Urivital

38,00 

Suplemento alimentar com: FOS (Fruto-oligossacarídeos), Arando Vermelho, Uva-Ursina, Chá de Java, Óregãos e Vitamina C.

Principais características dos ingredientes:
✔ Arando-Vermelho: Ação antioxidante e propriedades bacteriostáticas
✔ Uva-Ursina: Ação diurética e propriedades antissépticas
✔ Chá de Java: Ação diurética e anti-inflamatória
✔ Orégão: Ação anti-inflamatória e propriedades antimicrobianas
✔ FOS (Prebióticos): ajudam na regulação da flora intestinal, inibindo o crescimento de bactérias prejudiciais e promovendo o crescimento de microbiota benéfica
✔ Vitamina C: Contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário e proteção das células contra as oxidações indesejáveis

⚠️ Atenção: Contém edulcorantes.

Apresentação: 20 ampolas de 10 ml.

REF: F302139 Categorias: ,
IngredientesToma Diária: 1 ampola
Tomas por embalagem: 20
%VRN
FOS (Fruto-oligossacarídeos)500mg**
Arando Vermelho400mg**
Uva-Ursina200mg**
Chá de Java200mg**
Orégão200mg**
Vitamina C80mg100%
*VRN estabelecida pelo Regulamento (UE) Nº 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Outubro de 2011. **VRN (valor de referência nutricional não estabelecida)

Informações Complementares

Tomar 1 ampola (10 ml) por dia entre as principais refeições.

Água Purificada; Agente de Volume: Xarope de Sorbitol; FOS (Fruto-oligossacáridos); Extrato seco de Vaccinium macrocarpon, Arando-Vermelho (Fruto); Arctostaphylus uva-ursi, Uva-ursina (Folha); Orthosiphon stamineus, Chá de Java (Folha); Origanum vulgare, Orégão (Partes aéreas); Vitamina C (Ácido L-Ascórbico); Aromas; Conservantes: Sorbato de Potássio, Benzoato de Sódio; Edulcorante: Glicosídeos de Esteviol.

Agitar muito bem antes de tomar. O seu consumo excessivo pode ter efeitos laxativos. Não exceder a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. É importante um regime alimentar equilibrado e um modo de vida saudável. Devido à inexistência de estudos que confirmem a segurança de utilização em caso de gravidez e aleitamento, este suplemento não deve ser utilizado nestas situações, salvo indicação médica. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade, alergia e quando estejam descritas interações de outro produto com qualquer um dos constituintes da formulação. Preservar ao abrigo da luz, do calor e da humidade. Conservar em local seco na embalagem original e a temperatura inferior a 25ºC. Manter fora do alcance e da visão das crianças. Contém edulcorante.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorrecções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

Os Fruto-oligossacarídeos são um dos prebióticos mais estudados, sendo hidrossolúveis e baixos em calorias. Estes vão auxiliar na redução dos níveis de colesterol, inibir o crescimento de bactérias putrefactivas prejudiciais e melhorar a absorção de minerais, como o Cálcio e Magnésio, no intestino. São uma fonte de carbono preferencial para probióticos, aumentando o crescimento da microbiota intestinal benéfica e sendo por isso utilizados como prebióticos funcionais em suplementos alimentares. 

Além de efeitos bifidogénicos, a ingestão regular e adequada de FOS apresenta mais valias em problemas associados a distúrbios gastrointestinais, cardiovasculares, obesidade, diarreia, osteoporose, arterosclerose e diabetes tipo 2. Adicionalmente, promove a digestão e o metabolismo da lactose, a reciclagem de substâncias como o estrogénio e a síntese de vitaminas do complexo B e de imunoestimulantes com atividade anti-tumoral. 

São conhecidos por estimular a absorção de água e eletrólitos na mucosa intestinal e reduzir a formação de genotoxinas e enzimas que formam carcinogénios no intestino. Atribui-se assim ao seu consumo, a redução do potencial de risco de várias patologias associadas a um elevado nível de bactérias intestinais patogénicas, como as doenças auto-imunes, cancro, acne, cirrose, obstipação, intoxicação alimentar, alergias e intolerâncias alimentares.

Bibliografia

1. Singh SP, Jadaun JS, Narnoliya LK, Pandey A. Prebiotic Oligosaccharides: Special Focus on Fructooligosaccharides, Its Biosynthesis and Bioactivity. Appl Biochem Biotechnol. 2017;183:613-635. doi:10.1007/s12010-017-2605-2
2. Flores-Maltos DA, Mussatto SI, Contreras-Esquivel JC, Rodríguez-Herrera R, Teixeira JA, Aguilar CN. Biotechnological production and application of fructooligosaccharides. Crit Rev Biotechnol. Published online 2016. doi:10.3109/07388551.2014.953443
3. Passos LML, Park YK. Frutooligossacarídeos: implicações na saúde humana e utilização em alimentos. Ciência Rural. 2003;33(2):385-390. doi:10.1590/s0103-84782003000200034

O Arando Vermelho, também designado de Vaccinium macrocarpon, é uma fruta nativa da América do Norte que tem sido utilizada como alimento funcional devido aos seus potenciais benefícios na saúde. O Arando está bem classificado entre as frutas, especialmente devido à sua quantidade e qualidade de antioxidantes, já que apresenta um teor considerável de flavonoides, ácidos fenólicos (proantocianidinas) e outros fitoquímicos, para além de conter minerais essenciais, ácidos gordos, fibras dietéticas, provitamina A, vitamina C e vitaminas do complexo B.

A pesquisa científica acerca dos benefícios do consumo deste fruto tem incidido sobre os benefícios relacionados com o trato urinário, a prevenção de doenças cardio metabólicas, com o cancro, a saúde digestiva e a microbiota intestinal.

O seu sumo é há muito associado à potencial prevenção de infeções do trato urinário, uma propriedade ligada aos efeitos anti-adesão das suas proantocianidinas e poliflavonois contra estirpes patogénicas e Escherichia coli. Além de inibir a ligação da E.coli na mucosa intestinal, as proantocianidinas inibem a adesão de outros micróbios no epitélio da bexiga, da Helicobacter pylori na mucosa gástrica e duodenal e do Streptococcus mutans na hidroxiapatite do dente. Outro mecanismo de ação proposto para o Arando é produção não enzimática de óxido nítrico em condições acídicas que, por sua vez, pode criar um potencial ambiente bacteriostático no trato urinário. A propriedade anti-biofilme também é demonstrada para a Pseudomona aeruginosa, sugerindo que pode ser útil para infeções causadas por este microrganismo, bem como para a Candida albicans.

Os seus constituintes também têm demonstrado suprimir o crescimento de uma variedade de células cancerosas in vitro e em estudos animais (pulmão, cólon, mama, oral, ovário, próstata, bexiga, esófago e intestino).

A crescente literatura científica indica que os polifenóis encontrados nos arandos podem contribuir ainda para a redução do risco de doenças cardiovasculares, por aumentarem a resistência à oxidação do colesterol LDL, por inibição da agregação plaquetária, por redução da tensão arterial e outros mecanismos antitrombóticos e anti-inflamatórios.

Bibliografia

1. Abeywickrama G, Debnath SC, Ambigaipalan P, Shahidi F. Phenolics of Selected Cranberry Genotypes (Vaccinium macrocarpon Ait.) and Their Antioxidant Efficacy. J Agric Food Chem. 2016;64(49):9342-9351.
2. Zhao S, Liu H, Gu L. American cranberries and health benefits – an evolving story of 25 years. J Sci Food Agric. 2020.
3. Dong B, Zimmerman R, Dang L PG. Cranberry for the Prevention and Treatment of Non-Complicated Urinary Tract Infections. SOJ Pharm Sci. 2019.
4. Wu X, Song M, Cai X, et al. Chemopreventive Effects of Whole Cranberry (Vaccinium macrocarpon) on Colitis-Associated Colon Tumorigenesis. Mol Nutr Food Res. 2018;62:1-8.
5. Yarnell E. Botanical medicines for the urinary tract. World J Urol. 2002;20:285-293.
6. McKay DL, Blumberg JB. Cranberries (Vaccinium macrocarpon) and cardiovascular disease risk factors. Nutr Rev. 2007;65(11):490-502.
7. Liu Q, Meng X, Li Y, et al. Natural Products for the Prevention and Management of Helicobacter pylori Infection. Compr Rev Food Sci Food Saf. 2018;17:937-952.

Arctostaphylos uva-ursi L. é um arbusto localizado principalmente na América do Norte, Ásia e Europa. Os seus frutos são quase insípidos, apesar de conterem uma alta concentração de ingredientes ativos e por isso serem usados em muitos produtos comerciais.

As suas folhas têm sido estudadas em numerosos ensaios químicos pelo seu potencial antioxidante, sendo os seus principais constituintes os glicosídeos arbutina e metilarbutina. Apesar de serem encontrados em menor quantidade, os seus polifenóis são candidatos promissores como potenciais protetores contra a peroxidação lipídica e envelhecimento biológico dos tecidos.

uva-ursi, além de ser usada na indústria alimentar como potencial aditivo antioxidante, também tem sido usada na indústria cosmética como agente natural de branqueamento da pele .

Para além disto, esta planta medicinal é bastante conhecida, pela sua utilização no tratamento e prevenção de infeções do trato urinário, pelo seu conteúdo em arbutina e de doenças renais, sendo recomendada globalmente na medicina popular para nefrite, cálculos renais e cistite crónica.

É um potente diurético, podendo aumentar a excreção de fluídos e diminuir a acumulação de ácido úrico, componente natural da urina, além de contribuir para a manutenção das membranas do sistema urinário e expressar atividade antioxidante.

Compostos fenólicos extraídos da sua folha são potenciais ingredientes funcionais com propriedades antiproliferativas, particularmente contra linhas celulares de carcinoma do cólon.

O seu elevado teor em taninos pode ser benéfico na prevenção de distúrbios gástricos e urinários por supressão da peroxidação lipídica.

Com uso tradicional no tratamento e alívio de sintomas de infeções recorrentes do trato urinário, os estudos atribuem as suas propriedades antisséptica e antimicrobiana às hidroquinonas e taninos, sendo que se encontram com elevada concentração na urina com demonstrada eficácia contra bactérias causadoras dessas infeções.

Já foi sugerido como opção de tratamento eficaz e de primeira linha na resolução de sintomas de infeções do trato urinário e na redução do uso de antibióticos, o que também poderia ser favorável na redução das taxas de resistência bacteriana.

Bibliografia

1. Azman, Nurul, et al. Study of the Properties of Bearberry Leaf Extract as a Natural Antioxidant in Model Foods. Antioxidants. 2016
2. Asensio, Esther, et al. Phenolic Compounds Content and Genetic Diversity at Population Level across the Natural Distribution Range of Bearberry (Arctostaphylos uva-ursi, Ericaceae) in the Iberian Peninsula. Plants. 2020.
3. Vranješ M, Popović BM, Štajner D, et al. Effects of bearberry, parsley and corn silk extracts on diuresis, electrolytes composition, antioxidant capacity and histopathological features in mice kidneys. J Funct Foods. 2016.
4. Afshar K, Fleischmann N, Schmiemann G, et al. Reducing antibiotic use for uncomplicated urinary tract infection in general practice by treatment with uva-ursi (REGATTA) – a double-blind, randomized, controlled comparative effectiveness trial. BMC Complement Altern Med. 2018.

O Chá de Java, Orthosiphon Stamineus, é um arbusto nativo da Ásia tropical e Austrália, muito cultiva­do na Indonésia e Vietname. Os principais componentes dos extratos da folha desta planta são os polifenóis, flavonoides, terpenóides, sais de potássio e os derivados do ácido cafeico, cuja ação diuré­tica e uricosúrica tem sido vantajosa, e utilizada na medicina popular, para o tratamento de distúrbios renais e gota, atuando sobre os níveis de cloretos, ureia e ácido úrico.

Foi demonstrada atividade antibacteriana e anti-inflamatória pelos seus flavonoides através de inibição da lipoxigenase, bem como atividade diurética e inibitória de E.coli uropatogénica por ação antiadesiva ou bloqueadora de entrada. A bioactividade antimicrobiana deste extrato favorece o controlo e a eliminação urinária de microrganismos, ajudando a aliviar sintomas e a combater infeções do trato urinário.

Estudos farmacológicos sobre os seus extratos mostraram, ain­da, atividade antioxidante, analgésica, antitumoral, antidiabética, antihipertensora, antiobesidade, antidislipidémia, gastro, nefro e hepatoprotetora.

Bibliografia

1. Adam Y, Somchit MN, Sulaiman MR, et al. Diuretic properties of Orthosiphon stamineus Benth. J Ethnopharmacol. 2009;124(1):154-158. doi:10.1016/j.jep.2009.04.014
2. Olah NK, Radu L, Mogoşan C, Hanganu D, Gocan S. Phytochemical and pharmacological studies on Orthosiphon stamineus Benth. (Lamiaceae) hydroalcoholic extracts. J Pharm Biomed Anal. 2003;33(1):117-123. doi:10.1016/S0731-7085(03)00227-9
3. Arafat OM, Tham SY, Sadikun A, Zhari I, Haughton PJ, Asmawi MZ. Studies on diuretic and hypouricemic effects of Orthosiphon stamineus methanol extracts in rats. J Ethnopharmacol. 2008;118:354-360. doi:10.1016/j.jep.2008.04.015
4. Sarshar S, Brandt S, Asadi Karam MR, et al. Aqueous extract from Orthosiphon stamineus leaves prevents bladder and kidney infection in mice. Phytomedicine. 2017;28:1-9. doi:10.1016/j.phymed.2017.02.009
5. Deipenbrock M, Hensel A. Polymethoxylated flavones from Orthosiphon stamineus leaves as antiadhesive compounds against uropathogenic E. coli. Fitoterapia. 2019;139:1-9. doi:10.1016/j.fitote.2019.104387
6. Vahlensieck W, Lorenz H, Schumacher-Stimpfl A, Fischer R, Naber KG. Effect of a herbal therapy on clinical symptoms of acute lower uncomplicated urinary tract infections in women: Secondary analysis from a randomized controlled trial. Antibiotics. 2019;8(4):1-11. doi:10.3390/antibiotics8040256
7. Yam MF, Asmawi MZ, Basir R. An investigation of the anti-inflammatory and analgesic effects of Orthosiphon stamineus leaf extract. J Med Food. 2008;11(2):362-368. doi:10.1089/jmf.2006.065
8. Adnyana K, Setiawan F, Insanu M. From ethnopharmacology to clinical study of Orthosiphon stamineus Benth. Int J Pharm Pharm Sci. 2013;5(3):66-73.
9. Akowuah GA, Ismail Z, Norhayati I, Sadikun A. The effects of different extraction solvents of varying polarities on polyphenols of Orthosiphon stamineus and evaluation of the free radical-scavenging activity. Food Chem. 2005;93:311-317. doi:10.1016/j.foodchem.2004.09.028
10. Ameer OZ, Salman IM, Asmawi MZ, Ibraheem ZO, Yam MF. Orthosiphon stamineus: Traditional uses, phytochemistry, pharmacology, and toxicology. J Med Food. 2012;15(8):678-690. doi:10.1089/jmf.2011.1973
11. Singh MK, Gidwani B, Gupta A, et al. A review of the medicinal plants of genus Orthosiphon (Lamiaceae). Int J Biol Chem. 2015;9(6):318-331. doi:10.3923/ijbc.2015.318.331

O Origanum vulgare, conhecido comummente como Orégão é uma planta aromática pertencente à família Lamiaceae, tradicionalmente usada na culinária. No entanto, também tem sido empregue como remédio para diferentes distúrbios gastrointestinais e urinários, constipações, tosse, problemas menstruais, cefaleias, dispepsia, artrite reumatoide, depressão e prurido.

Os seus óleos essenciais e diferentes extratos têm sido reportados como antioxidantes, anti-inflamatórios, imunomoduladores, antidislipidémicos, antidiabéticos, supressores de cancro e antimicrobianos, com ação em várias bactérias entre as quais S.aureus, Salmonella, Pseudomonas, H.pylori e E.coli, bem como fungos incluindo Candida albicans e Aspergillus.

Para além de ser considerado na proteção contra desordens neurodegenerativas e na promoção da saúde gastrointestinal, diminuindo a inflamação intestinal.

O óleo de extrato de Orégão é rico em compostos voláteis como monoterpenos e sesquiterpenos, inibidores de mediadores pró-inflamatórios, compostos fenólicos, carvacrol e timol, com propriedades antioxidantes, contribuindo também para a reparação e cicatrização da pele.

Devido às suas propriedades antimicrobianas, o extrato e óleo essencial do Orégão também podem ser usados como conservantes naturais de alimentos, prevenindo a sua contaminação e deterioração. 

Bibliografia

1. Fikry S, Khalil N, Salama O. Chemical profiling, biostatic and biocidal dynamics of Origanum vulgare L. essential oil. AMB Express. 2019;9(41):1-10. doi:10.1186/s13568-019-0764-y
2. Leyva-López N, Gutiérrez-Grijalva EP, Vazquez-Olivo G, Heredia JB. Essential oils of oregano: Biological activity beyond their antimicrobial properties. Molecules. 2017;22(6):1-24. doi:10.3390/molecules22060989
3. Harmati M, Gyukity-Sebestyen E, Dobra G, et al. Binary mixture of Satureja hortensis and Origanum vulgare subsp. Hirtum essential oils: In vivo therapeutic efficiency against Helicobacter pylori infection. Helicobacter. 2017;22:1-7. doi:10.1111/hel.12350
4. De Santis F, Poerio N, Gismondi A, et al. Hydroalcoholic extract from Origanum vulgare induces a combined anti-mycobacterial and anti-inflammatory response in innate immune cells. PLoS One. 2019;14(3):1-19. doi:10.1371/journal.pone.0213150
5. Karaman M, Bogavac M, Radovanović B, Sudji J, Tešanović K, Janjušević L. Origanum vulgare essential oil affects pathogens causing vaginal infections. J Appl Microbiol. 2017;122:1177-1185. doi:10.1111/jam.13413
6. Avola R, Granata G, Geraci C, Napoli E, Graziano ACE, Cardile V. Oregano (Origanum vulgare L.) essential oil provides anti-inflammatory activity and facilitates wound healing in a human keratinocytes cell model. Food Chem Toxicol. 2020. doi:10.1016/j.fct.2020.111586
7. Veenstra JP, Johnson JJ. Oregano (Origanium Vulgare) Extract for Food Preservation and Improving Gastrointestinal Health. Int J Nutr. 2019. doi:10.14302/issn.2379-7835.ijn-19-2703

A Vitamina C – ácido ascórbico, é uma vitamina essencial hidrossolúvel e um cofator essencial para a biossíntese de colagénio, intervém no metabolismo da carnitina, das catecolaminas e na absorção de Ferro, desempenhado um papel importante na saúde. O organismo humano é incapaz de a sintetizar e, por isso, deve ser subministrada de forma exógena através da alimentação, nomeadamente pelo consumo de frutas e vegetais, ou de suplementação.

Antioxidante de excelência, garante a proteção das biomoléculas existentes no nosso organismo contra os danos oxidativos causados por metabolitos pró-oxidantes, gerados pelo metabolismo celular ou pela exposição a toxinas e poluentes. Tendo a Vitamina C um elevado potencial anti-inflamatório e um carácter protetor contra a ocorrência de danos oxidativos, o seu aporte adequado desempenha um papel relevante na prevenção e na progressão de várias doenças crónicas e agudas, sobretudo em condições nas quais o stress oxidativo é elevado, como ocorre no caso das infeções. No entanto, muitos dos efeitos benéficos da ingestão de Vitamina C não estão ainda totalmente esclarecidos.

Possui atividade imunomoduladora, inibindo a ativação excessiva do sistema imunitário e prevenindo danos tecidulares, contribui para a atividade antihistamínica e estimula a atividade de células da imunidade inata e adquirida, nomeadamente através da diferenciação de células T, modulação da síntese de citocinas e da expressão de moléculas adesivas, conferindo uma maior resistência a infeções. Diversos estudos indicam que a Vitamina C poderá aliviar ou prevenir infeções causadas por bactérias, vírus e protozoários. A constipação comum, é o exemplo mais bem estudado, tendo ficado estabelecido que a suplementação com Vitamina C reduz efetivamente a duração da sintomatologia. Vários outros estudos também demonstram uma ação antimicrobiana proveniente da Vitamina C, podendo ser útil no tratamento de infeções urinárias. Atua através da inibição do crescimento de S. aureusE. faecalisH. pylori, Campylobacter, Mycobacterium, E. coliK. pneumomoniae e Aspergillus, potencia a ação de alguns antibióticos e impede o desenvolvimento de biofilmes. Desta forma, a deficiência em Vitamina C pode comprometer a imunidade e levar a uma maior suscetibilidade às infeções.

A Vitamina C intervém no metabolismo produtor de energia, contribuindo para a redução da sensação de cansaço e de fadiga. Um estudo que relacionou o pool de Vitamina C com o desempenho físico e o stress oxidativo, concluiu que baixos níveis de Vitamina C estão associados a baixo desempenho físico, e que a suplementação com Vitamina C reduz o stress oxidativo e pode aumentar o desempenho físico, em estados de hipovitaminose.

A vitamina C é também um cofator essencial na biossíntese de colagénio, contribuindo para a vitalidade da pele e cabelo. Esta vitamina contribui para o crescimento de células papilares de cabelo humano, e como desempenha um papel essencial na absorção de ferro, pode ser especialmente relevante no tratamento da queda de cabelo associada à carência deste mineral. O seu caráter antioxidante é especialmente importante ao nível da pele, pois apesar da vitamina C não conseguir absorver a luz UV, desempenha uma ação fotoprotetora que favorece a neutralização dos radicais livres, cuja acumulação pode levar ao fotoenvelhecimento e à formação precoce de rugas. Desempenha ainda uma ação reequilibrante do ponto de vista hídrico, potenciando a suavidade e elasticidade da pele. Para além disto, o ácido ascórbico, ao interagir com os iões de cobre e inibir a ação das enzimas tirosinases – enzimas implicadas na formação de manchas na pele, diminuindo assim a formação deste pigmento cutâneo, ajudando a minimizar situações de hiperpigmentação.

A deficiência em Vitamina C afeta o normal metabolismo do corpo sendo um fator de risco para a saúde, especialmente nos casos mais severos, podendo resultar em escorbuto, situação potencialmente fatal. O escorbuto é caracterizado pelo enfraquecimento das estruturas de colagénio, resultando em má cicatrização de feridas e diminuição da imunidade, estando o organismo mais suscetível à ocorrência de infeções potencialmente fatais, como pneumonia. A deficiência severa e prolongada de Vitamina C também poderá ocasionar alterações oculares resultantes de hemorragias subconjuntivais e orbitais, uma vez que esta vitamina auxilia na manutenção da integridade dos vasos sanguíneos e tecidos conjuntivos, além de suprimir os radicais livres gerados pela elevada atividade metabólica. Portanto, a suplementação de vitamina C é essencial em caso de défice para a manutenção da saúde. As necessidades diárias de Vitamina C também estão aumentadas em pacientes com condições como gengivite, asma, glaucoma, distúrbios de colagénio, insolação, artrite, infeções (pneumonia, sinusite, febre reumática) e doenças crónicas, distúrbios vasculares e queimaduras graves, sendo necessário suplementar para além do VRN em casos de infeção, para compensar o aumento da resposta inflamatória. Alguns especialistas acreditam que as doses diárias recomendadas (80 mg) são baixas para suportar a função ótima da Vitamina C. A suplementação com esta vitamina é bem tolerada e segura, sem risco de toxicidade.

Bibliografia

1. Du L Da, Kong XY, Du GH. Vitamin C. Natural Small Molecule Drugs from Plants. 2018: 653-658.
2. Carr AC, Maggini S. Vitamin C and immune function. Nutrients. 2017; 9(1211):1-25.
3. Muhammad Abdullah; Radia T. Jamil; Fibi N. Attia. Vitamin C (Ascorbic Acid). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK499877/. Published 2019. Accessed February 28, 2020.
4. Grosso G, Bei R, Mistretta A, et al. Effects of vitamin C on health: A review of evidence. Front Biosci. 2013;18:1017-1029.
5. Schlueter AK, Johnston CS. Vitamin C: overview and update. Complement Health Pract Rev. 2011;16(1):49-57.
6. Chambial S, Dwivedi S, Shukla KK, et al. Vitamin C in disease prevention and cure: an overview. Indian J Clin Biochem. 2013;28(4):314-328.
7. Hemilä H, Chalker E. Vitamin C for preventing and treating the common cold. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2013.
8. Montorsi F, Gandaglia G, Salonia A, et al. Effectiveness of a combination of Cranberries, Lactobacillus rhamnosus, and Vitamin C for the management of recurrent urinary tract infections in women: results of a pilot study. Eur Urol. 2016.
9. Hussain A, Tabrez E, Peela JR, et al. Vitamin C: a preventative, therapeutic agent against Helicobacter pylori. Cureus. 2018.
10. Paschalis V, Theodorou AA, Kyparos A, et al. Low vitamin C values are linked with decreased physical performance and increased oxidative stress: reversal by vitamin C supplementation. Eur J Nutr. 2016; 55:45-53.
11. Haneke E, Baran R. Micronutrients for hair and nails. Nutrition for healthy skin: strategies for clinical and cosmetic practice. 2011.
12. Almohanna HM, Ahmed AA, Tsatalis JP, et al. The role of vitamins and minerals in hair loss: a review. Dermatol Ther (Heidelb). 2019; 9(1):51-70.
13. Telang PS. Vitamin C in dermatology. Indian Dermatol Online J. 2013; 4(2):143-146.
14. Al-Niami F, Yi Zhen Chiang N. Topical Vitamin C and the skin : mechanisms of action and clinical applications. J Clin Aesthethetic Dermatology. 2017; 10(7):14-17.
15. McCusker MM, Durrani K, Payette MJ, et al. An eye on nutrition: the role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataract. Clin Dermatol. 2016; 34:276-285.
16. Whatham A, Bartlett H, Eperjesi F, et al. Vitamin and mineral deficiencies in the developed world and their effect on the eye and vision. Ophthalmic Physiol Opt. 2008.
17. Mousavi S, Bereswill S, Heimesaat MM. Immunomodulatory and antimicrobial effects of vitamin C. Eur J Microbiol Immunol. 2019.

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Urivital”
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Urivital
38,00 
Scroll to Top