Spell Vital

(1 avaliação de cliente)

40,00 

Suplemento alimentar com: Vinagreira, Arando, FOS (Fruto-oligossacarídeos), Acerola e Vitamina C.

Apresentação: caixa com 60 cápsulas de 520 mg

REF: 20113.SP Categorias: ,
IngredientesToma Diária: 2 cápsulas
Tomas por embalagem: 30
%VRN
Extrato Seco Hibiscus sabdariffa, Hibiscus320 mg**
Extrato Seco Vaccinium macrocarpon, Arando160 mg**
FOS (Fruto-oligossacarídeos)160mg**
Extrato Seco Malpighia punicifolia, Acerola24 mg**
Teor Mínimo 50% Vitamina C12 mg15%
*VRN estabelecida pelo Regulamento (UE) Nº 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Outubro de 2011. **VRN (valor de referência nutricional não estabelecida)

Informações Complementares

Tomar 1 cápsula 2 vezes ao dia.

Extrato Seco Hibiscus sabdariffa, Hibiscus; Agente de Revestimento; Gelatina; Agente de Volume – Celulose Microcristalina; Frutooligossacarídeos (FOS); Extrato Seco Vaccinium macrocarpon, Cranberry; Antiaglomerante – Dióxido de Silício; Extrato Seco Malpighia punicifolia, Acerola, Antiaglomerante – Estearato de Magnésio.

✔ A vitamina C contribui para a normal formação de colagénio para funcionamento normal dos vasos sanguíneos.
✔ A vitamina C contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário.
✔ A vitamina C contribui para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.
✔ A vitamina C contribui para o normal metabolismo produtor de energia.
✔ A vitamina C contribui para o normal funcionamento do sistema nervoso.
✔ A vitamina C contribui para uma normal função psicológica.
✔ A vitamina C contribui para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.
✔ A vitamina C contribui para a redução do cansaço e da fadiga.
✔ A vitamina C contribui para a regeneração da forma reduzida da vitamina E.
✔ A vitamina C aumenta a absorção de ferro.

Não exceder a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. É importante um regime alimentar equilibrado e um modo de vida saudável. Em caso de gravidez ou amamentação a toma deve ser feita sob indicação médica. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade, alergia e quando estejam descritas interações de outro produto com qualquer um dos constituintes da formulação. Preservar ao abrigo da luz, do calor e da humidade. Conservar em local seco na embalagem original e a temperatura inferior a 25ºC. Manter fora do alcance e da visão das crianças.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorreções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

O hibisco é rico em flavonoides, vitamina C e ácidos orgânicos, que proporcionam diversos benefícios para a saúde, como ajudar a controlar a pressão arterial e favorecer a perda de peso, por exemplo.

Pode ajudar a prevenir e a controlar a hipertensão arterial leve e moderada, já que pode favorecer o relaxamento dos vasos sanguíneos. Acredita-se que esse efeito seja devido à presença de antocianinas em sua composição, o que garante as propriedades antioxidantes e o efeito diurético.

Além de favorecer a diminuição da pressão arterial, o hibisco também pode ajudar a diminuir o colesterol “mau”, o LDL, e os triglicerídeos, além de promover o aumento do colesterol “bom”, o HDL. Esta ação pode ser devido à supressão na síntese de ácidos graxos no fígado, favorecendo a queima de gordura no organismo e a diminuição dos triglicerídeos a nível intestinal.

Pode também ajudar a regular o açúcar no sangue já que é capaz de inibir a atividade de algumas enzimas pancreáticas e intestinais que são responsável pela digestão dos carboidratos no intestino delgado, evitando, assim, picos de glicemia e uma excreção excessiva de insulina.

Devido à presença de polifenois, principalmente antocianinas, flavonoides e outros compostos fenólicos, como o galoil, o ácido clorogênico, a quercetina e o ácido cafeico, o consumo regular do chá de hibisco poderia favorecer a perda de peso e prevenir a obesidade.

O hibisco pode ajudar a inibir a produção de ácidos graxos no fígado, o que pode representar melhora do funcionamento do fígado e promover a prevenção do fígado gordo. Além disso, poderia fornecer enzimas responsáveis pela desintoxicação do organismo, reduzindo, assim, o dano hepático.

Possui propriedade antioxidante devido ao fato de ser rico em polifenóis, principalmente antocianinas, que inibem o stress oxidativo e evitam a formação dos radicais livres, assim como o dano que estes podem causar às células, prevenindo, assim, o envelhecimento precoce e o surgimento de doenças crónicas.

Também é conhecido por possuir propriedades antimicrobianas e, de acordo com alguns estudos, é capaz de auxiliar no combate das bactérias Escherichia coli e Klebsiella pneumoniae, que são os principais microrganismos associados a infecções urinárias.

Além disso, também possui propriedades diuréticas, ajudando a aumentar a quantidade de urina produzida, favorecendo a eliminação dessas bactérias e prevenindo o surgimento de infeções recorrentes. Acredita-se que isso aconteça devido à presença de antioxidantes que ajudam a regular a aldosterona, um hormônio que controla a produção de urina.

Bibliografia:

1.Jamrozik Daniel, et al. Hibiscus sabdariffa in Diabetes Prevention and Treatment—Does It Work? An Evidence-Based Review. Foods. 11. 1-32, 2022.
2. Alshami Isaam et al. Antimicrobial activity of Hibiscus sabdariffa extract against uropathogenic strains isolated from recurrent urinary tract infections. Asian Pacific Journal of Tropical Disease. 4. 4; 317-322, 2014.
3. Oyindamola Vivian et al. Beneficial Effects of Natural Bioactive Compounds from Hibiscus sabdariffa L. on Obesity. Molecules. 24. 1; 1-14, 2019.
4. Abdallah Emad. Antibacterial efficiency of the Sudanese Roselle (Hibiscus sabdariffa L.), a famous beverage from Sudanese folk medicine. Journal of Intercultural Ethnopharmacology. 5. 2; 186-190, 2016.
5. Da-Costa-Rocha Inês et al. Hibiscus sabdariffa L. – A phytochemical and pharmacological review. Food Chemistry. 165. 424-443, 2014.
6. Ajiboye Taofeek et al. Antioxidant and drug detoxification potentials of Hibiscus sabdariffa anthocyanin extract. Drug and Chemical Toxicology. 34. 2; 109-115, 2011.
7. Jalalyazdi Majid, et al. Efect of hibiscus sabdariffa on blood pressure in patients with stage 1 hypertension. Journal of Advanced Pharmaceutical Technology & Research . 10. 3; 107-111, 2019
8. Hong-Chou Chang et al. Hibiscus sabdariffa extract inhibits obesity and fat accumulation, and improves liver steatosis in humans. Food & Function – The Royal Society of Chemistry. 5. 4; 734-739, 2014.
9. Singh Pragya et al. Nutritional and Health Importance of Hibiscus Sabdariffa: A Review and Indication for Research Needs. Journal of Nutritional Health & Food Engineering. 6. 5; 1-4, 2017.
10. Jiménez-Ferrer, Enrique et al.. Diuretic Effect of Compounds from Hibiscus sabdariffa by Modulation of the Aldosterone Activity. Planta Medica. Vol.78. 1893-1898, 2012.
11. Mea, A. et al. Diuretic Activity of Hibiscus sabdariffa L. in Wistar Rats. International Journal of Pharmacology, Phytochemistry and Ethnomedicine. Vol.9. 10-17, 2018.
12. Suresh, V.; AMMAAN. Medicinal uses of Roselle (Hibiscus sabdariffa). Journal of Medicinal Plants Studies. Vol.5, n.4. 97-98, 2017.

O Arando Vermelho, também designado de Vaccinium macrocarpon, é uma fruta nativa da América do Norte que tem sido utilizada como alimento funcional devido aos seus potenciais benefícios na saúde. O Arando está bem classificado entre as frutas, especialmente devido à sua quantidade e qualidade de antioxidantes, já que apresenta um teor considerável de flavonoides, ácidos fenólicos (proantocianidinas) e outros fitoquímicos, para além de conter minerais essenciais, ácidos gordos, fibras dietéticas, provitamina A, vitamina C e vitaminas do complexo B1.

A pesquisa científica acerca dos benefícios do consumo deste fruto tem incidido sobre os benefícios relacionados com o trato urinário, a prevenção de doenças cardio metabólicas, com o cancro, a saúde digestiva e a microbiota intestinal.

O seu sumo é há muito associado à potencial prevenção de infeções do trato urinário, uma propriedade ligada aos efeitos anti-adesão das suas proantocianidinas e poliflavonois contra estirpes patogénicas e Escherichia coli. Além de inibir a ligação da E.coli na mucosa intestinal, as proantocianidinas inibem a adesão de outros micróbios no epitélio da bexiga, da Helicobacter pylori na mucosa gástrica e duodenal e do Streptococcus mutans na hidroxiapatite do dente. Outro mecanismo de ação proposto para o Arando é produção não enzimática de óxido nítrico em condições acídicas que, por sua vez, pode criar um potencial ambiente bacteriostático no trato urinário. A propriedade anti-biofilme também é demonstrada para a Pseudomona aeruginosa, sugerindo que pode ser útil para infeções causadas por este microrganismo, bem como para a Candida albicans.

Os seus constituintes também têm demonstrado suprimir o crescimento de uma variedade de células cancerosas in vitro e em estudos animais (pulmão, cólon, mama, oral, ovário, próstata, bexiga, esófago e intestino).

A crescente literatura científica indica que os polifenóis encontrados nos arandos podem contribuir ainda para a redução do risco de doenças cardiovasculares, por aumentarem a resistência à oxidação do colesterol LDL, por inibição da agregação plaquetária, por redução da tensão arterial e outros mecanismos antitrombóticos e anti-inflamatórios.

Bibliografia

1. Abeywickrama G, Debnath SC, Ambigaipalan P, Shahidi F. Phenolics of Selected Cranberry Genotypes (Vaccinium macrocarpon Ait.) and Their Antioxidant Efficacy. J Agric Food Chem. 2016;64(49):9342-9351.
2. Zhao S, Liu H, Gu L. American cranberries and health benefits – an evolving story of 25 years. J Sci Food Agric. 2020.
3. Dong B, Zimmerman R, Dang L PG. Cranberry for the Prevention and Treatment of Non-Complicated Urinary Tract Infections. SOJ Pharm Sci. 2019.
4. Wu X, Song M, Cai X, et al. Chemopreventive Effects of Whole Cranberry (Vaccinium macrocarpon) on Colitis-Associated Colon Tumorigenesis. Mol Nutr Food Res. 2018;62:1-8.
5. Yarnell E. Botanical medicines for the urinary tract. World J Urol. 2002;20:285-293.
6. McKay DL, Blumberg JB. Cranberries (Vaccinium macrocarpon) and cardiovascular disease risk factors. Nutr Rev. 2007;65(11):490-502.
7. Liu Q, Meng X, Li Y, et al. Natural Products for the Prevention and Management of Helicobacter pylori Infection. Compr Rev Food Sci Food Saf. 2018;17:937-952.

Os Fruto-oligossacarídeos são um dos prebióticos mais estudados, sendo hidrossolúveis e baixos em calorias. Estes vão auxiliar na redução dos níveis de colesterol, inibir o crescimento de bactérias putrefactivas prejudiciais e melhorar a absorção de minerais, como o Cálcio e Magnésio, no intestino. São uma fonte de carbono preferencial para probióticos, aumentando o crescimento da microbiota intestinal benéfica e sendo por isso utilizados como prebióticos funcionais em suplementos alimentares.

Além de efeitos bifidogénicos, a ingestão regular e adequada de FOS apresenta mais valias em problemas associados a distúrbios gastrointestinais, cardiovasculares, obesidade, diarreia, osteoporose, arterosclerose e diabetes tipo 2. Adicionalmente, promove a digestão e o metabolismo da lactose, a reciclagem de substâncias como o estrogénio e a síntese de vitaminas do complexo B e de imunoestimulantes com atividade anti-tumoral.

São conhecidos por estimular a absorção de água e eletrólitos na mucosa intestinal e reduzir a formação de genotoxinas e enzimas que formam carcinogénios no intestino. Atribui-se assim ao seu consumo, a redução do potencial de risco de várias patologias associadas a um elevado nível de bactérias intestinais patogénicas, como as doenças auto-imunes, cancro, acne, cirrose, obstipação, intoxicação alimentar, alergias e intolerâncias alimentares.⁠

Bibliografia

1. Singh SP, Jadaun JS, Narnoliya LK, Pandey A. Prebiotic Oligosaccharides: Special Focus on Fructooligosaccharides, Its Biosynthesis and Bioactivity. Appl Biochem Biotechnol. 2017;183:613-635. doi:10.1007/s12010-017-2605-2
2. Flores-Maltos DA, Mussatto SI, Contreras-Esquivel JC, Rodríguez-Herrera R, Teixeira JA, Aguilar CN. Biotechnological production and application of fructooligosaccharides. Crit Rev Biotechnol. Published online 2016. doi:10.3109/07388551.2014.953443
3. Passos LML, Park YK. Frutooligossacarídeos: implicações na saúde humana e utilização em alimentos. Ciência Rural. 2003;33(2):385-390. doi:10.1590/s0103-84782003000200034

A Acerola é uma fruta originária das Antilhas, cultivada nos Estados Unidos, Japão e muito popular nas Caraíbas e América Central e Sul, onde é vastamente consumida. É conhecida pela sua resistência, desenvolvendo-se facilmente em diferentes condições climatéricas. Atualmente, é considerada um alimento funcional devido ao seu potencial na saúde humana.

O interesse crescente da comunidade científica nesta fruta recai nas suas concentrações elevadas em Vitamina C (1500–4500mg/100g alimento), sendo uma das fontes naturais mais ricas nesta vitamina. Comparando, por exemplo, com uma laranja, a Acerola contém cerca de 50 a 100 vezes mais vitamina C do que a primeira, o que se traduz num elevado poder antioxidante. Contém quantidades apreciáveis de carotenoides, antocianinas e flavonoides, que lhe conferem propriedades biofuncionais. Alguns estudos têm reportado que a vitamina C presente na Acerola é mais biodisponível, isto é, mais facilmente absorvida do que vitamina C sintética.

Para além da sua prevalente atividade antioxidante, apresenta outras propriedades relevantes, como a anti-inflamatória, a hepatoprotetora, a antigenotóxica, a antimutagénica e antitumoral, a antimicrobiana, anti-obesogénica, a antihiperglicémica, a antihiperlipidémica e atua na prevenção do envelhecimento.

Bibliografia

1. Prakash A, Baskaran R. Acerola, an untapped functional superfruit: a review on latest frontiers. J Food Sci Technol. 2018.
2. Cruz RG da, Beney L, Gervais P, Lira SP de, Vieira TMF de S, Dupont S. Comparison of the antioxidant property of acerola extracts with synthetic antioxidants using an in vivo method with yeasts. Food Chem. 2019;277:698-705.
3. Delva L, Schneider RG. Acerola (Malpighia emarginata DC): Production, Postharvest Handling, Nutrition, and Biological Activity. Food Rev Int. 2013;29(2):107-126.
4. Uchida E, Kondo Y, Amano A, et al. Absorption and excretion of ascorbic acid alone and in acerola (Malpighia emarginata) juice: comparison in healthy Japanese subjects. Biol Pharm Bull. 2011.
5. Assis SA De, Fernandes FP, Martins ABG, Oliveira OMMDF. Acerola: importance, culture conditions, production and biochemical aspects. Fruits. 2008.
6. Belwal T, Devkota HP, Hassan HA, et al. Phytopharmacology of Acerola (Malpighia spp.) and its potential as functional food. Trends Food Sci Technol. 2018; 74:99-106.

A Vitamina C – ácido ascórbico, é uma vitamina essencial hidrossolúvel e um cofator essencial para a biossíntese de colagénio, intervém no metabolismo da carnitina, das catecolaminas e na absorção de Ferro, desempenhado um papel importante na saúde. O organismo humano é incapaz de a sintetizar e, por isso, deve ser subministrada de forma exógena através da alimentação, nomeadamente pelo consumo de frutas e vegetais, ou de suplementação.

Antioxidante de excelência, garante a proteção das biomoléculas existentes no nosso organismo contra os danos oxidativos causados por metabolitos pró-oxidantes, gerados pelo metabolismo celular ou pela exposição a toxinas e poluentes. Tendo a Vitamina C um elevado potencial anti-inflamatório e um carácter protetor contra a ocorrência de danos oxidativos, o seu aporte adequado desempenha um papel relevante na prevenção e na progressão de várias doenças crónicas e agudas, sobretudo em condições nas quais o stress oxidativo é elevado, como ocorre no caso das infeções. No entanto, muitos dos efeitos benéficos da ingestão de Vitamina C não estão ainda totalmente esclarecidos.

Possui atividade imunomoduladora, inibindo a ativação excessiva do sistema imunitário e prevenindo danos tecidulares, contribui para a atividade antihistamínica e estimula a atividade de células da imunidade inata e adquirida, nomeadamente através da diferenciação de células T, modulação da síntese de citocinas e da expressão de moléculas adesivas, conferindo uma maior resistência a infeções. Diversos estudos indicam que a Vitamina C poderá aliviar ou prevenir infeções causadas por bactérias, vírus e protozoários. A constipação comum, é o exemplo mais bem estudado, tendo ficado estabelecido que a suplementação com Vitamina C reduz efetivamente a duração da sintomatologia. Vários outros estudos também demonstram uma ação antimicrobiana proveniente da Vitamina C, podendo ser útil no tratamento de infeções urinárias. Atua através da inibição do crescimento de S. aureus, E. faecalis, H. pylori, Campylobacter, Mycobacterium, E. coli, K. pneumomoniae e Aspergillus, potencia a ação de alguns antibióticos e impede o desenvolvimento de biofilmes. Desta forma, a deficiência em Vitamina C pode comprometer a imunidade e levar a uma maior suscetibilidade às infeções.

A Vitamina C intervém no metabolismo produtor de energia, contribuindo para a redução da sensação de cansaço e de fadiga. Um estudo que relacionou o pool de Vitamina C com o desempenho físico e o stress oxidativo, concluiu que baixos níveis de Vitamina C estão associados a baixo desempenho físico, e que a suplementação com Vitamina C reduz o stress oxidativo e pode aumentar o desempenho físico, em estados de hipovitaminose10.

A vitamina C é também um cofator essencial na biossíntese de colagénio, contribuindo para a vitalidade da pele e cabelo. Esta vitamina contribui para o crescimento de células papilares de cabelo humano, e como desempenha um papel essencial na absorção de ferro, pode ser especialmente relevante no tratamento da queda de cabelo associada à carência deste mineral. O seu caráter antioxidante é especialmente importante ao nível da pele, pois apesar da vitamina C não conseguir absorver a luz UV, desempenha uma ação fotoprotetora que favorece a neutralização dos radicais livres, cuja acumulação pode levar ao fotoenvelhecimento e à formação precoce de rugas. Desempenha ainda uma ação reequilibrante do ponto de vista hídrico, potenciando a suavidade e elasticidade da pele. Para além disto, o ácido ascórbico, ao interagir com os iões de cobre e inibir a ação das enzimas tirosinases – enzimas implicadas na formação de manchas na pele, diminuindo assim a formação deste pigmento cutâneo, ajudando a minimizar situações de hiperpigmentação.

A deficiência em Vitamina C afeta o normal metabolismo do corpo sendo um fator de risco para a saúde, especialmente nos casos mais severos, podendo resultar em escorbuto, situação potencialmente fatal. O escorbuto é caracterizado pelo enfraquecimento das estruturas de colagénio, resultando em má cicatrização de feridas e diminuição da imunidade, estando o organismo mais suscetível à ocorrência de infeções potencialmente fatais, como pneumonia. A deficiência severa e prolongada de Vitamina C também poderá ocasionar alterações oculares resultantes de hemorragias subconjuntivais e orbitais, uma vez que esta vitamina auxilia na manutenção da integridade dos vasos sanguíneos e tecidos conjuntivos, além de suprimir os radicais livres gerados pela elevada atividade metabólica. Portanto, a suplementação de vitamina C é essencial em caso de défice para a manutenção da saúde. As necessidades diárias de Vitamina C também estão aumentadas em pacientes com condições como gengivite, asma, glaucoma, distúrbios de colagénio, insolação, artrite, infeções (pneumonia, sinusite, febre reumática) e doenças crónicas, distúrbios vasculares e queimaduras graves, sendo necessário suplementar para além do VRN em casos de infeção, para compensar o aumento da resposta inflamatória. Alguns especialistas acreditam que as doses diárias recomendadas (80 mg) são baixas para suportar a função ótima da Vitamina C. A suplementação com esta vitamina é bem tolerada e segura, sem risco de toxicidade.

Bibliografia

1. Du L Da, Kong XY, Du GH. Vitamin C. Natural Small Molecule Drugs from Plants. 2018: 653-658.
2. Carr AC, Maggini S. Vitamin C and immune function. Nutrients. 2017; 9(1211):1-25.
3. Muhammad Abdullah; Radia T. Jamil; Fibi N. Attia. Vitamin C (Ascorbic Acid). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK499877/. Published 2019. Accessed February 28, 2020.
4. Grosso G, Bei R, Mistretta A, et al. Effects of vitamin C on health: A review of evidence. Front Biosci. 2013;18:1017-1029.
5. Schlueter AK, Johnston CS. Vitamin C: overview and update. Complement Health Pract Rev. 2011;16(1):49-57.
6. Chambial S, Dwivedi S, Shukla KK, et al. Vitamin C in disease prevention and cure: an overview. Indian J Clin Biochem. 2013;28(4):314-328.
7. Hemilä H, Chalker E. Vitamin C for preventing and treating the common cold. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2013.
8. Montorsi F, Gandaglia G, Salonia A, et al. Effectiveness of a combination of Cranberries, Lactobacillus rhamnosus, and Vitamin C for the management of recurrent urinary tract infections in women: results of a pilot study. Eur Urol. 2016.
9. Hussain A, Tabrez E, Peela JR, et al. Vitamin C: a preventative, therapeutic agent against Helicobacter pylori. Cureus. 2018.
10. Paschalis V, Theodorou AA, Kyparos A, et al. Low vitamin C values are linked with decreased physical performance and increased oxidative stress: reversal by vitamin C supplementation. Eur J Nutr. 2016; 55:45-53.
11. Haneke E, Baran R. Micronutrients for hair and nails. Nutrition for healthy skin: strategies for clinical and cosmetic practice. 2011.
12. Almohanna HM, Ahmed AA, Tsatalis JP, et al. The role of vitamins and minerals in hair loss: a review. Dermatol Ther (Heidelb). 2019; 9(1):51-70.
13. Telang PS. Vitamin C in dermatology. Indian Dermatol Online J. 2013; 4(2):143-146.
14. Al-Niami F, Yi Zhen Chiang N. Topical Vitamin C and the skin : mechanisms of action and clinical applications. J Clin Aesthethetic Dermatology. 2017; 10(7):14-17.
15. McCusker MM, Durrani K, Payette MJ, et al. An eye on nutrition: the role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataract. Clin Dermatol. 2016; 34:276-285.
16. Whatham A, Bartlett H, Eperjesi F, et al. Vitamin and mineral deficiencies in the developed world and their effect on the eye and vision. Ophthalmic Physiol Opt. 2008.
17. Mousavi S, Bereswill S, Heimesaat MM. Immunomodulatory and antimicrobial effects of vitamin C. Eur J Microbiol Immunol. 2019.

1 avaliação de Spell Vital

  1. Maria Madalena Silva Filipe (proprietário verificado)

Adicionar uma avaliação
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Spell Vital
40,00 
Scroll to Top