613-635. doi:10.1007/s12010-017-2605-2
2. Flores-Maltos DA, Mussatto SI, Contreras-Esquivel JC, Rodríguez-Herrera R, Teixeira JA, Aguilar CN. Biotechnological production and application of fructooligosaccharides. Crit Rev Biotechnol. Published online 2016. doi:10.3109/07388551.2014.953443
3. Passos LML, Park YK. Frutooligossacarídeos: implicações na saúde humana e utilização em alimentos. Ciência Rural. 2003;33(2):385-390. doi:10.1590/s0103-84782003000200034

A bétula, também conhecida como vidoeiro, é uma árvore caduca amplamente utilizada na fitoterapia pelas suas propriedades medicinais. Provavelmente, já se cruzou ou até tem uma muito perto de si, pois a bétula encontra-se geograficamente distribuída por quase toda a Europa, centro e norte da Ásia, sendo que em Portugal, é comummente encontrada nas terras altas do centro e norte.

Como planta medicinal, é tradicionalmente conhecida como depurativo, diurético, anti-reumático e anti-inflamatório renal.

As partes da árvore utilizadas para fins terapêuticos são a seiva, casca e folhas (secas). Pode ser usada na forma de infusão, sumo, cápsula ou óleo essencial, sendo encontrada facilmente encontrada na forma de suplemento simples ou composto. Estas estruturas, e sobretudo as folhas secas, são ricas em princípios activos com importante impacto na saúde humana, a saber: flavonóides (hiperósido e derivados da quercetina), taninos, óleo essenciais e leucoantocianidinas, ácido ascórbico, ácidos fenólicos, saponinas e minerais.

Esta composição faz da bétula uma importante planta medicinal, com propriedades depurativas e purificadoras (eliminação de toxinas do organismo), diuréticas (eliminação de líquidos, mas sem irritação rins), protectoras das vias urinárias (rins e bexiga), anti-inflamatórias, antioxidantes, antissépticas (prevenção de infecções urinarias) e, ainda, com acção estimulante da digestão e tónica.

A bétula ou vidoeiro está, deste modo, recomendada para a prevenção ou auxílio no tratamento de doenças e sintomas como:

• Emagrecimento e celulite, pois promove a eliminação de toxinas e é ligeiramente inibidor do apetite;
• Infecções do trato urinário (pielonefrites, uretrites, cistites…);
• Gota (ácido úrico sanguíneo elevado);
• Ureia elevada;
• Retenção de liquidos (edema) e sensação de pernas inchadas (venotónico);
• Prevenção de litíase renal (cálculos nos rins);
• Doenças reumáticas (especialmente para uso externo);
• Inflamação hepática;
• Artrite reumatoide e flebites.

Bibliografia:

1. Németh K, Plumb GW, Berrin JG, et al. Deglycosylation by small intestinal epithelial cell beta‐glucosidases is a critical step in the absorption and metabolism of dietary flavonoid glycosides in humans. Eur J Nutr. 2003;42(1):29‐42.
2. Rastogi S, Pandey MM, Rawat KSA, Medicinal plants of the genus Betula–traditional uses and a phytochemical‐pharmacological review. J Ethnopharmacol. 2015;159:62‐83.
3. 4. Al-Snafi A.E. The medical importance of Betula alba- an overview. J. Pharm. Biol. 2015;5:99–103.
4. Costea T., Vlase L., Ancuceanu R.V., Dinu M., Olah N.K., Popescu M.L., Gird C.E. Chemical composition, antioxidant activity and phytotoxic properties of silver birch leaves. Rom. Biotechnol. Lett. 2016;21:11527–11538.

A cereja é uma fruta com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que auxilia no combate ao envelhecimento precoce, alivia os sintomas de artrite e previne o aparecimento de doenças cardiovasculares. A cereja também possui minerais como potássio e cálcio, necessários para a contração muscular, função nervosa e regulação da pressão arterial.

Além disso, a cereja é uma boa fonte de triptofano, serotonina e melatonina que influenciam no estado de humor e no sono, podendo auxiliar no tratamento da depressão e da insónia.

A cereja possui polifenóis na sua composição, como o ácido clorogênico, que ajudam a regular os níveis de açúcar e de insulina no sangue, evitando picos ou queda da glicemia.

Além disso, as antocianinas presentes na cereja têm ação antioxidante que inibe a ação de enzimas que parecem aumentar o risco de diabetes tipo 2.

Por ser rica em antocianinas, a cereja fresca ajuda a controlar o colesterol ruim que é responsável por formar placas de gordura nas artérias, e por isso, ajuda a prevenir a aterosclerose e a reduzir o risco de doenças cardiovasculares como infarto do miocárdio ou derrame cerebral.

Devido aos seus potentes efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes, a cereja pode reduzir o estresse oxidativo e a inflamação das articulações, prevenindo ou diminuindo os sintomas de artrite ou osteoartrite, como dor ou rigidez nas articulações.

A cereja possui triptofano que é importante para a produção de melatonina, um hormônio que o corpo produz de forma natural e que estimula o sono.

Alguns estudos mostram que ingerir sumo de cereja pela manhã e novamente uma a duas horas antes de dormir aumenta a duração e a qualidade do sono.

É rica em betacaroteno, que é um precursor da vitamina A, importante para manter a visão, especialmente a visão noturna. Além do betacaroteno, a cereja também possui vitamina A na sua composição, o que aumenta a proteção da saúde dos olhos.

Alguns estudos mostram que os polifenóis da cereja podem reduzir a perda de memória, o que pode diminuir o risco de desenvolver Alzheimer, por melhorar o funcionamento dos neurônios cerebrais, a comunicação entre o cérebro e o resto do corpo e ajudar a processar novas informações com eficácia.

A cereja também possui fibras que têm propriedade laxativa, podendo melhorar a saúde digestiva e combater a prisão de ventre. Além disso, os polifenóis da cereja contribuem para o equilíbrio da flora gastrointestinal, o que contribui para o bom funcionamento do sistema digestivo.

Por ser rica em betacaroteno e vitaminas A e C, que são antioxidantes, a cereja ajuda a combater os radicais livres que causam envelhecimento da pele.

A vitamina C da cereja também estimula a produção de colágeno pela pele, diminuindo a flacidez e o aparecimento de rugas e linhas de expressão. Já a vitamina A protege a pele dos danos causados pelos raios ultravioletas do sol.

Bibliografia:

1. Silva, Gonçalo R.; et al. Sweet Cherry Extract Targets the Hallmarks of Cancer in Prostate Cells: Diminished Viability, Increased Apoptosis and Suppressed Glycolytic Metabolism. Nutrition and Cancer. 1-15, 2019.
2. Lage, Nara N.; et al. Dark sweet cherry (Prunus avium) phenolics enriched in anthocyanins exhibit enhanced activity against the most aggressive breast cancer subtypes without toxicity to normal breast cells. Journal of Functional Foods. 64. 103710; 1-14, 2020.
3. Ogur, Recai; et al. Report: investigation of anti-cancer effects of cherry in vitro. Pak J Pharm Sci. 27. 3; 587-592, 2014.
4. Cásedas, Guillermo; et al. Bioactive and functional properties of sour cherry juice (Prunus cerasus). Food & Function. 7. 11; 4675-4682, 2016.
5. Kelley, Darshan S.; et al. A Review of the Health Benefits of Cherries. Nutrients. 10. 3; 1-22, 2018.

O Chá de Java, Orthosiphon Stamineus, é um arbusto nativo da Ásia tropical e Austrália, muito cultiva­do na Indonésia e Vietname. Os principais componentes dos extratos da folha desta planta são os polifenóis, flavonoides, terpenóides, sais de potássio e os derivados do ácido cafeico, cuja ação diuré­tica 1 e uricosúrica tem sido vantajosa, e utilizada na medicina popular, para o tratamento de distúrbios renais e gota, atuando sobre os níveis de cloretos, ureia e ácido úrico 2,3.

Foi demonstrada atividade antibacteriana e anti-inflamatória pelos seus flavonoides através de inibição da lipoxigenase, bem como atividade diurética e inibitória de E.coli uropatogénica por ação antiadesiva ou bloqueadora de entrada 4,5. A bioactividade antimicrobiana deste extrato favorece o controlo e a eliminação urinária de microrganismos, ajudando a aliviar sintomas e a combater infeções do trato urinário 4,6.

Estudos farmacológicos sobre os seus extratos mostraram, ain­da, atividade antioxidante, analgésica 7, antitumoral, antidiabética, antihipertensora, antiobesidade, antidislipidémia, gastro, nefro e hepatoprotetora 3,8–11.

Bibliografia:

1. Adam Y, Somchit MN, Sulaiman MR, et al. Diuretic properties of Orthosiphon stamineus Benth. J Ethnopharmacol. 2009;124(1):154-158. doi:10.1016/j.jep.2009.04.014
2. Olah NK, Radu L, Mogoşan C, Hanganu D, Gocan S. Phytochemical and pharmacological studies on Orthosiphon stamineus Benth. (Lamiaceae) hydroalcoholic extracts. J Pharm Biomed Anal. 2003;33(1):117-123. doi:10.1016/S0731-7085(03)00227-9
3. Arafat OM, Tham SY, Sadikun A, Zhari I, Haughton PJ, Asmawi MZ. Studies on diuretic and hypouricemic effects of Orthosiphon stamineus methanol extracts in rats. J Ethnopharmacol. 2008;118:354-360. doi:10.1016/j.jep.2008.04.015
4. Sarshar S, Brandt S, Asadi Karam MR, et al. Aqueous extract from Orthosiphon stamineus leaves prevents bladder and kidney infection in mice. Phytomedicine. 2017;28:1-9. doi:10.1016/j.phymed.2017.02.009
5. Deipenbrock M, Hensel A. Polymethoxylated flavones from Orthosiphon stamineus leaves as antiadhesive compounds against uropathogenic E. coli. Fitoterapia. 2019;139:1-9. doi:10.1016/j.fitote.2019.104387
6. Vahlensieck W, Lorenz H, Schumacher-Stimpfl A, Fischer R, Naber KG. Effect of a herbal therapy on clinical symptoms of acute lower uncomplicated urinary tract infections in women: Secondary analysis from a randomized controlled trial. Antibiotics. 2019;8(4):1-11. doi:10.3390/antibiotics8040256
7. Yam MF, Asmawi MZ, Basir R. An investigation of the anti-inflammatory and analgesic effects of Orthosiphon stamineus leaf extract. J Med Food. 2008;11(2):362-368. doi:10.1089/jmf.2006.065
8. Adnyana K, Setiawan F, Insanu M. From ethnopharmacology to clinical study of Orthosiphon stamineus Benth. Int J Pharm Pharm Sci. 2013;5(3):66-73.
9. Akowuah GA, Ismail Z, Norhayati I, Sadikun A. The effects of different extraction solvents of varying polarities on polyphenols of Orthosiphon stamineus and evaluation of the free radical-scavenging activity. Food Chem. 2005;93:311-317. doi:10.1016/j.foodchem.2004.09.028
10. Ameer OZ, Salman IM, Asmawi MZ, Ibraheem ZO, Yam MF. Orthosiphon stamineus: Traditional uses, phytochemistry, pharmacology, and toxicology. J Med Food. 2012;15(8):678-690. doi:10.1089/jmf.2011.1973
11. Singh MK, Gidwani B, Gupta A, et al. A review of the medicinal plants of genus Orthosiphon (Lamiaceae). Int J Biol Chem. 2015;9(6):318-331. doi:10.3923/ijbc.2015.318.331

O extrato de Alcachofra, a Cynara scolymus, comum na Europa central e do sul, tem sido utilizado tradicionalmente pelas suas atividades coleréticas (aumento da excreção de bílis e concentração em ácidos biliares) e hepatoprotetoras, associadas ao seu conteúdo em cinarina, luteolina e outros ácidos fenólicos e flavonóides.

Demonstrou diminuir significativamente os níveis de malondialdeído (MDA) alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST) e aumentar a atividade da superóxido dismutase (SOD) e catalase (CAT) em lesões hepáticas, indicando efeitos hepatocurativos por redução da peroxidação lipídica e efeitos positivos na via de regulação de reparação de ADN. Esta atividade sugere que a alcachofra possa ser usada no tratamento de doenças hepáticas. De facto, sendo uma fonte de compostos fenólicos (cinarina, ácido ferrúlico), lactonas, flavonoides (luteolina), fitoesteróis (taraxasterol), inulina, fibras e minerais, o extrato de alcachofra exibe um amplo espetro de atividades: antimicrobiana, anti-inflamatória, colerética, hepatoprotetora, hipolipemiante, diurética, antioxidante e anticarcinogénica.

Numa série de ensaios clínicos, a alcachofra demonstrou que além de induzir melhorias nas enzimas hepáticas, era capaz de reduzir significativamente os níveis triglicéridos e colesterol. Os polifenóis presentes no extrato aquoso de alcachofra demonstram um evidente efeito hipolipedemiante e antiaterogénico, possivelmente ajudando a prevenir a aterosclerose atuando sobre o colesterol total, os triglicéridos, o LDL, as interleucinas (inibição de citocinas inflamatórias) e a proteína C reativa, contribuindo para minimizar o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Bibliografia:

1. Lattanzio V, Kroon PA, Linsalata V, Cardinali A. Globe artichoke: a functional food and source of nutraceutical ingredients. J Funct Foods. 2009; 1:131-144.
2. Speroni E, Cervellati R, Govoni P, Guizzardi S, Renzulli C, Guerra MC. Efficacy of different Cynara scolymus preparations on liver complaints. J Ethnopharmacol. 2003; 86:203-211.
3. Colak E, Ustuner MC, Tekin N, et al. The hepatocurative effects of Cynara scolymus L. leaf extract on carbon tetrachloride-induced oxidative stress and hepatic injury in rats. Springerplus. 2016; 5(216):1-9.
4. Pereira C, Barros L, Ferreira ICFR. Analytical Tools Used to Distinguish Chemical Profiles of Plants Widely Consumed as Infusions and Dietary Supplements: Artichoke, Milk Thistle, and Borututu. Food Anal Methods. 2014; 7:1604-1611.
5. Pereira C, Calhelha RC, Barros L, Queiroz MJRP, Ferreira ICFR. Synergisms in antioxidant and anti-hepatocellular carcinoma activities of artichoke, milk thistle and borututu syrups. Ind Crops Prod. 2014; 52:709-713.
6. Mocelin R, Marcon M, Santo GD, et al. Hypolipidemic and antiatherogenic effects of Cynara scolymus in cholesterol-fed rats. Rev Bras Farmacogn. 2016.
7. Wu P, Li L, Du GH. Ferulic Acid. Natural Small Molecule Drugs from Plants. 2018: 75-80.

A Vitis vinifera L. é uma planta nativa da Europa e Ásia ocidental, que cresce abundantemente em países mediterrânicos, sendo o vinho a bebida de eleição elaborada a partir das suas uvas, bebida muito apreciada e consumida, desde a antiguidade até aos dias de hoje.

No entanto, outros produtos derivados desta planta têm ganho interesse ao longo dos anos, pelo seu valor nutricional e medicinal, com potenciais benefícios para a saúde. A casca das uvas são ricas em terpenos, norisoprenóides e tióis, e a polpa em ácidos orgânicos e açúcares. A sua concentração em compostos fenólicos, resveratrol e quercetina, conferem-lhe relevantes propriedades antioxidantes e antimicrobianas. As suas sementes, ricas em fenóis e proantocianidinas, parecem ter um papel nutracêutico benéfico para a saúde, para além de lhe serem atribuídas propriedades anti-inflamatórias, anti-ulcerosas, anti-cancerígenas e cardioprotetoras. O óleo das sementes é rico em ácidos gordos essenciais, vitamina E e fitoesteróis, demonstando notáveis atividades antioxidantes e anti-inflamatórias, para além de estar a ser estudada a sua capacidade anti-tumural. O uso tradicional da uva inclui, entre outros, as doenças da pele, patologias oculares, náuseas, dores de garganta, hemorroidas, doenças renais e hepáticas, sendo que na medicina Ayurvédica é considerado um tónico para o coração com utilidade nas doenças cardiovasculares, edema e inflamação.

As folhas da Videira, por sua vez, têm sido utilizadas desde tempos antigos devido às suas diversas propriedades, tal como a ação hipoglicemiante, antimicrobiana, anti-inflamatória e, particularmente, as suas propriedades antioxidantes, benéficas para o organismo. Também utilizadas no tratamento de insuficiência venosa crónica, pela eficácia demonstrada na redução do edema e da dor, atuando ao nível da circulação sanguínea microvascular. Estando as patologias neurodegenerativas e falhas de memória muitas vezes relacionadas com défices ao nível da microcirculação sanguínea cerebral, a Videira poderá apresentar efeitos benéficos a este nível. Para além disto, sendo a obesidade uma doença inflamatória que também afeta os vasos sanguíneos, causando dificuldades na circulação de leptina (hormona da saciedade) até ao cérebro, têm sido estudados os efeitos antiobesidade da V. vinifera, tanto pela sua ação na microcirculação como pelos seus efeitos anti-inflamatórios. As folhas de videira, sendo subprodutos da indústria vinícola, têm vindo a ser utilizadas na medicina tradicional pelos seus efeitos hepatoprotetores, espasmolíticos e vasodilatadores.

Em suma, os compostos naturais presentes na videira protegem as células vasculares endoteliais contra o dano inflamatório, exibindo também uma capacidade antioxidante notável, conferindo-lhe propriedades cardio e hepatoprotetoras, estando mesmo a ser estudado o seu potencial benefício como anticancerígeno.

Bibliografia:

1. Martin ME, Grao-Cruces E, Millan-Linares MC, et al. Grape (vitis vinifera L.) seed oil: A functional food from the winemaking industry. Foods. 2020.
2. Ardid-Ruiz A, Harazin A, Barna L, et al. The effects of Vitis vinifera L. phenolic compounds on a blood-brain barrier culture model: Expression of leptin receptors and protection against cytokine-induced damage. J Ethnopharmacol. 2020.
3. Kedage V V., Tilak JC, Dixit GB, Devasagayam TPA, Mhatre M. A study of antioxidant properties of some varieties of grapes (Vitis vinifera L.). Crit Rev Food Sci Nutr. 2007;47(2):175-185.
4. Fernandes F, Ramalhosa E, Pires P, et al. Vitis vinifera leaves towards bioactivity. Ind Crops Prod. 2013;43:434-440.
5. Abascal K, Yarnell E. Botanicals for chronic venous insufficiency. Alternative and Complementary Therapies. 2007:304-311.
6. Margină D, Olaru OT, Ilie M, et al. Assessment of the potential health benefits of certain total extracts from Vitis vinifera, Aesculus hyppocastanum and Curcuma longa. Exp Ther Med. 2015;10:1681-1688.
7. Nassiri-Asl M, Hosseinzadeh H. Review of the pharmacological effects of Vitis vinifera (grape) and its bioactive compounds. Phyther Res. 2009.

O zimbro, de nome científico Juniperus communis L., é um arbusto aromático perene com grande potencial terapêutico como adjuvante no tratamento de várias doenças. Esta planta é rica ativos como óleos aromáticos, resinas, catequinas, ácido orgânico, ácidos terpénicos, leucoantocianidinas, alcaloides, flavonoides, taninos, ligninas, ceras, etc.

As suas bagas e extratos têm sido tradicionalmente utilizados como diuréticos, antisséticos, e em situações de artrite, diabetes e doenças gastrointestinais e autoimunes. Além disso, o seu óleo essencial demonstra também propriedades antioxidantes, anti-bacterianas, anti-virais e anti-fúngicas. Outros efeitos benéficos para a saúde relatados para o zimbro incluem efeitos hepatoprotetores, neuroprotetores e renais.

Bibliografia:

1. Raina R, Verma PK, Peshin R, Kour H. Potential of Juniperus communis L as a nutraceutical in human and veterinary medicine. Heliyon. 2019;5(8):e02376. doi:10.1016/j.heliyon.2019.e02376

O hibisco é rico em flavonoides, vitamina C e ácidos orgânicos, que proporcionam diversos benefícios para a saúde, como ajudar a controlar a pressão arterial e favorecer a perda de peso, por exemplo.

Pode ajudar a prevenir e a controlar a hipertensão arterial leve e moderada, já que pode favorecer o relaxamento dos vasos sanguíneos. Acredita-se que esse efeito seja devido à presença de antocianinas em sua composição, o que garante as propriedades antioxidantes e o efeito diurético.

Além de favorecer a diminuição da pressão arterial, o hibisco também pode ajudar a diminuir o colesterol “mau”, o LDL, e os triglicerídeos, além de promover o aumento do colesterol “bom”, o HDL. Esta ação pode ser devido à supressão na síntese de ácidos graxos no fígado, favorecendo a queima de gordura no organismo e a diminuição dos triglicerídeos a nível intestinal.

Pode também ajudar a regular o açúcar no sangue já que é capaz de inibir a atividade de algumas enzimas pancreáticas e intestinais que são responsável pela digestão dos carboidratos no intestino delgado, evitando, assim, picos de glicemia e uma excreção excessiva de insulina.

Devido à presença de polifenois, principalmente antocianinas, flavonoides e outros compostos fenólicos, como o galoil, o ácido clorogênico, a quercetina e o ácido cafeico, o consumo regular do chá de hibisco poderia favorecer a perda de peso e prevenir a obesidade.

O hibisco pode ajudar a inibir a produção de ácidos graxos no fígado, o que pode representar melhora do funcionamento do fígado e promover a prevenção do fígado gordo. Além disso, poderia fornecer enzimas responsáveis pela desintoxicação do organismo, reduzindo, assim, o dano hepático.

Possui propriedade antioxidante devido ao fato de ser rico em polifenóis, principalmente antocianinas, que inibem o stress oxidativo e evitam a formação dos radicais livres, assim como o dano que estes podem causar às células, prevenindo, assim, o envelhecimento precoce e o surgimento de doenças crónicas.

Também é conhecido por possuir propriedades antimicrobianas e, de acordo com alguns estudos, é capaz de auxiliar no combate das bactérias Escherichia coli e Klebsiella pneumoniae, que são os principais microrganismos associados a infecções urinárias.

Além disso, também possui propriedades diuréticas, ajudando a aumentar a quantidade de urina produzida, favorecendo a eliminação dessas bactérias e prevenindo o surgimento de infeções recorrentes. Acredita-se que isso aconteça devido à presença de antioxidantes que ajudam a regular a aldosterona, um hormônio que controla a produção de urina.

Bibliografia:

1.Jamrozik Daniel, et al. Hibiscus sabdariffa in Diabetes Prevention and Treatment—Does It Work? An Evidence-Based Review. Foods. 11. 1-32, 2022.
2. Alshami Isaam et al. Antimicrobial activity of Hibiscus sabdariffa extract against uropathogenic strains isolated from recurrent urinary tract infections. Asian Pacific Journal of Tropical Disease. 4. 4; 317-322, 2014.
3. Oyindamola Vivian et al. Beneficial Effects of Natural Bioactive Compounds from Hibiscus sabdariffa L. on Obesity. Molecules. 24. 1; 1-14, 2019.
4. Abdallah Emad. Antibacterial efficiency of the Sudanese Roselle (Hibiscus sabdariffa L.), a famous beverage from Sudanese folk medicine. Journal of Intercultural Ethnopharmacology. 5. 2; 186-190, 2016.
5. Da-Costa-Rocha Inês et al. Hibiscus sabdariffa L. – A phytochemical and pharmacological review. Food Chemistry. 165. 424-443, 2014.
6. Ajiboye Taofeek et al. Antioxidant and drug detoxification potentials of Hibiscus sabdariffa anthocyanin extract. Drug and Chemical Toxicology. 34. 2; 109-115, 2011.
7. Jalalyazdi Majid, et al. Efect of hibiscus sabdariffa on blood pressure in patients with stage 1 hypertension. Journal of Advanced Pharmaceutical Technology & Research . 10. 3; 107-111, 2019
8. Hong-Chou Chang et al. Hibiscus sabdariffa extract inhibits obesity and fat accumulation, and improves liver steatosis in humans. Food & Function – The Royal Society of Chemistry. 5. 4; 734-739, 2014.
9. Singh Pragya et al. Nutritional and Health Importance of Hibiscus Sabdariffa: A Review and Indication for Research Needs. Journal of Nutritional Health & Food Engineering. 6. 5; 1-4, 2017.
10. Jiménez-Ferrer, Enrique et al.. Diuretic Effect of Compounds from Hibiscus sabdariffa by Modulation of the Aldosterone Activity. Planta Medica. Vol.78. 1893-1898, 2012.
11. Mea, A. et al. Diuretic Activity of Hibiscus sabdariffa L. in Wistar Rats. International Journal of Pharmacology, Phytochemistry and Ethnomedicine. Vol.9. 10-17, 2018.
12. Suresh, V.; AMMAAN. Medicinal uses of Roselle (Hibiscus sabdariffa). Journal of Medicinal Plants Studies. Vol.5, n.4. 97-98, 2017.

O Boldo (Peumus boldus), é uma espécie arbórea, pertencente à família Monimiaceae e nativa das regiões central e sul do Chile, onde ocorre abundantemente. As folhas de boldo contêm entre 0,4 e 0,5% de alcalóides pertencentes à classe dos benzoquinolínicos, sendo a boldina o principal alcalóide e o que lhe confere maior ação farmacológica. Além disso, apresentam também outros compostos ativos, com bioatividade, como os taninos, flavonóides, glicolipídios e o óleo essencial1⁠.

A boldina demonstrou possuir uma série de atividades farmacológicas, incluindo propriedades anti-inflamatórias, anti-piréticas, anti-aterogénicas, antiplaquetárias, promotoras de antitumorais, citoprotetoras e inibidoras da tirosinase. Apresenta também efeitos coleréticos, aumentando a produção de bílis pela sua atividade osmótica e pela indução do recetor responsável pelo processo de secreção. Além disso, é um potente anti-oxidante, tendo demonstrado prevenir a peroxidação quimicamente induzida2⁠.

Como tal, o Boldo é usado principalmente no tratamento de problemas digestivos e hepáticos, demonstrando ação laxante e anti-espasmódica, e tem utilidade no fornecimento ao trato gastrointestinal de moléculas capazes de proteger contra espécies oxidantes reativas patológicas3.

Bibliografia:

1. Ruiz ALTG, Taffarello D, Souza VHS, Carvalho JE. Farmacologia e toxicologia de Peumus boldus e Baccharis genistelloides. Brazilian J Pharmacogn. 2008;18(2):295-300.
2. Speisky H, Cassels BK. Boldo and boldine: an emerging case of natural drug development. Pharmacol Res. 1994;29(1):1-12.
3. EU. Assessment report on Peumus boldus Molina, folium. Eur Med Agency, Comm Herb Med Prod. 2016;44(November 2016):0-21. http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/Herbal_-_HMPC_assessment_report/2017/01/WC500219578.pdf

O extrato proveniente do fruto da Garcinia cambogia, planta nativa da Índia, Nepal e Sri Lanka, é tradicionalmente utilizado como coadjuvante digestivo, em distúrbios gastrointestinais e no reumatismo, tendo sido recentemente associado a um potencial efeito benéfico na perda de peso.

O principal componente bioativo deste extrato, o ácido hidroxicítrico (HCA), atua ao nível mitocôndrial bloqueando a ATP-citrato liase, enzima necessária à conversão de citrato em coenzima A, condicionando a produção e o armazenamento de gordura. Deste modo, a glicose excedente é convertida em glicogénio e armazenada no fígado e músculos, disponibilizando energia de forma imediata, ao invés de ser armazenada nos adipócitos após o processo de lipogénese.

No tratamento da obesidade, o HCA demonstrou ser ter efeito benéfico sobre a acumulação de gordural visceral, para além de apresentar um efeito inibitório sobre a recaptação de serotonina, um neurotransmissor que interfere na regulação do apetite e humor, providenciando um efeito anorexigénico e uma maior sensação de saciedade.

Para além de interferir com a oxidação de ácidos gordos, colesterol e triglicéridos, a Garcinia apresenta simultaneamente atividade antidiabética, antioxidante, anti-inflamatória, e hepatoprotetora.

Bibliografia:

1. Semwal RB, Semwal DK, Vermaak I, Viljoen A. A comprehensive scientific overview of Garcinia cambogia. Fitoterapia [Internet]. 2015;102:134–48. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.fitote.2015.02.012
2. Lenz TL, Hamilton WR. Supplemental products used for weight loss. Journal of the American Pharmacists Association. 2004.
3. Hayamizu K, Ishii Y, Kaneko I, Shen M, Okuhara Y, Shigematsu N, et al. Effects of Garcinia cambogia (Hydroxycitric Acid) on Visceral Fat Accumulation: A Double-Blind, Randomized, Placebo-Controlled Trial. Curr Ther Res – Clin Exp. 2003;64(8):551–67.
4. Westerterp-plantenga MS, Kovacs EMR. The effect of ( 7 ) -hydroxycitrate on energy intake and satiety in overweight humans. Int J Obes. 2002;870–2.

O Ácido Hidroxicítrico (HCA) bloqueia a gordura através da inibição de uma enzima chave que o nosso corpo precisa para converter hidratos de carbono em reservas de gordura (citrato liase). Normalmente, os hidratos, ou açúcares, que não são imediatamente usados ou armazenados noutra forma, são convertidos em gordura. Quando o Ácido Hidroxicítrico (HCA) inibe a citrato-liase, o processo de conversão é suspenso e a produção de LDL (colesterol mau) e de triglicéridos baixa.

O Ácido Hidroxicítrico (HCA) também suprime o apetite através do aumento dos níveis de serotonina. A serotonina é um neurotransmissor que existe no cérebro e que controla o apetite, regula o humor e nos faz sentir bem. É o alvo de muitos medicamentos anti-depressivos. Ter níveis baixos de serotonina faz uma pessoa ficar em baixo, deprimida ou ansiosa, desencadeando muitas vezes comportamentos alimentares impulsivos (ataques de fome). Ao aumentar os níveis de serotonina, o Ácido Hidroxicítrico (HCA) melhora o humor, dá energia e reduz os impulsos alimentares.

À medida que come menos, o seu corpo detecta isso e liberta a gordura acumulada nas células de gordura. E, quando o corpo não está a fabricar gordura, está a queimá-la!

Bibliografia:

1. Amin, K.A.; Kamel, H.H.; Abd Eltawab, M.A. Protective effect of Garcinia against renal oxidative stress and biomarkers induced by high fat and sucrose diet. Lipids in Health and Disease. Vol. 10. 2011. p. 6-18.
2. Asghar, M.; Monjok, E.; Kouamou, G.; Ohia, S.E.; Bagchi, D.; Lokhandwala, M.F. Super CitriMax (HCA-SX) attenuates increases in oxidative stress, inflammation, insulin resistance, and body weight in developing obese Zucker rats. Mol Cell Biochem. Vol. 304. 2007. p. 93-99.
3. Bagchi, M.; Zafra-Stone, S.; Sen, C.K.; Roy, S.; Bagchi, D. DNA microarray technology in the evaluation of weight management potential of a novel calcium-potassium salt of (-)-hydroxycitric Acid. Toxicology Mechanisms and Methods. Vol. 16. Num. 2-3. 2006. p. 129-135.
4. Han, J.; Li, L.; Wang, D.; Ma, H. (-)-Hydroxycitric acid reduced fat deposition via regulating lipid metabolism-related gene expression in broiler chickens. Lipids in Health and Disease. Vol. 15. 2016. p. 37-49.
5. Kovacs, E.M.; Westerterp-Plantenga, M.S.; Saris, W.H. The effects of 2-week ingestion of (–)-hydroxycitrate and (–)-hydroxycitrate combined with medium-chain triglycerides on satiety, fat oxidation, energy expenditure and body weight. International Journal of Obesity. Vol. 25. Num. 7. 2001. p. 1087-1094.

A colina é um nutriente diretamente relacionado com a função cerebral, já que é precursor da acetilcolina, ajudando a melhorar a memória e facilitando a aprendizagem. Além disso, também ajuda na desintoxicação do organismo e melhora o funcionamento do fígado.

A colina é produzida em pequenas quantidades pelo organismo, no entanto é importante obter esse nutriente através da alimentação, sendo principalmente encontrado na gema de ovo ou na forma de suplementação alimentar.

É precursora da síntese de componentes essenciais para a membrana célula, como os fosfolipídeos, fosfatidilcolina e esfingomielina, que formam parte da estrutura da célula e influenciam nas suas ações, como sinalização intracelular e exportação hepática de lipoproteínas de baixa densidade.

Reduz as concentrações de homocisteína, uma substância que está relacionada ao dano cerebral e outras doenças crônicas. Estudos têm demonstrado que este composto (homocisteína) se encontra em elevada quantidade em doenças degenerativas como o Alzheimer, demência, doença de Parkinson, epilepsia, doenças cardiovasculares e cancro.

Pode diminuir a inflamação do organismo, devido à diminuição de marcadores de inflamação como proteína C reativa, interleucinas e fator de necrose tumoral enquanto ajuda na síntese de lípidos, regulação de vias metabólicas e desintoxicação do organismo, impactando a função do fígado e evitando doenças como fígado gordo.

Bibliografia:

1. Zeisel Steven and Da Costa Kerry-Ann. Choline: An Essential Nutrient for Public Health. Nutrition Reviews. 67. 11; 615-623, 2009.
2. Zeisel S.H. The fetal origins of memory: The role of dietary choline in optimal brain development. J Pediatr. 2006;149:S131136.
3. Leermakers E.T., Moreira E.M., Kiefte-de J.C., Darweesh S.K., Visser T., Voortman T., Bautista P.K., Chowdhury R., Gorman D., Bramer W.M., et al. Effects of choline on health across the life course: A systematic review. Nutr. Rev. 2015;73:500–522.
4. Buchman A.L., Moukarzel A., Jenden D.J., Roch M., Rice K., Ament M.E. Low plasma free choline is prevalent in patients receiving long term parenteral nutrition and is associated with hepatic aminotransferase abnormalities. Clin. Nutr. 1993;12:33–37.
5. Zeisel S.H., Da Costa K.A., Franklin P.D., Alexander E.A., Lamont J.T., Sheard N.F., Beiser A. Choline, an essential nutrient for humans. FASEB J. 1991;5:2093–2098.
6. European Food Safety Authority Dietary reference values for choline. EFSA J. 2016;14:e04484.
7. Romano K.A., Vivas E.I., Amador-Noguez D., Rey F.E. Intestinal microbiota composition modulates choline bioavailability from diet and accumulation of the proatherogenic metabolite trimethylamine-N-oxide. MBio. 2015;6:e02481.
8.Wu B.T., Dyer R.A., King D.J., Richardson K.J., Innis S.M. Early second trimester maternal plasma choline and betaine are related to measures of early cognitive development in term infants. PLoS ONE. 2012;7:e43448.

O vinagre de maçã é um alimento fermentado que possui propriedade antioxidante, anti-inflamatória e antimicrobiana, e, por isso, pode ser usado para auxiliar no tratamento de acne, proteger contra doenças cardiovasculares e prevenir o envelhecimento precoce.

Além disso, é composto por pectina, que é uma fibra solúvel que atua diminuindo a absorção de carboidrato no intestino e controlando os picos de glicemia, ajudando na perda de peso, controle da diabetes, melhora da digestão e promovendo a sensação de saciedade e diminuindo a fome.

O vinagre de maçã também possui propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, o que ajuda a prevenir o acúmulo de gordura e favorece a sua eliminação do organismo.

O vinagre de maçã é rico em fibras e ácidos, como o ácido acético e clorogênico, que ajudam na digestão dos alimentos e, por isso, o vinagre de maçã poderia a ajudar a aliviar os sintomas de má-digestão, proteger o estômago, facilitar a digestão e diminuir a sensação de estômago pesado após as refeições, por exemplo.

É rico em ácidos, como o gálico, lático, málico e cítrico, que podem atuar diretamente no fígado e melhorar a sua atividade, além de também ajudar a diminuir o acúmulo de gordura no fígado e, consequentemente, prevenir o desenvolvimento da esteatose hepática.

Os polifenóis presentes no vinagre de maçã possuem propriedades antioxidantes que ajudam a combater os radicais livres que são formados pelo envelhecimento, poluição e má alimentação e, por isso, o vinagre de maçã melhora a qualidade da pele e ajuda a retardar o envelhecimento.

Bibliografia:

1. Yeh, Zoe. Is Apple Cider Vinegar Effective for Reducing Heartburn Symptoms Related to Gastroesophageal Reflux Disease?. Tese de mestrado, 2016. Arizona State University.
2. Petsiou, Eleni I.; et al. Effect and mechanisms of action of vinegar on glucose metabolism, lipid profile, and body weight. Nutrition Reviews. 72. 10; 651-661, 2014.
3. Ting, Xia; et al. Nutrients and bioactive components from vinegar: A fermented and functional food. Journal of Functional Foods. 64. 103681, 2020.
4. Ahuja, Amisha; Ahuja Nitin K. Popular Remedies for Esophageal Symptoms: a Critical Appraisal. Current Gastroenterology Reports. 21. 39; 1-8, 2019.
5. Bae, J. Y.; Park, S. N. Evaluation of anti-microbial activities of ZnO, citric acid and a mixture of both against Propionibacterium acnes. Int J Cosmet Sci. 38. 6; 550-557, 2016.
6. Quade, Bianca N.; et al. The therapeutic importance of acid-base balance. Biochemical Pharmacology. 114278. 1-80, 2020.
7. Bárdos László et al. Effect of apple cider vinegar on plasma lipids (model experiment in mice). Potravinarstvo. 6. 1; 1-4, 2012.
8. Beheshti Zahra et al. Influence of apple cider vinegar on blood lipids. Life Science Journal. 9. 4; 2431-2440, 2012.

A cisteína é um aminoácido, um dos poucos que contém enxofre, que não é essencial, ou seja, pode ser sintetizado pelo organismo a partir de outras moléculas. Entretanto, a cistina também é obtida a partir da alimentação, estando presente em ovos, carnes, produtos lácteos e cereais integrais.

O consumo como suplemento alimentar também tem aumentado bastante a medida que os benefícios da cisteína ficam mais conhecidos onde se destacam: ação antioxidante e desintoxicante, ajuda o sistema imunitário e auxilia em processos inflamatórios.

A cisteína está muito presente na alfa-queratina, a proteína básica de construção das unhas, cabelos e pele. Além disso em conjunto com as vitaminas E e C e selénio, ajuda na proteção da pele, mantendo genes de defesa ativados e impedindo a ação danosa dos raios ultravioleta sobre o DNA celular, que pode levar ao câncer de pele.

Bibliografia:

1. Aminoacids Studies. L-cysteine.
2. LifeExtension – Foundation for Longer Life. The Overlooked Compound That Saves Lives.
3. Nutritional Supplements. Benefits of L-cysteine – Using NAC for Better Breathing, Clearer Skin and More.
4. Mount Sinai. Health library: cysteine. Disponível em: <https://www.mountsinai.org/health-library/supplement/cysteine>.
5. Universty of Rochester Medical Center. Encyclopedia: Cysteine. <https://www.urmc.rochester.edu/encyclopedia/content.aspx?contenttypeid=19&contentid=Cysteine>.

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Drena Fit”
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Scroll to Top