Imunoprotec

(1 avaliação de cliente)

36,00 

Suplemento alimentar com: Acerola, Vitamina C, Astragalus, Equinácia, Sabugueiro, L-Arginina, L-Glutamina, Zinco e Selénio.

Apresentação: caixa com 50 cápsulas de 450 mg

REF: 20117.SP Categorias: ,
IngredientesToma Diária: 2 cápsulas
Tomas por embalagem: 25
%VRN
Extrato seco Malpighia glabra, Acerola75 mg**
(Vitamina C)(37,5 mg)46,87%
Extrato seco Astragalus membranaceus, Astragalus75 mg**
Extrato seco Echinacea angustifolia, Equinácia75 mg**
Extrato seco Sambucus nigra, Sabugueiro60 mg**
L-Arginina50 mg**
L-Glutamina50 mg**
Zinco10 mg100%
Selénio55 mg100%
*VRN estabelecida pelo Regulamento (UE) Nº 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Outubro de 2011. **VRN (valor de referência nutricional não estabelecida)

Informações Complementares

Tomar 2 cápsulas por dia, ao pequeno almoço e ao jantar.

Agente de volume: Celulose Microcristalina; Agente de Revestimento: Gelatina; Extrato Seco Malpighia glabra, Acerola – Fruto 50% Vitamina C, ratio 3:1; Extrato Seco Astragalus Membranaceus, Astragalus – Raíz, 16% Polissacarídeos, ratio 5:1; Extrato Seco Echinacea Angustifolia, Equinácia – Raíz 1% Echinacosidos, ratio 3:1; Gluconato de Zinco (Zinco); Extrato Seco Sambucus Nigra, Sabugueiro – fruto 1% Antocianosidos, ratio 5:1; L-Arginina Base; L-Glutamina; Antiaglomerante: Sais de Magnésio de Ácidos Gordos; Selenito Sódico (Selénio).

✔ A vitamina C contribui para o normal metabolismo produtor de energia.
✔ A vitamina C contribui para o normal funcionamento do sistema nervoso.
✔ A vitamina C contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário.
✔ A vitamina C contribui para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.
✔ A vitamina C contribui para a redução do cansaço e da fadiga.
✔ A vitamina C aumenta a absorção de ferro.
✔ A vitamina C contribui para a regeneração da forma reduzida da vitamina E.
✔ O selénio contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário.
✔ O selénio contribui para o normal funcionamento da tiroide.
✔ O selénio contribui para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.
✔ O zinco contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário.
✔ O zinco contribui para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.
✔ O zinco contribui para uma normal função cognitiva.
✔ O zinco contribui para o normal metabolismo da vitamina A.

Não exceder a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. É importante um regime alimentar equilibrado e um modo de vida saudável. Em caso de gravidez ou amamentação a toma deve ser feita sob indicação médica. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade, alergia e quando estejam descritas interações de outro produto com qualquer um dos constituintes da formulação. Preservar ao abrigo da luz, do calor e da humidade. Conservar em local seco na embalagem original e a temperatura inferior a 25ºC. Manter fora do alcance e da visão das crianças.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorreções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

A Acerola é uma fruta originária das Antilhas, cultivada nos Estados Unidos, Japão e muito popular nas Caraíbas e América Central e Sul, onde é vastamente consumida. É conhecida pela sua resistência, desenvolvendo-se facilmente em diferentes condições climatéricas. Atualmente, é considerada um alimento funcional devido ao seu potencial na saúde humana.

O interesse crescente da comunidade científica nesta fruta recai nas suas concentrações elevadas em Vitamina C (1500–4500mg/100g alimento), sendo uma das fontes naturais mais ricas nesta vitamina. Comparando, por exemplo, com uma laranja, a Acerola contém cerca de 50 a 100 vezes mais vitamina C do que a primeira, o que se traduz num elevado poder antioxidante. Contém quantidades apreciáveis de carotenoides, antocianinas e flavonoides, que lhe conferem propriedades biofuncionais. Alguns estudos têm reportado que a vitamina C presente na Acerola é mais biodisponível, isto é, mais facilmente absorvida do que vitamina C sintética.

Para além da sua prevalente atividade antioxidante, apresenta outras propriedades relevantes, como a anti-inflamatória, a hepatoprotetora, a antigenotóxica, a antimutagénica e antitumoral, a antimicrobiana, anti-obesogénica, a antihiperglicémica, a antihiperlipidémica e atua na prevenção do envelhecimento.

Bibliografia

1. Prakash A, Baskaran R. Acerola, an untapped functional superfruit: a review on latest frontiers. J Food Sci Technol. 2018.
2. Cruz RG da, Beney L, Gervais P, Lira SP de, Vieira TMF de S, Dupont S. Comparison of the antioxidant property of acerola extracts with synthetic antioxidants using an in vivo method with yeasts. Food Chem. 2019;277:698-705.
3. Delva L, Schneider RG. Acerola (Malpighia emarginata DC): Production, Postharvest Handling, Nutrition, and Biological Activity. Food Rev Int. 2013;29(2):107-126.
4. Uchida E, Kondo Y, Amano A, et al. Absorption and excretion of ascorbic acid alone and in acerola (Malpighia emarginata) juice: comparison in healthy Japanese subjects. Biol Pharm Bull. 2011.
5. Assis SA De, Fernandes FP, Martins ABG, Oliveira OMMDF. Acerola: importance, culture conditions, production and biochemical aspects. Fruits. 2008.
6. Belwal T, Devkota HP, Hassan HA, et al. Phytopharmacology of Acerola (Malpighia spp.) and its potential as functional food. Trends Food Sci Technol. 2018; 74:99-106.

A Vitamina C – ácido ascórbico, é uma vitamina essencial hidrossolúvel e um cofator essencial para a biossíntese de colagénio, intervém no metabolismo da carnitina, das catecolaminas e na absorção de Ferro, desempenhado um papel importante na saúde. O organismo humano é incapaz de a sintetizar e, por isso, deve ser subministrada de forma exógena através da alimentação, nomeadamente pelo consumo de frutas e vegetais, ou de suplementação.

Antioxidante de excelência, garante a proteção das biomoléculas existentes no nosso organismo contra os danos oxidativos causados por metabolitos pró-oxidantes, gerados pelo metabolismo celular ou pela exposição a toxinas e poluentes. Tendo a Vitamina C um elevado potencial anti-inflamatório e um carácter protetor contra a ocorrência de danos oxidativos, o seu aporte adequado desempenha um papel relevante na prevenção e na progressão de várias doenças crónicas e agudas, sobretudo em condições nas quais o stress oxidativo é elevado, como ocorre no caso das infeções. No entanto, muitos dos efeitos benéficos da ingestão de Vitamina C não estão ainda totalmente esclarecidos.

Possui atividade imunomoduladora, inibindo a ativação excessiva do sistema imunitário e prevenindo danos tecidulares, contribui para a atividade antihistamínica e estimula a atividade de células da imunidade inata e adquirida, nomeadamente através da diferenciação de células T, modulação da síntese de citocinas e da expressão de moléculas adesivas, conferindo uma maior resistência a infeções. Diversos estudos indicam que a Vitamina C poderá aliviar ou prevenir infeções causadas por bactérias, vírus e protozoários. A constipação comum, é o exemplo mais bem estudado, tendo ficado estabelecido que a suplementação com Vitamina C reduz efetivamente a duração da sintomatologia. Vários outros estudos também demonstram uma ação antimicrobiana proveniente da Vitamina C, podendo ser útil no tratamento de infeções urinárias. Atua através da inibição do crescimento de S. aureus, E. faecalis, H. pylori, Campylobacter, Mycobacterium, E. coli, K. pneumomoniae e Aspergillus, potencia a ação de alguns antibióticos e impede o desenvolvimento de biofilmes. Desta forma, a deficiência em Vitamina C pode comprometer a imunidade e levar a uma maior suscetibilidade às infeções.

A Vitamina C intervém no metabolismo produtor de energia, contribuindo para a redução da sensação de cansaço e de fadiga. Um estudo que relacionou o pool de Vitamina C com o desempenho físico e o stress oxidativo, concluiu que baixos níveis de Vitamina C estão associados a baixo desempenho físico, e que a suplementação com Vitamina C reduz o stress oxidativo e pode aumentar o desempenho físico, em estados de hipovitaminose.

A vitamina C é também um cofator essencial na biossíntese de colagénio, contribuindo para a vitalidade da pele e cabelo. Esta vitamina contribui para o crescimento de células papilares de cabelo humano, e como desempenha um papel essencial na absorção de ferro, pode ser especialmente relevante no tratamento da queda de cabelo associada à carência deste mineral. O seu caráter antioxidante é especialmente importante ao nível da pele, pois apesar da vitamina C não conseguir absorver a luz UV, desempenha uma ação fotoprotetora que favorece a neutralização dos radicais livres, cuja acumulação pode levar ao fotoenvelhecimento e à formação precoce de rugas. Desempenha ainda uma ação reequilibrante do ponto de vista hídrico, potenciando a suavidade e elasticidade da pele. Para além disto, o ácido ascórbico, ao interagir com os iões de cobre e inibir a ação das enzimas tirosinases – enzimas implicadas na formação de manchas na pele, diminuindo assim a formação deste pigmento cutâneo, ajudando a minimizar situações de hiperpigmentação.

A deficiência em Vitamina C afeta o normal metabolismo do corpo sendo um fator de risco para a saúde, especialmente nos casos mais severos, podendo resultar em escorbuto, situação potencialmente fatal. O escorbuto é caracterizado pelo enfraquecimento das estruturas de colagénio, resultando em má cicatrização de feridas e diminuição da imunidade, estando o organismo mais suscetível à ocorrência de infeções potencialmente fatais, como pneumonia. A deficiência severa e prolongada de Vitamina C também poderá ocasionar alterações oculares resultantes de hemorragias subconjuntivais e orbitais, uma vez que esta vitamina auxilia na manutenção da integridade dos vasos sanguíneos e tecidos conjuntivos, além de suprimir os radicais livres gerados pela elevada atividade metabólica. Portanto, a suplementação de vitamina C é essencial em caso de défice para a manutenção da saúde. As necessidades diárias de Vitamina C também estão aumentadas em pacientes com condições como gengivite, asma, glaucoma, distúrbios de colagénio, insolação, artrite, infeções (pneumonia, sinusite, febre reumática) e doenças crónicas, distúrbios vasculares e queimaduras graves, sendo necessário suplementar para além do VRN em casos de infeção, para compensar o aumento da resposta inflamatória. Alguns especialistas acreditam que as doses diárias recomendadas (80 mg) são baixas para suportar a função ótima da Vitamina C. A suplementação com esta vitamina é bem tolerada e segura, sem risco de toxicidade.

Bibliografia

1. Du L Da, Kong XY, Du GH. Vitamin C. Natural Small Molecule Drugs from Plants. 2018: 653-658.
2. Carr AC, Maggini S. Vitamin C and immune function. Nutrients. 2017; 9(1211):1-25.
3. Muhammad Abdullah; Radia T. Jamil; Fibi N. Attia. Vitamin C (Ascorbic Acid). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK499877/. Published 2019. Accessed February 28, 2020.
4. Grosso G, Bei R, Mistretta A, et al. Effects of vitamin C on health: A review of evidence. Front Biosci. 2013;18:1017-1029.
5. Schlueter AK, Johnston CS. Vitamin C: overview and update. Complement Health Pract Rev. 2011;16(1):49-57.
6. Chambial S, Dwivedi S, Shukla KK, et al. Vitamin C in disease prevention and cure: an overview. Indian J Clin Biochem. 2013;28(4):314-328.
7. Hemilä H, Chalker E. Vitamin C for preventing and treating the common cold. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2013.
8. Montorsi F, Gandaglia G, Salonia A, et al. Effectiveness of a combination of Cranberries, Lactobacillus rhamnosus, and Vitamin C for the management of recurrent urinary tract infections in women: results of a pilot study. Eur Urol. 2016.
9. Hussain A, Tabrez E, Peela JR, et al. Vitamin C: a preventative, therapeutic agent against Helicobacter pylori. Cureus. 2018.
10. Paschalis V, Theodorou AA, Kyparos A, et al. Low vitamin C values are linked with decreased physical performance and increased oxidative stress: reversal by vitamin C supplementation. Eur J Nutr. 2016; 55:45-53.
11. Haneke E, Baran R. Micronutrients for hair and nails. Nutrition for healthy skin: strategies for clinical and cosmetic practice. 2011.
12. Almohanna HM, Ahmed AA, Tsatalis JP, et al. The role of vitamins and minerals in hair loss: a review. Dermatol Ther (Heidelb). 2019; 9(1):51-70.
13. Telang PS. Vitamin C in dermatology. Indian Dermatol Online J. 2013; 4(2):143-146.
14. Al-Niami F, Yi Zhen Chiang N. Topical Vitamin C and the skin : mechanisms of action and clinical applications. J Clin Aesthethetic Dermatology. 2017; 10(7):14-17.
15. McCusker MM, Durrani K, Payette MJ, et al. An eye on nutrition: the role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataract. Clin Dermatol. 2016; 34:276-285.
16. Whatham A, Bartlett H, Eperjesi F, et al. Vitamin and mineral deficiencies in the developed world and their effect on the eye and vision. Ophthalmic Physiol Opt. 2008.
17. Mousavi S, Bereswill S, Heimesaat MM. Immunomodulatory and antimicrobial effects of vitamin C. Eur J Microbiol Immunol. 2019.

A raiz de Astrágalo tem uma longa história de aplicação clínica na medicina tradicional chinesa. Considerada uma planta adaptogénia, tem sido utilizada no tratamento de uma variedade de infeções, distúrbios de imunodeficiência e como adjuvante da quimioterapia, fraqueza, fadiga, apatia e falta de apetite. Foi já demonstrado que aumenta a produção de leucócitos, particularmente células T e macrófagos, apoiando a resistência imunitária e que melhora a função cardíaca e adrenal.

Dos seus componentes destacam-se o polissacarídeo Astragalus – o principal responsável pelas suas atividades farmacológicas, especialmente a de regulação do sistema imunitário, para além de conter flavonóides, alcalóides, saponinas, etc.

Esta raiz é também reconhecida pela sua elevada capacidade antioxidante e suas propriedades anti-envelhecimento e anti-cancerígenas. Para além disso, destacam-se outras bioatividades identificadas para este extrato, como a atividade antiperspirante, anti-inflamatória, diurética, tónica ou energizante, antidiabética, hipolipemiante, antiviral, antimicrobiana, hepatoprotetora e neuroprotetora.

Bibliografia

1. Upton R. Astragalus. Encyclopedia of Dietary Supplements. 2004.
2. Block KI, Mead MN. Immune system effects of echinacea, ginseng, and astragalus: a review. Integr Cancer Ther. 2003.
3. Zheng Y, Ren W, Zhang L, Zhang Y, Liu D, Liu Y. A Review of the Pharmacological Action of Astragalus Polysaccharide. Front Pharmacol. 2020.
4. Li X, Qu L, Dong Y, et al. A review of recent research progress on the Astragalus genus. Molecules. 2014.

O género Echinacea pertence à família Asteraceae e compreende um pequeno número de espécies de plantas nativas da América do Norte, entre elas a Echinacea Purpurea, com uma longa história de utilização para fins terapêuticos.

Tradicionalmente, a Equinácea era descrita como um agente “anti­-infeccioso” e era utilizada em infeções bacterianas e virais, septicémia, condições da pele, na cica­trização de feridas e amigdalite.

O interesse atual no uso medicinal da Equinácea foca-se nos seus efeitos imunomoduladores, particularmente no tratamento e prevenção de constipações comuns e outras infeções do trato respiratório superior.

As preparações com Equinácea atuam a vários níveis na estimulação da resposta imune, devido ao seu conteúdo em polissacarídeos. Desde ativação dos ma­crófagos que eliminam microorganismos invasores do orga­nismo humano, pelo aumento da resistência dos linfócitos (células protetoras do sistema imunitário) e estimulação da produção de citocinas – mediadores químicos que atuam na atividade imune no nosso organismo. Tem, ainda, capacidade de ativação de leucócitos polimorfo­nucleares, células NK e alterações nos leucócitos T e B.

É consensual entre os estudos que a Equinácea é eficaz na redução da duração e gravidade dos sintomas, embora entre os seus compostos ativos identificados, não seja completamente conhecido o mecanismo de ação, biodisponibilidade, po­tência e sinergias.

Para além disto, esta planta tem atividade antiviral, antibacteriana, antifúngica e potencial anti-inflamatório, hepatoprotetor e antimutagénico.

Bibliografia

1. Joanne Barnes, Linda A Anderson, Simon Gibbons JDP. Echinacea species (Echinacea angustifolia (DC.) Hell., Echinacea pallida (Nutt.) Nutt.,Echinacea purpurea (L.) Moench): a review of their chemistry, pharmacology and clinical properties. J Pharm Pharmacol. 2005;57(8):929-954. doi:10.1211/0022357056127
2. Echinacea purpurea. J Soc Integr Oncol. 2007. doi:10.2310/7200.2007.012
3. Hu C, Kitts DD. Studies on the antioxidant activity of Echinacea root extract. J Agric Food Chem. 2000;48(5):1466-1472. doi:10.1021/jf990677+
4. Barrett B. Medicinal properties of Echinacea: A critical review. Phytomedicine. 2003;10(1):66-86. doi:10.1078/094471103321648692
5. Percival SS. Use of echinacea in medicine. Biochem Pharmacol. 2000;60(2):155-158. doi:10.1016/S0006-2952(99)00413-X

O Sabugueiro (Sambucus nigra) é um arbusto de folha caduca, nativo das ilhas britânicas e da Europa 1, rico em nutrientes como hidratos de carbono e fibras, proteínas e aminoácidos, ácidos gordos, minerais, vitaminas e óleos essenciais.

Esta planta é reconhecida na medicina tradicional como terapêutica para vários tipos de doenças. Usada principalmente para tratar sintomas relacionados com a constipação comum, condições febris, tosse, congestão nasal, além de fortalecer o sistema imunitário.

As suas folhas eram usadas no tratamento de contusões e entorses, feridas, inflamações oculares e dores de cabeça. As flores eram utilizadas no tratamento de doenças pulmonares, tumores e furúnculos. No entanto, são necessários mais estudos para comprovar a sua eficácia no tratamento de doenças.

As suas propriedades farmacológicas resultam, entre outras coisas, da presença de flavonóides. Os frutos e flores desta planta são ricos em compostos bioativos como polifenóis e antrocianinas responsáveis pela sua elevada capacidade antioxidante, que se relaciona com as suas propriedades promotoras de saúde. As suas folhas têm capacidades antipiréticas e diuréticas devido à presença de flavonóides.

Foi demonstrado que o Sabugueiro possui principalmente propriedades antibacterianas e antivirais, pode reduzir a concentração de açúcar e lípidos no sangue e até exibir propriedades antidepressivas e antitumorais.

Atualmente, estão a ser desenvolvidos remédios e suplementos alimentares para a constipação, gripe e outras doenças infeciosas utilizando flores ou frutos de Sambucus nigra.

As folhas de Sambucus nigra contêm glicosídeos cianogénicos a partir dos quais o cianeto de hidrogénio é libertado por ação enzimática, embora não seja geralmente considerado venenosa.

Na formulação do Guardião foram utilizadas as flores desta planta, por ter grande capacidade antioxidante, antiviral e antibacteriana, sendo capaz de proteger contra infeções do trato respiratório superior, ao invés das suas folhas pelo risco acrescido de toxicidade.

Em súmula, o Sabugueiro tem sido usado na medicina tradicional como agente sudorífero, antipirético e diurético, tendo sido recentemente descoberto que tem também propriedades antibacteriana, antiviral, antidepressiva, anti-tumoral, hipoglicemiante, antihipertensora, antidislipidémica e imunoestimulante.

Bibliografia

1. Atkinson MD, Atkinson E. Sambucus nigra L. J Ecol. 2002.
2. Młynarczyk K, Walkowiak-Tomczak D, Łysiak GP. Bioactive properties of Sambucus nigra L. As a functional ingredient for food and pharmaceutical industry. Journal of Functional Foods. 2018.
3. Dawidowicz AL, Wianowska D, Baraniak B. The antioxidant properties of alcoholic extracts from Sambucus nigra L. (antioxidant properties of extracts). LWT – Food Sci Technol. 2006.
4. Mikulic-Petkovsek M, Ivancic A, Schmitzer V, et al. Comparison of major taste compounds and antioxidative properties of fruits and flowers of different Sambucus species and interspecific hybrids. Food Chem. 2016.
5. Sidor A, Gramza-Michałowska A. Advanced research on the antioxidant and health benefit of elderberry (Sambucus nigra) in food – a review. Journal of Functional Foods. 2015.

A L-Arginina é um dos aminoácidos naturais mais versáteis metabolicamente, uma vez que é o percursor da síntese de várias substâncias com papel crucial no organismo. Sendo convertida em óxido nítrico, que desempenha um papel relevante ao nível da neurotransmissão, neuroprotecção, aprendizagem e memóriavasodilatação, citotoxicidade e imunidade, para além de servir como precursor na síntese de glutamato – poliamina essencial na proliferação e diferenciação celular; da creatinina – essencial na contração muscular; e da ureia – no ciclo que permite a sua eliminação do organismo. Para além disso, este aminoácido estimula a produção de hormonas, como a hormona do crescimento, a insulina, entre outras substâncias. Quando consumida em doses superiores na dieta, apresenta múltiplos efeitos farmacológicos benéficos que incluem a redução do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e de disfunção sexual, promove a inibição de hiperacidez gástrica e conduz a melhorias na resposta imunitária, sensibilidade à insulina, atividade muscular, cicatrização e na função do sistema nervoso central. A L-Arginina administrada de forma exógena causa rápida redução das tensões arteriais sistólica e diastólica em indivíduos saudáveis e hipertensos, atenuando também a reatividade plaquetar e melhorando a função endotelial na hipercolesterolémia e aterosclerose. Tem demonstrado, ainda, benefícios na redução dos triglicerídeos séricos, na cicatrização de feridas e na performance atlética, sendo utilizada como um agente ergogénico.

Bibliografia

1. Boger RH. The Pharmacodynamics of L -Arginine. J Nutr. 2007;137:1650-1655.
2. Shao A, Hathcock JN. Risk assessment for the amino acids taurine, l-glutamine and l-arginine. Regul Toxicol Pharmacol. 2008;50(3):376-399.
3. Gad MZ. Anti-aging effects of L-arginine. J Adv Res. 2010;1:169-177.
4. McRae MP. Therapeutic Benefits of L-Arginine: an umbrella review of meta-analyses. J Chiropr Med. 2016.
5. Viribay A, Burgos J, Fernández-Landa J, et al. Effects of arginine supplementation on athletic performance based on energy metabolism: A systematic review and meta-analysis. Nutrients. 2020.
6. Sepandi M, Abbaszadeh S, Gobady S, et al. Effect of L-Arginine supplementation on lipid profiles and inflammatory markers: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Pharmacol Res. 2019.
7. Schneider KL, Yahia N. Effectiveness of Arginine Supplementation on Wound Healing in Older Adults in Acute and Chronic Settings: a systematic review. Adv Ski Wound Care. 2019.

A glutamina é um aminoácido que está presente em grandes quantidades no organismo, sendo conhecido como um imunonutriente, pois participa na produção de antioxidantes e na manutenção das funções das células de defesa do organismo, fortalecendo o sistema imunitário.

Além disso, a glutamina ajuda a melhorar as funções das células no intestino, equilibrando a flora intestinal e auxiliando no tratamento de problemas, como prisão de ventre, diarreia, colite ou doença de Crohn.

A glutamina é a principal fonte de energia para intestino, pois estimula o crescimento e fortalecimento das células, o que promove o equilíbrio da flora intestinal e ajuda a prevenir e combater problemas como prisão de ventre, diarreia ou câncer de intestino.

Além disso, por fortalecer as bactérias benéficas no intestino, a glutamina também auxilia no tratamento de doenças inflamatórias intestinais, como colite ou Crohn.

A glutamina é um aminoácido que atua como um antioxidante, ajudando a prevenir doenças do coração, como infarto, aterosclerose ou derrame, pois auxilia no combate ao excesso de radicais livres, compostos produzidos no organismo através do fumo, stress, da ingestão de álcool e alimentos processados, por exemplo.

É uma importante fonte de energia para as células de defesa do organismo, fortalecendo o sistema imunitário. Por isso, a suplementação com este aminoácido é recomendada para pessoas que estão se recuperando de lesões, queimaduras e cirurgias, já que ajuda a acelerar a cicatrização e prevenir infecções.

Bibliografia:

1. Cruzat, F, Vinicius et al. Amino acid supplementation and impact on immune function in the context of exercise. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol.61. 11.ed; 1-13, 2014.
2. Curi R., Lagranha C.J., Doi S.Q., Sellitti D.F., Procopio J., Pithon-Curi T.C., Corless M., Newsholme P. Molecular mechanisms of glutamine action. J. Cell. Physiol. 2005;204:392–401.
3. Newsholme P. Why is l-glutamine metabolism important to cells of the immune system in health, postinjury, surgery or infection? J. Nutr. 2001;131:2514S–2523S.
4. Wernerman J. Clinical use of glutamine supplementation. J. Nutr. 2008;138:2040S–2044S.

O Zinco é um oligoelemento essencial, o que significa que não é produzido pelo organismo, sendo ne­cessário ingeri-lo na dieta ou através de suplementação alimentar para manter o seu aporte adequado e prevenir doenças inerentes ao seu défice. Este elemento é necessário por aproximadamente 300 enzimas no metabolismo celular – como a superóxido dismutase, com função antioxidante intracelular. Os seus efeitos anti-inflamatórios estão bem documentados e por outro lado, a inflamação, aguda ou crónica, induz alterações metabólicas e fisiológicas deste mineral.

Tem particular interesse, também, pela sua contribuição para o crescimento, desenvolvimento, cicatrização de feridas, função imune e síntese de colagénio, entre ou­tras funções, não se conhecendo o mecanismo do seu efeito no folículo capilar.

O Zinco está associado a múltiplos aspetos do sistema imunitário, sendo crucial para o normal desen­volvimento e função das células da imunidade inata. Tem ainda capacidade antioxidante e estabilizadora de membranas, sugerindo um papel na prevenção de danos oxidativos em processos inflamatórios. De facto, estudos apontam para os benefícios da suplementação com Zinco nas doenças infeciosas, reduzindo a in­cidência e duração de diarreias e infeções do trato respiratório inferior como as constipações.

A capacidade cicatrizante do Zinco também é bastante reconhecida. Apresentando-se como um aliando importante na cicatrização de tecidos como o epitélio (tecido intestinal, importante cicatrizar em doentes com doença de Crohn), gástrico (tecido do estômago, em doentes com úlceras ou gastrites), tecido pulmonar (importante em fumadores) ou em pessoas pós-cirurgia para promover a cicatrização do tecido invadido. Assim sendo, a suplementação oral com Zinco pode ser benéfica no tratamento de pessoas com úlceras, por potenciar a multiplicação celular.

Este mineral também parece ter importância ao nível da visão. A córnea tem a maior concentração de Zinco de todos os tecidos do organismo onde poderá desempe­nhar um papel protetor. Estudos da doença ocular relacionada com a idade (AREDS) concluíram que pacientes suplementados com Zinco apresentam uma redução na probabilidade de desenvolvimen­to de degeneração macular e redução na progressão da doença. Para além disto, a deficiência em Zinco poderá causar cegueira noturna, edema da córnea com possível progressão para opacidade da córnea, assim como conjuntivite seca que poderá progredir para secura ocular (xe­roftalmia) e queratomalácia.

A deficiência de Zinco é um grande pro­blema para a saúde e afeta o crescimento do cabelo e unhas, sendo que a alopécia se apresenta como sinal de carência deste mineral, com melhorias após suplementação oral. Para além disto, resulta em sintomas como dermatite, perda de peso, diarreia, infeções e disfunção imunológica, hipogonadismo e problemas de cicatrização de úlceras.

Estudos mostram que doentes que so­frem de Alzeimer, Esclerose Lateral Amiotrófica, Lesão Cerebral, Depressão, Esquizofrenia e Parkinson apresentam níveis inferiores de Zinco, pelo que, a sua suplementação deve ser tida em conta nestas situações.

A suplementação com Zinco também parece reduzir o risco de aterosclerose e proteger contra o enfarte do mio­cárdio e lesão isquémica.

Resumidamente, o aporte adequado de Zinco contribui para o normal funcionamento do sistema imu­nitário, para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis, para o normal metabolismo dos hidratos de carbono, lípidos e proteínas, para a regene­ração celular e manutenção da pele, cabelo, unhas, visão e ossos normais, para a manutenção de níveis normais de testosterona no sangue e para uma fertilidade, reprodução e função cognitiva normais.

Bibliografia

1. Silverio Amancio OM, Alves Chaud DM, Yanaguibashi G, Esteves Hilário MO. Copper and zinc intake and serum levels in patients with juvenile rheumatoid arthritis. Eur J Clin Nutr. 2003. doi:10.1038/sj.ejcn.1601601
2. Milanino R, Marrella M, Gasperini R, Pasqualicchio M, Velo G. Copper and zinc body levels in inflammation: An overview of the data obtained from animal and human studies. Agents Actions. 1993:195-209. doi:10.1007/BF01998974
3. Sahebari M, Ayati R, Mirzaei H, et al. Serum Trace Element Concentrations in Rheumatoid Arthritis. Biol Trace Elem Res. 2016. doi:10.1007/s12011-015-0501-6
4. Xin L, Yang X, Cai G, et al. Serum Levels of Copper and Zinc in Patients with Rheumatoid Arthritis: a Meta-analysis. Biol Trace Elem Res. 2015. doi:10.1007/s12011-015-0325-4
5. Goldberg LJ, Lenzy Y. Nutrition and hair. Clin Dermatol. 2010;28:412-419. doi:10.1016/j.clindermatol.2010.03.038
6. Prasad AS. Zinc in human health: Effect of zinc on immune cells. Mol Med. 2008;14(5-6):353-357. doi:10.2119/2008-00033.Prasad
7. Choi S, Liu X, Pan Z. Zinc deficiency and cellular oxidative stress: Prognostic implications in cardiovascular diseases review-article. Acta Pharmacol Sin. 2018. doi:10.1038/aps.2018.25
8. McCusker MM, Durrani K, Payette MJ, Suchecki J. An eye on nutrition: The role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataract. Clin Dermatol. 2016;34:276-285. doi:10.1016/j.clindermatol.2015.11.009
9. Whatham A, Bartlett H, Eperjesi F, et al. Vitamin and mineral deficiencies in the developed world and their effect on the eye and vision. Ophthalmic Physiol Opt. 2008;28(1):1-12. doi:10.1111/j.1475-1313.2007.00531.x
10. Haneke E, Baran R. Micronutrients for hair and nails. In: Nutrition for Healthy Skin: Strategies for Clinical and Cosmetic Practice. ; 2011. doi:10.1007/978-3-642-12264-4_14
11. Muhamed PK VS. Zinc is the most important trace element. Ugeskr laeger. 2014.
12. Portbury SD, Adlard PA. Zinc signal in brain diseases. Int J Mol Sci. 2017. doi:10.3390/ijms18122506

O Selénio é um oligoelemento de grande importância para o corpo humano, uma vez que integra um aminoácido presente em 25 proteínas do nosso organismo.

Está envolvido em diversas funções fisiológicas como o metabolismo, síntese das hormonas da tiroide, síntese do ADN, fertilidade, reprodução e resposta imunitária.

Para além disto, tem funções antioxidantes, é essencial na manutenção do sistema nervoso central e do cérebro, na prevenção da sarcopenia e de doenças cardiovasculares.

É incorporado em selenoproteínas que têm um amplo espetro de papéis estruturais e enzimáticos, antioxidantes e anti-inflamatórios, estando a sua carência associada ao aumento do risco de mortalidade, pobre função imune e declínio cognitivo.

A deficiência em Selénio pode causar degeneração necrótica hepática problemas de fertilidade no homem, deficiência de iodo, cansaço muscular e cardiomiopatia. Esta carência pode ocorrer em pessoas que têm uma dieta vegan, que se encontram a fazer diálise, pessoas com HIV ou que tenham problemas intestinais como doença de Crohn.

A concentração de Selénio vai diminuindo no corpo humano com o tempo e a sua suplementação é importante na prevenção de doenças relacionadas com a idade.

Ainda assim, a sua suplementação não deve ser administrada em pessoas com níveis adequados a elevados, sob risco de efeitos adversos, como o aumento do risco de diabetes mellitus tipo 2.

O Selénio entra na cadeia alimentar através das plantas que o incorporam do solo e à exceção da Castanha do Brasil, há poucas boas fontes nos países europeus devido à baixa disponibilidade nos solos.

Em súmula, o consumo de níveis adequados de Selénio contribui para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis, para o normal funcionamento do sistema imunitário, bem como para a manutenção de cabelo e unhas normais, espermatogénese e para o normal funcionamento da tiroide.

Bibliografia

1. Rayman MP. Selenium and human health. The Lancet. 2012.
2. Solovyev ND. Importance of selenium and selenoprotein for brain function: from antioxidant protection to neuronal signalling. Journal of Inorganic Biochemistry. 2015.
3. Dronkelaar C, Velzen A, Abdelrazek M, et al. Minerals and Sarcopenia; The Role of Calcium, Iron, Magnesium, Phosphorus, Potassium, Selenium, Sodium, and Zinc on Muscle Mass, Muscle Strength, and Physical Performance in Older Adults: a systematic review. J Am Med Dir Assoc. 2018; 19(1):6-11.
4. Santhosh KB, Priyadarsini KI. Selenium nutrition: how important is it? Biomedicine and Preventive Nutrition. 2014.
5. Cai Z, Zhang J, Li H. Selenium, aging and aging-related diseases. Aging Clinical and Experimental Research. 2019.
6. Hatfield DL, Tsuji PA, Carlson BA, Gladyshev VN. Selenium and selenocysteine: roles in cancer, health and development. Trends in Biochemical Sciences. 2014.
7. Rayman MP. The importance of selenium to human health. Lancet. 2000.
8. Thomson CD. Assessment of requirements for selenium and adequacy of selenium status: A review. European Journal of Clinical Nutrition. 2004.
9. Mehdi Y, Hornick JL, Istasse L, Dufrasne I. Selenium in the environment, metabolism and involvement in body functions. Molecules. 2013.
10. Fairweather-Tait SJ, Bao Y, Broadley MR, et al. Selenium in human health and disease. Antioxidants and Redox Signaling. 2011.
11. Burk RF, Hill KE. Regulation of Selenium Metabolism and Transport. Annu Rev Nutr. 2015.
12. Fairweather-Tait SJ, Collings R, Hurst R. Selenium bioavailability: current knowledge and future research requirements. American Journal of Clinical Nutrition. 2010.

1 avaliação de Imunoprotec

  1. Rosinda Lourenço (proprietário verificado)

Adicionar uma avaliação
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Imunoprotec
36,00 
Scroll to Top