Ver+

32,00 

Suplemento Alimentar com: Mirtilo, Vitamina E, Luteína, Zeaxantina, Astaxantina, Vitamina B2 e Vitamina A.

Principais características dos ingredientes:
✔ Vitamina A e Vitamina B2: Importantes para a manutenção de uma visão normal.

Apresentação: caixa com 30 cápsulas.

REF: F302062 Categorias: ,
IngredientesToma Diária: 1 cápsula
Tomas por embalagem: 30
%VRN
Extrato seco de Vaccinium uliginosum, Mirtilo100 mg**
Vitamina E10 mg α-TE83%
Luteína5 mg**
Zeaxantina2,5 mg**
Astaxantina2 mg**
Riboflavina (Vitamina B2)1,4 mg100%*
Vitamina A750 μg RE94%*
*VRN estabelecida pelo Regulamento (UE) Nº 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Outubro de 2011. **VRN (valor de referência nutricional não estabelecida)

Informações Complementares

Tomar 1 cápsula por dia.

Extrato seco de Vaccinium uliginosum, Mirtilo, fruto, 25% Antocianidinas; Agente de revestimento: Hidroxipropilmetilcelulose (HPMC); Agente de volume: Celulose microcristalina; Extrato seco de Haematococcus pluvialis, 5% Astaxantina (Astaxantina); Extrato seco de Tagetes erecta, flôr, 20% Luteína (Luteína); Extrato seco de Tagetes erecta, flôr, 10% Zeaxantina (Zeaxantina); Acetato de D-alfa-tocoferilo (Vitamina E); Acetato de retinilo (Vitamina A); Antiaglomerantes: Sais de magnésio de ácidos gordos, Dióxido de silício; Riboflavina (Vitamina B2).

✔ A vitamina A e a riboflavina contribuem para a manutenção de uma visão normal.
✔ A vitamina E e a riboflavina contribuem para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.

Não exceder a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. É importante um regime alimentar equilibrado e um modo de vida saudável. Em caso de gravidez ou amamentação a toma deve ser feita sob indicação médica. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade, alergia e quando estejam descritas interações de outro produto com qualquer um dos constituintes da formulação. Preservar ao abrigo da luz, do calor e da humidade. Conservar em local seco na embalagem original e a temperatura inferior a 25ºC. Manter fora do alcance e da visão das crianças.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorrecções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer diretamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

O Mirtilo (Vaccinium myrtillus), pertencente ao género Vaccinium, é uma espécie de planta espontânea nativa das zonas montanhosas da Europa.

Este fruto é um dos mais reconhecidos pelos seus potenciais benefícios na saú­de, sendo que muitas das suas propriedades benéficas são atribuídas aos seus compostos bioativos – proantocianidinas e antocianinas.

Estes flavonoides produzem pigmentos hidrossolúveis azul, vermelho ou roxo e contêm potenciais propriedades promotoras de saúde como antioxidantes, anti-inflamatórios e pro-cardiovasculares.

Os seus compostos fenólicos também são conheci­dos pelos seus atributos antihipertensores, antimicrobianos e anticancerígenos.

O extrato de Mirtilo demonstrou prevenir ou controlar a formação de fluído intersticial e contribuir para a redistribuição do fluxo sanguíneo na rede microvascular; modular a resistência e permea­bilidade capilar, melhorando a função visual ao promover a adaptação à escuridão após ofuscamento; promover a cicatrização e ainda apresentar atividade antiaterosclerótica e antiulcerosa.

Para além disto, aparenta reduzir a formação de produtos reativos resul­tantes de oxidação, segundo um estudo que avaliou a sua utilização na degeneração macular.

O ácido clorogénico, principal composto polifenólico não flavonoide encontrado nos Mirtilos, exibe diversas características antioxidantes sobre o stress oxidativo induzido pela luz e reduz os níveis de citocinas pro-inflamatórias, além de ter efeitos antienvelhecimento e anti-angiogénicos associados à retinopa­tia diabética, degeneração macular e cancro.

Portanto, as antocianinas e polifenóis dos Mirtilos, apresentam-se como ingre­dientes funcionais importantes na prevenção de doenças crónicas como cancro, obesidade, doenças degenerativas, inflamatórias e cardiovasculares, diabetes, declínio cognitivo, demonstrando também propriedades protetoras da visão, fígado, pulmões, ossos e imunidade.

Particularmente, os seus poli­fenóis têm atividade protetora da retina contra a lesões por peroxidação lipídica induzidas pela luz.

Por outros lado, quando usado em produtos cosméticos de aplicação tópica, o extrato de mirtilo tem demonstrado capacidade de aumentar a hidratação do extrato córneo, mantendo a função de barreira e preservando o pH da pele, além de ter demonstrrado capacidade fotoprotetora, antioxidante e anti-inflamatória. 

Bibliografia

1. Ancillotti C, Ciofi L, Pucci D, et al. Polyphenolic profiles and antioxidant and antiradical activity of Italian berries from Vaccinium myrtillus L. and Vaccinium uliginosum L. subsp. gaultherioides (Bigelow) S.B. Young. Food Chem. 2016;204:176-184. doi:10.1016/j.foodchem.2016.02.106
2. Li R, Wang P, Guo Q qi, Wang Z yu. Anthocyanin composition and content of the Vaccinium uliginosum berry. Food Chem. 2011;125(1):116-120. doi:10.1016/j.foodchem.2010.08.046
3. Faria A, Oliveira J, Neves P, et al. Antioxidant properties of prepared blueberry (Vaccinium myrtillus) extracts. J Agric Food Chem. 2005;53(17):6896-6902. doi:10.1021/jf0511300
4. Prior RL, Cao G, Martin A, et al. Antioxidant Capacity as Influenced by Total Phenolic and Anthocyanin Content, Maturity, and Variety of Vaccinium Species. J Agric Food Chem. 1998;46:2686-2693. doi:10.1021/jf980145d
5. Khandhadia S, Lotery A. Oxidation and age-related macular degeneration: Insights from molecular biology. Expert Rev Mol Med. 2010. doi:10.1017/S146239941000164X
6. Wang Y, Zhao L, Wang C, et al. Protective effect of quercetin and chlorogenic acid, two polyphenols widely present in edible plant varieties, on visible light-induced retinal degeneration in vivo. J Funct Foods. 2017. doi:10.1016/j.jff.2017.02.034
7. Ma L, Sun Z, Zeng Y, Luo M, Yang J. Molecular mechanism and health role of functional ingredients in blueberry for chronic disease in human beings. Int J Mol Sci. 2018;19(2785):1-19. doi:10.3390/ijms19092785
8. Wing-kwan Chu, Sabrina C. M. Cheung, Roxanna A. W. Lau and IFFB. Bilberry (Vaccinium myrtillus L.). Herb Med Biomol Clin Asp. 2011;(2).
9. Tadić VM, Nešić I, Martinović M, et al. Old plant, new possibilities: Wild bilberry (vaccinium myrtillus l., ericaceae) in topical skin preparation. Antioxidants. 2021. doi:10.3390/antiox10030465
10. Piazza S, Fumagalli M, Khalilpour S, et al. A review of the potential benefits of plants producing berries in skin disorders. Antioxidants. 2020. doi:10.3390/antiox9060542

A Vitamina E ou α-tocoferol é antioxidante lipossolúvel, que não sendo produzido pelo nosso organismo, é obtido exclusivamente através da alimentação. Está sobretudo presente em alimentos com uma maior componente lipídica, tal como os amendoins, as amêndoas, as sementes, os pistácios, as nozes, entre outros, podendo também ser obtida através do consumo de suplementos alimentares. No corpo humano, a Vitamina E é armazenada no tecido adiposo, mas está presente de forma úbiqua nas membranas celulares, contribuindo para a sua fluidez, integridade e função. Por contribuir para a integridade membranar, impede o extravasamento de material intracelular, situação que comprometeria o adequado funcionamento do organismo. Sendo um potente antioxidante, garante proteção contra a oxidação lípidica e favorece a reparação membranar, especialmente relevante nas células naturalmente mais expostas ao stress oxidativo, como é o caso das células musculares. 

A sua potente bioactividade antioxidante tem-se revelado útil em formulações cosméticas, já que constitui uma das defesas primárias da pele contra o stress oxidativo, especialmente quando induzido pela exposição aos raios UV e aos agentes poluentes. Vários estudos clínicos demonstraram que a aplicação tópica de vitamina E, após a exposição solar, reduz significativamente as respostas cutâneas agudas como o eritema ou o edema. Quando consegue atuar nas camadas dérmicas, onde ocorre o stress oxidativo, esta vitamina protege contra o fotoenvelhecimento e mantém a integridade da rede cutânea de colagénio5, tendo sido comprovado o efeito antioxidante sinérgico das vitaminas C e E na fotoproteção. Por este motivo, quando incluída em formulações cosméticas como agente antienvelhecimento, a Vitamina E contribui para a redução das linhas finas, rugas e flacidez induzidas pelo fotoenvelhecimento. Simultaneamente, a sua ação hidratante contribui para uma maior elasticidade e suavidade da pele. 

A ação anti-inflamatória da Vitamina E contribui para uma maior proteção das células e do organismo, especialmente por prevenir a agregação plaquetária, inibir a produção de tromboxano, favorecer a libertação de prostaciclina (ação vasodilatadora) e diminuir os níveis de Vitamina K1, atuando na prevenção da aterosclerose e no consequente surgimento de doenças cardiovasculares, tendo ainda demonstrado um potencial papel anticarcinogénico. 

Ao nível da visão, foi demonstrado que a Vitamina E potencia a capacidade antioxidante da Luteína, protegendo o pigmento das células epiteliais da retina, concentrando-se nos segmentos externos das membranas fotorrecetoras. Poderá ajudar a prevenir alterações prejudiciais da córnea e conjuntiva, ao participar na proteção da retina de danos oxidativos, particularmente os provenientes da exposição à luz azul. As suas características antioxidantes poderão ser úteis no retardar do desenvolvimento de cataratas e degeneração macular (opacificação), pelo que é uma vitamina tipicamente incluída em suplementos alimentares relacionados com a visão.

Sendo rara a deficiência de Vitamina E, a sua carência pode ocorrer em pessoas com má absorção de gordura, defeitos genéticos específicos ou quando expostas a malnutrição severa. A hipovitaminose severa resulta em anomalias neuromusculares, miopatias e pode comprometer vários aspetos da resposta imunitária. Os efeitos benéficos da suplementação com Vitamina E relacionam-se especialmente com a prevenção da sua deficiência. No entanto, estão identificados vários casos que beneficiam da suplementação acima das doses recomendadas como, por exemplo, na estimulação da função imunitária (mediada por células T) e na modulação dos processos degenerativos relacionados com envelhecimento, na prevenção de doenças crónicas não transmissíveis, como as doenças reumáticas, ou em doentes asmáticos, uma vez que esta vitamina está diminuída nos fluidos das vias aéreas destes pacientes. 

Bibliografia

1. Traber MG. Vitamin E regulatory mechanisms. Annu Rev Nutr. 2007; 27: 347-362.
2. Batista EDS, Costa AGV, Pinheiro-Sant’Ana HM. Adding vitamin E to foods: implications for the foods and for human health. Rev Nutr. 2007; 20(5):525-535.
3. Raederstorff D, Wyss A, Calder PC, et al. Vitamin E function and requirements in relation to PUFA. Br J Nutr. 2015;114:1113-1122.
4. Jiang Q. Natural forms of vitamin E: metabolism, antioxidant, and anti-inflammatory activities and their role in disease prevention and therapy. Free Radic Biol Med. 2014;72:76-90.
5. Thiele JJ, Hsieh SN, Ekanayake-Mudiyanselage S. Vitamin E: critical review of its current use in cosmetic and clinical dermatology. Dermatol Surg. 2005;31(7 Pt 2):805-813.
6. Al-Niami F, Yi Zhen Chiang N. Topical Vitamin C and the Skin : mechanisms of action and Clinical Applications. J Clin Aesthethetic Dermatology. 2017;10(7):14-17
7. Thiele JJ, Ekanayake-Mudiyanselage S. Vitamin E in human skin: organ-specific physiology and considerations for its use in dermatology. Mol Aspects Med. 2007;28:646-667.
8. Thiele JJ, Hsieh SN, Ekanayake-Mudiyanselage S. Vitamin E: critical review of its current use in cosmetic and clinical dermatology. Dermatol Surg. 2005;31:805-813.
9. Montenegro L, Rapisarda L, Ministeri C, et al. Effects of lipids and emulsifiers on the physicochemical and sensory properties of cosmetic emulsions containing vitamin E. Cosmetics. 2015; 2:35-47.
10. Rizvi S, Raza ST, Ahmed F, et al. The role of Vitamin E in human health and some diseases. Sultan Qaboos Univ Med J. 2014.
11. Miller ER, Pastor-Barriuso R, Dalal D, et al. Meta-analysis: high-dosage vitamin E supplementation may increase all-cause mortality. Ann Intern Med. 2005.
12. Whatham A, Bartlett H, Eperjesi F, et al. Vitamin and mineral deficiencies in the developed world and their effect on the eye and vision. Ophthalmic Physiol Opt. 2008; 28(1):1-12.
13. McCusker MM, Durrani K, Payette MJ, et al. An eye on nutrition: the role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataract. Clin Dermatol. 2016;34:276-285.
14. Brigelius-Flohé RBF, Traber MG. Vitamin E: function and metabolism. FASEB J. 1999;13:1145-1155.
15. Biasebeti MDBC, Rodrigues ID, Mazur CE. Relação do consumo de vitaminas e minerais com o sistema imunitário: uma breve revisão. Visão Académica. 2018; 19(1):130-136.

A Luteína é um dos principais carotenóides encontrados na córnea, que enriquece o pigmento amarelo da mácula do olho. É naturalmente abundante e encontra-se disponível em frutas, cereais e vegetais, estando também presente na gema do ovo. A luteína demonstra ter um forte poder antioxidante, ao extinguir o singleto de oxigénio e ao eliminar radicais livres. Tem também um efeito protetor ocular devido à sua capacidade em filtrar a luz azul, reduzindo assim o dano fototóxico nos fotorecetores das células. Uma hipótese sugere que as suas propriedades protetoras podem ser amplificadas pela sua localização nas zonas mais vulneráveis da retina e pela orientação específica das membranas.  

O colesterol LDL é um importante transportador deste nutriente, pelo que o uso excessivo de estatinas poderá interferir com a obtenção deste importante carotenóide a nível ocular. Este pigmento antioxidante lipossolúvel melhora o desempenho visual (reduz a deficiência de brilho e desconforto, acelera a recuperação de fotostress e realça o contraste cromático) pela absorção da luz de onda curta, estando associada à diminuição de incidência de cataratas, degeneração macular e cancro. A proteção ativa na redução de dano oxidativo aparenta não ser a sua única forma protetora da retina pois a luteína demonstra ser também um eficaz agente anti-inflamatório, e a inflamação é o evento primário na etiologia das doenças oculares.⁠

Além da sua ação nos olhos, a luteína tem outros efeitos benéficos, nomeadamente no tecido cerebral, onde tem sido associada a uma melhoria do desempenho cognitivo. Por esta razão, a suplementação em luteína deve ser encorajada, especialmente em idosos e em indivíduos com risco acrescido para determinadas patologias oculares e até cerebrais.

Bibliografia

1. Buscemi S, Corleo D, Di Pace F, Petroni ML, Satriano A, Marchesini G. The effect of lutein on eye and extra-eye health. Nutrients. 2018;10(9):1-24. doi:10.3390/nu10091321
2. McCusker MM, Durrani K, Payette MJ, Suchecki J. An eye on nutrition: The role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataract. Clin Dermatol. Published online 2016. doi:10.1016/j.clindermatol.2015.11.009
3. Lien EL, Hammond BR. Nutritional influences on visual development and function. Prog Retin Eye Res. Published online 2011. doi:10.1016/j.preteyeres.2011.01.001

A zeaxantina é um carotenoide muito parecido com a luteína, que confere uma pigmentação amarela alaranjada aos alimentos, sendo essencial ao organismo, já que ele não é capaz de a sintetizar, podendo ser obtida através da ingestão de alimentos, como milho, espinafre, couve, alface, brócolis, ervilhas e ovo, por exemplo, ou de suplementação.

Esta substância apresenta inúmeros benefícios à saúde, como a prevenção do envelhecimento precoce e a proteção da visão dos agentes externos, por exemplo, o que se deve às suas propriedades antioxidantes.

A zeaxantina previne a aterosclerose, já que evita o acúmulo e a oxidação de LDL (mau colesterol) nas artérias, reduzindo o risco de ocorrência de doenças cardiovasculares.

A zeaxantina protege os olhos dos danos causados pelos radicais livres, já que este carotenoide, assim como a luteína, são os únicos que se depositam na retina, sendo os componentes principais do pigmento da mácula, protegendo os olhos dos raios UV emitidos pelo sol, assim como da luz azul emitida por dispositivos como computadores e telemóveis.

Por esta razão, a zeaxantina também contribui para a prevenção da formação de cataratas, da retinopatia diabética e da degeneração macular induzida pelo envelhecimento, e ajuda a atenuar a inflamação em pessoas com uveíte.

Este carotenoide ajuda a proteger a pele dos danos ultravioleta do sol, prevenindo o envelhecimento precoce, melhorando a sua aparência, e prevenindo o câncer de pele.

Além disso, também ajuda a prolongar o bronzeado, tornando-o mais bonito e uniforme.

A ação antioxidante da zeaxantina também protege o DNA e estimula o sistema imunitário, contribuindo para a prevenção de doenças crónicas e alguns tipos de cancro. Além disso, também ajuda a reduzir a inflamação, devido à capacidade para diminuir os marcadores inflamatórios.

Bibliografia:

1. Bernstein P.S., Li B., Vachali P.P., Gorusupudi A., Shyam R., Henriksen B.S., Nolan J.M. Lutein, zeaxanthin, and meso-zeaxanthin: The basic and clinical science underlying carotenoid-based nutritional interventions against ocular disease. Prog. Retin. Eye Res. 2016;50:34–66.
2. Li B., George E.W., Rognon G.T., Gorusupudi A., Ranganathan A., Chang F.Y., Bernstein P.S. Imaging lutein and zeaxanthin in the human retina with confocal resonance Raman microscopy. Proc. Nat. Acad. Sci. USA. 2020;117:12352–12358.
3. Evans M., Beck M., Elliott J., Etheve S., Roberts R., Schalch W. Effects of formulation on the bioavailability of lutein and zeaxanthin: A randomized, double-blind, cross-over, comparative, single-dose study in healthy subjects. Europ. J. Nutri. 2013;52:1381–1391.
4. Sommerburg O., Keunen J.E., Bird A.C., van Kuijk F.J. Fruits and vegetables that are sources for lutein and zeaxanthin: The macular pigment in human eyes. Br. J. Ophthalmol. 1998;82:907–910.
5. Eisenhauer B., Natoli S., Liew G., Flood V.M. Lutein and Zeaxanthin Food Sources, Bioavailability and Dietary Variety in Age-Related Macular Degeneration Protection. Nutrients. 2017;9:120.
6. Li R., Turner S.D., Brautigan D.L. Xanthophylls lutein and zeaxanthin modify gene expression and induce synthesis of hyaluronan in keratinocyte model of human skin. Biochem. Biophys. Rep. 2015;4:52–58.

A astaxantina é um carotenóide de cor rosa-avermelhada que é encontrado naturalmente em peixes e frutos do mar, como krill, algas, truta, salmão, camarão e lagosta, e que possui potente ação antioxidante, ajudando a combater os radicais livres e a prevenir o surgimento de doenças.

Além disso, a astaxantina também aumenta a proteção do organismo contra os raios ultravioletas do sol, mantendo a hidratação e a maciez da pele, e prevenindo o surgimento de rugas e flacidez.

A astaxantina ajuda a melhorar a circulação de sangue na retina, além de proteger as células dos olhos contra os raios UV do sol e preservar a saúde dos olhos, ajudando a evitar situações como vista cansada e glaucoma, um aumento da pressão dos olhos que pode causar dor de cabeça e dificuldade em ver.

A astaxantina possui propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e anti-apoptóticas, ou seja, impedindo a morte das células saudáveis. Por isso, esse carotenóide protege as células do sistema nervoso, ajudando a evitar doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, demência e doença de Parkinson.

Bibliografia:

1. Pereira, P, M, Carolina et al. Antioxidant and anti-inflammatory mechanisms of action of astaxanthin in cardiovascular diseases (Review). International Journal of Molecular Medicine. Vol.47. 1.ed; 37–48, 2021.
2. Danoso, Andrea et al. Therapeutic uses of natural astaxanthin: An evidence-based review focused on human clinical trials. Pharmacological Research. 1-12, 2021.
3. Fasset, G, Robert; Coombes, S, Jeff. Astaxanthin: A Potential Therapeutic Agent in Cardiovascular Disease. Marine Drugs. vol.9. 3.ed; 447–465, 2011.
4. Davinelli, Sergio; Nielsen, E, Michael; Scapagnini, Giovanni. Astaxanthin in Skin Health, Repair, and Disease: A Comprehensive Review. Nutrients. Vol.10. 4.ed; 1-12, 2018.
5. Ursoniu, Sorin et al. Lipid profile and glucose changes after supplementation with astaxanthin: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Archives of Medical Science. Vol.11. 2.ed; 253–266, 2015.

A Riboflavina é um nutriente essencial, atuando como coenzima em diversas funções, nomeadamente no metabolismo produtor de energia, para além da sua capacidade de prote­ção antioxidante.

Pode ser encontrada em ovos, lacticínios, carne magra e vegetais verdes.

A sua carência é mais prevalente em países subdesenvolvidos, contudo, atletas, pessoas com cancro, doença cardíaca congénita, hipotiroidismo, gravidez/amamentação, idade avançada, alimentação vegetaria­na, doença hepática ou renal, infeções prolongadas, medicação com determinados antidepressivos (tricíclicos) e antibióticos (tetracíclicos) ou consumo excessivo de álcool, têm maior risco de carência. O défice em Vitamina B2 tem implicações na eficácia de outras vitaminas, pois as flavoenzimas estão diretamente ligadas ao seu metabolismo, nomeadamente da vitamina B12, B9, B3, B6, K e D, afetando ainda a absorção de Ferro, o metabolismo do triptofano, disfunção mitocondrial, do trato gastroin­testinal e cerebral.

Consequências incluem: dor de garganta, hiperemia, edema oral e das membranas mucosas, queda de cabelo, cataratas, enxaqueca, anemia, dermatite seborreica e comprometimento da função nervosa.

A vitamina B2 atua como antioxidante contra o stress oxidativo, especialmente contra a peroxidação lipídica e lesão oxidativa de reperfusão, podendo atuar no ciclo da glutationa ou outros mecanismos de reforço do efeito de outros antioxidantes, como a vitamina C.

Existe, ainda, interesse no papel que a Riboflavina desempenha na determinação das concentrações de homocisteí­na, fator de risco de comprometimento cognitivo, complicações de gravidez e doença cardiovascular, sugerindo os estudos que esta poderá inibir a progressão de AVC e proteger o tecido cerebral de lesões isquémicas.

Quando necessária, a sua suplementação com 5 a 10 vezes a dose diária recomendada é apropriada, não devendo, no entanto, ser prolongada por potencial fotorreativo.

O aporte adequado de Riboflavina contribui para a manutenção de visão, pele, mucosas e glóbulos vermelhos normais, bem como para o bom funcionamento do sistema nervoso e redução do cansaço e da fadiga 1–4.

Bibliografia:

1. Ashoori M, Saedisomeolia A. Riboflavin (vitamin B2) and oxidative stress: A review. Br J Nutr. 2014;111:1985-1991. doi:10.1017/S0007114514000178
2. Powers HJ. Riboflavin (vitamin B-2) and health. Am J Clin Nutr. 2003;77:1352-1360. doi:10.1093/ajcn/77.6.1352
3. Thakur K, Tomar SK, Singh AK, Mandal S, Arora S. Riboflavin and health: A review of recent human research. Crit Rev Food Sci Nutr. 2017;57(17):3650-3660. doi:10.1080/10408398.2016.1145104
4. Bosch AM. Riboflavin. In: Principles of Nutrigenetics and Nutrigenomics: Fundamentals of Individualized Nutrition. ; 2019. doi:10.1016/B978-0-12-804572-5.00037-9

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Ver+”
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Ver+
32,00 
Scroll to Top