Face Clay Mask

Exclusivo Profissionais de Estética

Uma máscara formulada com argila verde, extrato de própolis, calêndula e outros extratos que ajuda a eliminar as impurezas da superfície da pele e reduzir a visibilidade dos poros. Graças à sua textura macia e argilosa não seca proporcionando um conforto perfeito.

Quantidade: 125 ml

Informações Complementares

Aplique a máscara no rosto, pescoço e decote e deixe por 10-15 minutos. Remova suavemente com água morna ou um pano húmido. A aplicação é recomendada 1-2 vezes por semana.

Aqua, Glycerin, Solum Fullonum, Glyceryl Stearate Se, Zinc Oxide, Caprylic/Capric Triglyceride, Cetearyl Olivate, Magnesium Aluminum Silicate, Sorbitan Olivate, Oryza Sativa Starch, Propolis Extract, Calendula Officinalis Flower Extract, Tocopherol, Sodium Ascorbyl Phosphate, Glyceryl Undecylenate, Cinnamomum Camphora Linalooliferum Wood Oil, Citrus Sinensis Peel Oil Expressed, Hamamelis Virginiana Bark/Leaf Extract, Citrus Limon Fruit Oil, Cymbopogon Martini Herb Oil, Juniperus Virginiana Wood Oil, Citrus Aurantifolia Peel Oil Distilled, Eucalyptus Globulus Leaf Oil, Acacia Decurrens Dealbata Flower Extract, Citrus Nobilis Peel Oil, Laurus Nobilis Leaf Oil, Pelargonium Graveolens Flower Oil, Menthol, Alcohol Denat., Gluconolactone, Xanthan Gum, Dehydroacetic Acid, Benzyl Alcohol, Limonene, Linalool, Geraniol.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorrecções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de cosméticos e suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer directamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

A argila verde pertence ao grupo da montmorilonita e é a mais conhecida entre as argilas. Ela é a que possui a maior diversidade de elementos, como óxido de ferro associado a magnésio, cálcio, potássio, manganês, fósforo, zinco, alumínio, silício, cobre, selênio, cobalto e molibdénio.

A argila verde apresenta pH neutro, tem uma grande função absorvente, combate edemas, é secativa, emoliente, antisséptica, bactericida, analgésica e cicatrizante. Está indicada para peles oleosas e acneicas já que oxigena as células, é esfoliante suave, promove a desintoxicação e regula a produção sebácea.

Outro dos benefícios da argila verde é ser desintoxicante e age como um leve esfoliante, eliminando toxinas e favorecendo a renovação celular, além de suavizar a aparência de manchas causadas pelas espinhas.

O silício presente na argila verde tem papel fundamental na reconstituição dos tecidos cutâneos e na defesa do tecido conjuntivo, é cicatrizante e regenerador, auxiliando na redução de inflamações.

Bibliografia:

1. JUNIOR, A.F.; MACEDO, S. F. A eficácia da argila nos tratamentos faciais. Revista Brasileira de Estética, v. 3, n. 4, 2016.
2. Carretaro MI, Gomes CSF, Tateo F. Clays and human health. In: Bergaya F, Theng BKG, Lagaly G, editors. Handbook of Clay Science, Developments in Clay Science. Vol. 1. Elsevier Ltd; Amsterdam: 2006. pp. 717–741.
3. Williams LB, Holland M, Eberl DD, Brunet T, Brunet de Courssou L. Killer Clays! Natural antibacterial clay minerals. Mineralogical Society Bulletin. 2004;139:3–8.

Própolis é um produto resinoso acastanhado coletado por abelhas, de diferentes exsudados vegetais, e trans­formado pela saliva e enzimas das mesmas num composto rico em substâncias ativas com ações farma­cológicas.

Devido às suas propriedades terapêuticas relatadas há vários séculos e ao facto de ter baixa toxicidade, não havendo relatos de efeitos adversos, este composto tem sido bastante usado na medicina tradicional.

No entanto, só mais recentemente tem despertado o interesse dos investiga­dores devido às suas inúmeras propriedades terapêuticas, tais como anti-inflamatória, cicatrizante, antioxidante, antimicrobiana (antifúngica, antibacteriana e antiviral), anestésica, anti-ulcerosa, anticancerígena, citotóxica, anti-herpes e anti-HIV. Para além dos seus benefícios na redução do colesterol e da pressão arterial.

Em geral é composta por 50% de resina e bálsamo, 30% de cera, 10% de óleos essenciais e aromáticos, 5% de pólen e 5% de várias outras substâncias.

Até ao momento, já foram identificados mais de 200 constituintes químicos, entre os quais: algumas vitaminas (B1, B2, B6, C, E) e minerais (manga­nês, ferro, cálcio e alumínio), esteróides, terpenóides, aminoácidos e compostos fenólicos. No entanto, a quantidade destes compostos varia de acordo com fatores ambientais, a geografia e a origem botânica, e por isso a sua ação biológica também será variável.

Sabe-se que a ingestão de flavonoides interfere em diversos processos fi­siológicos, e auxilia na absorção e na ação de vitaminas, por atuarem nos processos de cicatrização, como antioxidantes, além de apresentarem atividade antimicrobiana. Esta atividade é expressa através de uma ação direta sobre microrganismos e indireta através da estimulação do sis­tema imunitário.

A sua atividade imunomoduladora deve-se aos seus efeitos na produção de anticor­pos e em diferentes células do sistema imunológico, envolvendo a resposta imune inata e adaptativa. Possui ação estimulante na atividade das células natural killer que exercem a sua citotoxicidade contra células tumorais e na ativação dos macrófagos que realizam fagocitose de agentes patogénicos.

O extrato de Própolis tem sido, atualmente, aplicado em fórmulas para síndromes gripais e preparações cosméticas para cicatrização de feridas e queimadu­ras, acne, herpes e gengivite.

Bibliografia

1. Oliveira KA de M, Oliveira GV de, Batalini C, Rosalem JA, Ribeiro LS. Atividade antimicrobiana e quantificação de Flavonoides e Fenóis totais em diferentes extratos de Própolis. Semin Ciências Biológicas e da Saúde. 2013;33(2):211-222. doi:10.5433/1679-0367.2012v33n2p211
2. Sforcin JM. Propolis and the immune system: a review. J Ethnopharmacol. 2007;113:1-14. doi:10.1016/j.jep.2007.05.012
3. Castaldo S, Capasso F. Propolis, an old remedy used in modern medicine. Fitoterapia. 2002;73(1):1-6. doi:10.1016/S0367-326X(02)00185-5
4. Wagh VD. Propolis: A wonder bees product and its pharmacological potentials. Adv Pharmacol Sci. 2013:1-11. doi:10.1155/2013/308249
5. Toreti VC, Sato HH, Pastore GM, Park YK. Recent progress of propolis for its biological and chemical compositions and its botanical origin. Evidence-based Complement Altern Med. 2013:1-13. doi:10.1155/2013/697390
6. Lotfy M. Biological activity of bee propolis in health and disease. Asian Pacific J Cancer Prev. 2006.
7. Bankova V, Popova M, Trusheva B. Propolis volatile compounds: Chemical diversity and biological activity: A review. Chem Cent J. 2014;8(28):1-8. doi:10.1186/1752-153X-8-28
8. Ahn MR, Kumazawa S, Hamasaka T, Bang KS, Nakayama T. Antioxidant activity and constituents of propolis collected in various areas of Korea. J Agric Food Chem. 2004;52(24):7286-7292. doi:10.1021/jf048726s

O óleo essencial das folhas do Eucalipto, possui efeitos analgésicos e anti-inflamatórios, por este motivo, tem sido usado na medicina popular para o tratamento de várias condições como a febre, constipação, gripe e afeções brônquicas, como asma, bem como para rigidez e nevralgia.

As suas propriedades farmacológicas devem-se à riqueza do seu óleo essencial, em cineol, macrocarpais, monoterpenos, alcalóides, eucaliptina, fenóis, flavonóides, ácido oleanólico e taninos. Sendo que a sua constituição varia de acordo com a espécie e origem da planta.

Os seus compostos ativos, nomeadamente, limoneno, pineno e cineol apresentam capacidade antimicrobiana (antifúngica e antibacteriana), por este motivo as folhas do Eucalipto também são usadas no tratamento de infeções, pneumonia, bronquite e dor de garganta.

Estudos in vitro e em animais também demonstraram a capacidade dos seus compostos ativos no controlo da glicémia.

Para além disto, possui capacidade de atuar como um anti-histamínico e capacidade antioxidante.

Biliografia

1. Silva J, Abebe W, Sousa SM, Duarte VG, Machado MIL, Matos FJA. Analgesic and anti-inflammatory effects of essential oils of Eucalyptus. J Ethnopharmacol. 2003. doi:10.1016/j.jep.2003.09.007
2. Dhakad AK, Pandey V V., Beg S, Rawat JM, Singh A. Biological, medicinal and toxicological significance of Eucalyptus leaf essential oil: a review. J Sci Food Agric. 2018. doi:10.1002/jsfa.8600
3. Hutchings A, Scott AH, Lewis G CA. Zulu medicinal plants: an inventory. Choice Rev Online. 1997. doi:10.5860/choice.34-6265
4. Dawoud ADH, Shayoub MEH SS. Effects of ethanolic leaf extract of Eucalyptus camaldulensis on oral glucose tolerance test in Type-2 Model diabetic rats. J Netw Commun Emerg Technol. 2015;2(2):6-8.
5. Sahin Basak S, Candan F. Chemical composition and in vitro antioxidant and antidiabetic activities of Eucalyptus camaldulensis Dehnh. essential oil. J Iran Chem Soc. 2010. doi:10.1007/BF03245882

A hamamélia (Hamamelis virginiana) é um arbusto proveniente da América do Norte, rica em taninos e flavonoides. A presença destas substâncias conferem-lhe importantes propriedades ao nível do tratamento dos distúrbios circulatórios. Os taninos são responsáveis pela ação venotónica, ou seja, ativam o fluxo sanguíneo devido ao aumento da contração dos vasos, veias e capilares. A presença de flavonoides explica os efeitos vasoprotetores sobre a microcirculação, sendo responsáveis pelo aumento da resistência de pequenas veias e capilares e pela diminuição da permeabilidade capilar, da qual resulta o edema e inflamação.⁠

Os extratos e destilados da casca da hamamélia são extensamente utilizados em dermocosmética, no tratamento de eczema atópico, pele irritada e queimadura solar e na promoção da cicatrização via efeito anti-inflamatório. As folhas e casca de hamamélia contêm cerca de 10% de taninos que contribuem para as suas propriedades adstringentes e demonstram efeito em lesões oxidativas induzidas por radicais.

Os polifenóis da planta demonstraram ainda ter elevada atividade antioxidante e efeito inibitório de determinadas enzimas, com potencial benefício no processo de cicatrização de feridas e na proteção da parede das veias e capilares.

Bibliografia

1. Narayana KR, Reddy MS, Chaluvadi MR, Krishna DR. Bioflavonoids classification, pharmacological, biochemical effects and therapeutic potential. Indian J Pharmacol. 2001;33(1):2-16.
2. Deters A, Dauer A, Schnetz E, Fartasch M, Hensel A. High molecular compounds (polysaccharides and proanthocyanidins) from Hamamelis virginiana bark: Influence on human skin keratinocyte proliferation and differentiation and influence on irritated skin. Phytochemistry. 2001;58:949-958. doi:10.1016/S0031-9422(01)00361-2
3. Thring TS, Hili P, Naughton DP. Antioxidant and potential anti-inflammatory activity of extracts and formulations of white tea, rose, and witch hazel on primary human dermal fibroblast cells. J Inflamm. 2011;8:1-7. doi:10.1186/1476-9255-8-27
4. Daz-Gonzlez M, Rocasalbas G, Francesko A, Tourio S, Torres JL, Tzanov T. Inhibition of deleterious chronic wound enzymes with plant polyphenols. In: Biocatalysis and Biotransformation. ; 2012. doi:10.3109/10242422.2012.646676

Calendula officinalis é uma planta anual nativa da zona mediterrânica. Na Europa e na América tem sido cultivada para utilização medicinal e ornamental. Tradicionalmente, vem sido a ser utilizada no tratamento de doenças inflamatórias cutâneas e internas, sendo mais prevalente o seu uso ao nível cutâneo, para o tratamento de queimaduras, hematomas, cortes, irritações e feridas superficiais.

As flores da calêndula contêm elevadas quantidades de compostos antioxidantes (flavonoides e polifenóis), sugerindo um efeito preventivo sobre os danos cutâneos provocado pela exposição à luz solar.

Bibliografia

1. Fonseca YM, Catini CD, Vicentini FTMC, et al. Protective effect of Calendula officinalis extract against UVB-induced oxidative stress in skin: Evaluation of reduced glutathione levels and matrix metalloproteinase secretion. J Ethnopharmacol. 2010;127(3):596-601.

A laranja é uma fruta rica em fibras, vitaminas A, vitamina C, flavonoides e betacaroteno com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que auxiliam no combate ao envelhecimento precoce, ajudam a reduzir o colesterol mau, protegendo de doenças cardiovasculares, e fortalecem o sistema imunitário. Além disso, a laranja também possui minerais como potássio e cálcio, necessários para a regulação da pressão arterial.

A laranja é uma fruta muito rica em fibras como pectina, celulose e hemicelulose, que auxiliam na digestão e ajudam o intestino a funcionar melhor, aumentando a formação do bolo fecal e acelerando o trânsito intestinal, sendo muito útil para combater a prisão de ventre.

As fibras presentes na laranja, principalmente a pectina, ajudam na redução do colesterol mau e dos triglicerídeos, que são responsáveis por formar placas de gordura nas artérias, pois diminuem a absorção de gorduras provenientes da alimentação, o que ajuda a reduzir o risco de doenças cardiovasculares como infarto, insuficiência cardíaca e derrame cerebral.

As fibras presentes na laranja, principalmente a pectina, ajudam na redução do colesterol ruim e dos triglicerídeos, que são responsáveis por formar placas de gordura nas artérias, pois diminuem a absorção de gorduras provenientes da alimentação, o que ajuda a reduzir o risco de doenças cardiovasculares como infarto, insuficiência cardíaca e derrame cerebral.

A laranja contém grandes quantidades de potássio, que é um mineral que ajuda a aumentar o relaxamento dos vasos sanguíneos, permitindo que o sangue circule com mais facilidade, ajudando a diminuir a pressão arterial, o que pode ser muito útil para pessoas que têm hipertensão.

A laranja é rica em fibras na sua composição que ajudam a reduzir a absorção de açúcar da alimentação pelo intestino e a controlar os níveis de glicemia, podendo ser um importante aliado no tratamento da diabetes

É rica em nutrientes como vitamina A, vitamina C, e folato, que estimulam a produção de glóbulos brancos que são células de defesa essenciais para prevenir e combater infecções e, por isso, a laranja ajuda a fortalecer o sistema imunitário.

Por ser rica em betacaroteno, vitamina A e vitamina C, que são antioxidantes e anti-inflamatórios, a laranja ajuda a combater os radicais livres que causam envelhecimento da pele. Além disso, a vitamina C da laranja estimula a produção de colágeno pela pele, diminuindo a flacidez e o aparecimento de rugas e linhas de expressão e a vitamina A protege a pele dos danos causados pelos raios ultravioletas do sol.

A laranja ajuda a prevenir a anemia porque é rica em vitamina C e ácido cítrico, que ajudam a aumentar a absorção do ferro da alimentação, um mineral essencial para a formação de hemoglobina, que é uma proteína responsável pelo transporte de oxigênio no sangue e que, quando está em falta no organismo, causa anemia.

É ainda rica em cálcio, fósforo e magnésio que são minerais fundamentais para fortalecer, aumentar a resistência e a densidade óssea, mantendo a saúde dos ossos, o que pode ajudar a prevenir doenças como osteoporose ou osteopenia, por exemplo.

Bibliografia:

1. Wisker, Elisabeth; Daniel, Martina; Feldheim, Walter. Effects of a fiber concentrate from citrus fruits in humans. Nutrition Research. 14. 3; 361-372, 1994.
2. Morand, Christine; et al. Hesperidin contributes to the vascular protective effects of orange juice: a randomized crossover study in healthy volunteers. Am J Clin Nutr. 93. 1; 73-80, 2011.
3. Franke, Silvia Isabel Rech. Orange juice and cancer chemoprevention. Nutr Cancer. 65. 7; 943-953, 2013.
4. Ballot, D.; et al. The effects of fruit juices and fruits on the absorption of iron from a rice meal. Br J Nutr. 57. 3; 331-343, 1987.
4. Tripoli, Elisa. Citrus flavonoids: Molecular structure, biological activity and nutritional properties: A review. Food Chemistry. 104. 2; 466-479, 2007.
5. Abeysingue, D.C.; et al. Bioactive compounds and antioxidant capacities in different edible tissues of citrus fruit of four species. Food Chemistry. 104. 4; 1338-1344, 2007.

Com alto poder antioxidante, a vitamina E contribui para aumentar a defesa da pele contra os radicais livres e as agressões externas, como a poluição, a radiação solar, as mudanças bruscas de temperatura, entre outros. Além do efeito fotoprotetor, também atua na hidratação, sendo um ótimo aliado para tratar peles sensíveis e prevenir o envelhecimento precoce.

Promove a integridade da pele e mantém as paredes celulares, aumentando a sua firmeza. Por isso, pode prevenir o envelhecimento precoce e o surgimento de rugas, melhora a cicatrização e algumas condições de pele. Combate o stress oxidativo e os radicais livres, restaurando as propriedades humidificantes naturais da pele diminuindo a perda transdérmica da água.

Bibliografia

1. Pekiner BD. Vitamin E as an antioxidant. J Fac Pharm, Ankara. 2003;32(4):243-267
2. Manela-Azulay M, Bagatin E. Cosmeceuticals vitamins. Clin Dermatol. 2009 Sep;27(5):469-474
3. Thiele JJ, Hsieh SN, Ekanayake-Mudiyanselage S. Vitamin E: critical review of its current use in cosmetic and clinical dermatology. Vol. 31, Dermatologic surgery : official publication for American Society for Dermatologic Surgery [et al.]. 2005
4. Burke K. Interaction of vitamins C and E as better cosmeceuticals. Dermatol Ther. 2007;20(5):314-321
5. Nachbar F, Korting H. The role of vitamin E in normal and damaged skin. J Mol Med. 1995;73(1):7-17

Um dos ativos mais utilizados na indústria cosmética, a vitamina C atua como um poderoso antioxidante, neutralizando os radicais livres que causam o envelhecimento da pele. O nutriente não apenas previne e minimiza rugas e linhas finas, como também reduz cicatrizes, aumenta a hidratação natural e estimula a produção de colagénio e elastina, melhorando a firmeza e combatendo a flacidez.

Tem a capacidade de incentivar a renovação celular. A consequência desta ação é a uniformização da textura e da tonalidade da pele, uma vez que o excesso de melanina é eliminado. Ela neutraliza os radicais livres – moléculas que, quando em excesso, atacam as células saudáveis, causando envelhecimento precoce. Atua como um filtro que impede a radiação solar de alcançar a pele. A melanina é a proteína responsável pelo aumento da pigmentação. Uma vez que a Vitamina C inibe a formação da mesma, contribuindo para uma pele com menos manchas.

Bibliografia

1. Farris PK. Cosmetical Vitamins: Vitamin C. In: Draelos ZD, Dover JS, Alam M, editors. Cosmeceuticals. Procedures in Cosmetic Dermatology. 2nd ed. New York: Saunders Elsevier; 2009. pp. 51–6.
2. Burke KE. Interaction of Vit C and E as better Cosmeseuticals. Dermatol Ther. 2007;20:314–9.
3. Geesin J, Darr D, Kaufman R, Murad S, Pinnell S. Ascorbic acid specifically increases type I and type III procollagen messenger RNA levels in human skin fibroblast. The Journal of Investigative Dermatology. 1988;90:420-424
4. Duarte T, Cooke M, Jones G. Gene expression profiling reveals new protective roles for vitamin C in human skin cells. Free Radical Biology & Medicine. 2009;46(1):78-8734.

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Face Clay Mask”
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Scroll to Top